Caiado disputa prêmio entre os melhores parlamentares do País

Pelo 2º ano consecutivo, goiano figura no prêmio Congresso em Foco

Os 183 jornalistas das 34 principais TVs, rádios, jornais, revistas e sites do País que fazem a cobertura diária do Congresso Nacional e atuam na apuração da política brasileira colocaram o deputado federal goiano Ronaldo Caiado (DEM) entre os parlamentares que mais contribuíram para o País em 2010. Foi a primeira etapa do Prêmio Congresso em Foco, que escolheu os 10 senadores e os 31 deputados que agora são os finalistas para o grande prêmio, cuja votação começa hoje entre os internautas.

“Isso serve como prestação de contas do meu mandato. Ninguém mais credenciado do que a imprensa que cobre diariamente o Congresso Nacional para qualificar o trabalho de cada um dos 513 deputados e 81 senadores”, disse Caiado. O processo de seleção do Congresso em Foco e a urna que recebia os votos foram fiscalizado pela Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF).

Em seu quarto mandato como deputado federal, Ronaldo Caiado busca a reeleição. Em 2009, foi líder da bancada do DEM na Câmara dos Deputados e se destacou pelo trabalho fiscalizador. A atuação foi tão reconhecida que Ronaldo Caiado, numa lista envolvendo todos os 513 deputados e 81 senadores, foi considerado no ano passado o 4º
parlamentar mais influente do Congresso Nacional.

“A imprensa sempre teve o papel de criticar os políticos. Um prêmio desse orgulha os goianos e mostra que Goiás pode sim ser um celeiro de grandes políticos que pautam a política nacional e os rumos do País”, destacou Caiado. Pelo 12º ano consecutivo, o deputado Ronaldo Caiado também está na seleta lista dos 100 parlamentares de maior relevância e influência no Congresso Nacional. A escolha é feitaanualmente pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). É o único goiano com essa marca.

Para votar no deputado Ronaldo Caiado clique aqui

Relatório de Caiado destina mais recursos às Santas Casas de Misericórdia

Está pronto para ser apreciado na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) relatório do democrata Ronaldo Caiado (GO) favorável ao Projeto de Lei (PL) 1124/2007, que direciona às Santas Casas de Misericórdia percentual da arrecadação das loterias e concursos de prognósticos administrados pela Caixa Econômica Federal. De autoria do também democrata Walter Ihoshi (SP), a medida estabelece que 2% da arrecadação líquida dos jogos serão destinados exclusivamente para sua manutenção e em equipamentos nesses hospitais.

“Lamentavelmente, a referência de 30% para a saúde se perdeu. Hoje a participação gira em torno de 15% do orçamento da Seguridade Social”, disse Caiado. Segundo ele, a busca por novas fontes tornou-se uma constante na luta daqueles que pretendem ver construído um sistema de saúde efetivo e de qualidade, que atenda os principais problemas da população brasileira.

“Nada mais justo, portanto, que uma pequena parcela dos recursos das Loterias Federais e concursos de prognóstico sejam diretamente repassados para a Saúde”, afirmou o deputado. Caiado lembrou que, recentemente, as Santas Casas de Misericórdia obtiveram uma conquista importante, com a aprovação da Lei n.º 11.505, de 18 de Julho de 2007, que ampliou os benefícios da Lei n.º 11.345, de 14 de setembro de 2006.

Entre outros aspectos, essa Lei assegura o repasse de 3% da Timemania para o Fundo Nacional de Saúde, que está obrigado a investir tais recursos, exclusivamente, nas ações das Santas Casas de Misericórdia, de entidades hospitalares sem fins econômicos e de entidades de saúde de reabilitação física de portadores de deficiência. “Considerando que a previsão de arrecadação anual da Timemania é de R$ 500 milhões, a parcela a ser destinada às santas casas e hospitais filantrópicos deverá ficar em torno de R$ 15 milhões por ano”, explicou.

Ronaldo Caiado é o único deputado votado nos 246 municípios goianos

– O deputado federal Ronaldo Caiado (DEM), pela 2ª eleição consecutiva, foi o único deputado federal goiano votado em todos os municípios goianos.

– Caiado pode dizer que literalmente representa Goiás. Os 167.591 votos recebidos por Caiado foram distribuídos nos 246 municípios goianos.

– Ronaldo Caiado foi exemplo de superação. Sem apoiar candidato ao governo, sem contar com apoio de máquina municipal ou estadual, ainda viu um primo, Sérgio Caiado (PP), disputar cargo de deputado federal, com bases eleitorais semelhantes.

– Mesmo assim, ficou em 3º e já se cacifa para disputar o governo em 2010, baseado nos princípios da ética, da moralidade, honestidade e transparência.

Coluna Fio Direto

 

DEM é o partido que mais cresce em Goiás

PSDB E PMDB são os mais votados e têm as maiores bancadas nacâmara dos deputadose na assembleia

Terceiro colocado no número de votos nominais e de legenda para deputadofederal em Goiás na eleição do último dia 3, o DEM é o partido que mais se fortaleceu no teste das urnas para cargos legislativos em Goiás, em relação à eleição de 2006.

Com 378.542 votos para deputadofederal (13,1% dos votos válidos), opartido viu sua votação crescer 59% em relação àquela de quatro anos atrás, quando, ainda com o nome de PFL, conquistou 237.993 eleitores (8,37% dos votos válidos). Para a Assembleia Legislativa, os votos da sigla caíram de 148.244 para 108.913, mas elegeram Hélio de Sousa e Nilo Resende.

O DEM fez em Goiás um dossenadores mais bem votados do Brasil:Demóstenes Torres foi reeleito com2.158.812 votos, o que corresponde a 44,09% dos votos válidos para oSenado. Na Câmara dos Deputados, opartido ampliou a bancada por Goiás, que tem na atual legislatura apenasRonaldo Caiado. Além de Caiado, reeleito com 167.591 votos – o terceiro mais votado de Goiás, atrás de Iris Araújo (PMDB) e Rubens Otoni (PT) -, também foram eleitos Vilmar Rocha e Heuler Cruvinel.

PSDB e PMDB mais uma vez fizeram as maiores bancadas, tanto na Câmarados Deputados quanto na Assembleia Legislativa. Em relação a 2006, ospartidos inverteram a posição. Quatro anos atrás, o PMDB teve mais votos do que o PSDB. Apesar de terem recebido o maior número de votos, ambos tiveram votação menor nesta eleição.

Em 2006, o PMDB conquistou 670.701 votos para deputado federal, número que caiu para 539.487 em 2010. O PSDB saiu de 618.332 para 551.819 votos neste ano.

O PT conquistou nesta eleição 45% a mais de votos para deputado federal do que em 2006 e elegeu o segundo mais votado, Rubens Otoni. O partidoteve 261.362 votos, 81.160 mais do que em 2006. Apesar do número expressivo, elegeu apenas umdeputado federal. Para deputadoestadual, o partido teve a quarta maior votação, com 293.927 votos, o que corresponde a 10,18% dos votos válidos apurados no Estado.

O PDT também teve um crescimento expressivo no número de votos paradeputado estadual: 372%. Em 2006, opartido teve 42.621 votos, número que saltou para 201.550 nesta eleição. Mais de 70% dos votos foram da deputada Flávia Morais, eleita com 152.553 votos. Para deputado estadual, o crescimento do partido foi menor: de 126.221 votos, em 2006, para 151.082 em 2010. Também aumentaram o número de votos para deputadoestadual PSC, PPS, PMN, PRTB e PTN. Tiveram redução PR, PTB, PP e PT do B. Para deputado federal, também aumentaram os votos PDT e PMN e sofreram redução PP, PTB e PR (antigo PL).

Alianças

As alianças partidárias tiveram reflexos distintos para PT e PSDB nestas eleições. Sozinho, o PT elegeu doisdeputados federais (Rubens Otoni e Pedro Wilson). Coligado com o PMDB, só conseguiu a reeleição de Rubens Otoni. “O PT aumentou o número de votos, mas a coligação só ajudou o PMDB”, avalia o sociólogo Pedro Célio Borges, da Universidade Federal de Goiás (UFG). “Com o PSDB ocorreu o processo oposto, porque foi ele quem se beneficiou da aliança com o DEM”, analisa.

Para o cientista político Sílvio Costa, da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Goiás, não houve grande alteração na correlação de forças nos legislativos estadual e federal. Ele observa que ospartidos que compõem a base do atual governo federal fizeram a maioria dos eleitos.

“A oposição fez apenas 6 dos 17deputados federais”, contabiliza Sílvio Costa, citando que PSDB e DEM fizeram três deputados federais cada. Apenas as vagas abertas pelos cinco atuais deputados que não disputaram a reeleição foram renovadas naCâmara dos Deputados.

Sílvio Costa ressalta que a expressiva votação do DEM o coloca em situação de equilíbrio em força política com o PSDB. “O DEM conquistou condições de alçar voo solo e um dos grandes anseios de Demóstenes Torres é sergovernador”, analisa o cientista político. Ele também considera forte a possibilidade de distanciamento entre PSDB e DEM depois das eleições.

Para a Assembleia Legislativa, Sílvio Costa também não vê alterações significativas. Ele lembra que as posições só devem ser definidas mais claramente depois do resultado do segundo turno.

Legenda vive seu melhor momento, diz Caiado

Presidente estadual do DEM e terceirodeputado federal mais bem votado do Estado, Ronaldo Caiado diz que opartido vive seu melhor momento. Citando a votação do senadorDemóstenes Torres, que teve mais de 2,1 milhões de votos, a sua própria, e as dos deputados eleitos Vilmar Rocha e Heuler Cruvinel, Caiado diz que a boa performance do partido foi construída ao longo dos anos. “Isso não acontece da noite para o dia”, afirma.

Os próximos passos, adianta Caiado, são já com vistas às eleições municipais de 2012. “Vamos lutar pelas prefeituras de Goiânia e dos maiores municípios do Estado”, promete. “Opartido saiu desta eleição bastante fortalecido e vamos enfrentar novos desafios.”

O presidente estadual do PSDB, Daniel Goulart, define seu partido como “desprendido” na composição de alianças partidárias. “Temos uma política muito diferenciada da do PMDB, por exemplo”, alfineta. Ele pondera que, mesmo tendo perdido umdeputado federal – o partido elegeu três parlamentares em 2010 -, os eleitos aumentaram seus votos.

“Em 2006, elegemos uma bancada com dez deputados federais, contando os partidos coligados e agora fizemos três e o DEM também três; na eleição passada também tivemos uma contribuição decisiva para a eleição dogovernador (Alcides Rodrigues, do PP)”, lembra. Ele explica que o PSDB perdeu alguns líderes para legendas menores, como PMN, mas destaca que ele saiu fortalecido, assim como os aliados.

Vice-campeão na disputa para aCâmara dos Deputados, com 171.382 votos, Rubens Otoni analisa que sua votação tem uma simbologia grande, principalmente por ser de um partidodo campo popular. Otoni reconhece que o PT tinha objetivos maiores: eleger dois deputados federais e cinco estaduais (elegeu quatro).

Já o presidente estadual do PR,deputado Sandro Mabel, destaca a votação de Vanderlan Cardoso, com mais de 500 mil votos. “O partido se fortaleceu”, sustenta, apesar de o PR ter perdido votos tanto para a Câmaraquanto para a Assembleia.

Caiado, o verdadeiro campeão de votos

 Reeleito pela quinta vez, deputado não teve ajuda de grupos políticos fortes, ao contrário de Iris Araújo e Rubens Otoni

Se existe algum político nessas eleições em Goiás que pode dizer que não deve nada a algum grupo político, essa pessoa é o presidente regional do DEM, deputado federal Ronaldo Caiado. Candidato à reeleição pela 5ª vez, ele teve incríveis 167.591 votos. Em 2006, foram 152.895. Ficou atrás apenas de Dona Iris (PMDB), apoiada pelo marido governadoriável Iris Rezende, e Rubens Otoni (PT), cujo irmão Antônio Gomide é prefeito de um dos maiores colégios eleitorais de Goiás e tem apoio da máquina petista. Com todo esse desempenho, Caiado já desponta como candidato natural ao Palácio das Esmeraldas em 2014.
Nas rodas políticas de Goiás, o comentário era o desempenho de Ronaldo Caiado nas urnas. Alguns achavam que seria impossível ele ser eleito sem palanque de governador. Outros ficaram apreensivos. Após o resultado, a análise era que Caiado será um excelente nome para disputar o governo de Goiás em 2014, principalmente pela trajetória que vem construindo ao longo dos anos.
O deputado Ronaldo Caiado ouviu todos os membros de seu partido em Goiás antes da definição de quem iria ser apoiado pelo DEM. A maioria optou por caminhar com o PSDB. Caiado, em discurso emocionado, disse que aceitava a decisão da maioria, mas que não poderia subir no palanque de Marconi Perillo, com quem tem profundas desavenças. “Mantenho minha posição que é pública. Respeito meus colegas de partido, mas peço que me respeitem também, porque farei uma campanha solo. Ficarei neutro no processo sucessório em Goiás”, disse à época da convenção do DEM.
Tucanos e aliados apostaram que era questão de tempo para Ronaldo Caiado subir ao palanque de Marconi, já que até o senador Demóstenes Torres já tinha aderido. Mas Caiado manteve sua postura e foi até o fim com tal decisão. “Se me tiram a coerência, me tiram a força”, disse Caiado durante a mesma convenção. Ronaldo Caiado enfrentou muitas dificuldades. Sem um palanque para governador, optou por fazer carreatas e comícios solitários em todo o Estado. Vez ou outra, o senador Demóstenes Torres comparecia aos eventos, junto com alguns candidatos a deputado estadual.
Antes das eleições, Ronaldo Caiado já dizia que “os amigos e companheiros” deram a força que ele precisava. Baseado no discurso da ética, da moralidade, da coerência e da honestidade, por onde passava, o democrata era bem recebido e foi caindo na graça do goiano. Como agradecimento, Caiado dizia que ao longo de sua vida nunca desonrou um voto do goiano e que agora não seria diferente.
Apoiado pela esposa Gracinha Caiado e pela filha Anna Vitória, fez várias frentes com elas pelo Estado. Amigos, simpatizantes, famílias inteiras, das mais humildes às mais abastadas, se apresentavam para pedir votos e defender as ideias de Ronaldo Caiado voluntariamente.
Ronaldo Caiado se reciclou nos últimos anos. Defensor do agronegócio, mostrou que tem capacidade para debater diversos temas, sem dificuldades. É relator na Câmara dos Deputados da proposta de reforma política, a mãe das reformas, uma das mais aguardadas de aprovação pelos brasileiros, que vai dar uma cara nova ao sistema eleitoral do País. Circula bem por assuntos como a educação. Elaborou também uma proposta que inclui a disciplina de ciência política na grade do ensino médio. Os adolescentes irão aprender com funciona o sistema político-eleitoral do Brasil.
Possui enorme prestígio em Brasília, tanto no Congresso Nacional quanto na Executiva Nacional do DEM, onde é vice-presidente. Foi líder de seu partido na Câmara, presidente da Comissão de Agricultura. É defensor dos aposentados e dos funcionários da saúde. Nos últimos anos, tem brigado pela aprovação da Emenda 29, que destinará mais R$ 35 bilhões para a saúde, apesar da relutância do governo federal. É conhecido por ser um grande orador e por promover grandes debates no plenário da Câmara.
Aliás, Ronaldo Caiado foi apelidado pela imprensa nacional de o Anti-CPMF, na época que o imposto foi derrubado. Se tornou um verdadeiro opositor revelando todos os problemas no governo federal. Após expressiva votação, Ronaldo Caiado não vai descansar. Disse que vai ajudar na campanha de José Serra para presidente. Hoje vai à São Paulo fazer exames de rotina, após campanha exaustiva. Apesar do pique, já está com 61 anos.
Com todo esse desempenho e currículo, desponta como um dos grandes nomes para a disputa do governo goiano em 2014. Ronaldo Caiado vem construindo solidamente esse caminho. Em 1994 disputou o governo e perdeu. Caiado diz que “aguarda o cavalo passar arreado na frente dele”. Pelo visto, a grande chance dele será daqui a quatro anos.