Mensagem de Ronaldo Caiado a todos os médicos do Brasil

Meus colegas médicos, neste dia 18, quando comemoramos o Dia do Médico, vivemos uma situação catastrófica para todos nós. Jamais imaginei que um governo com objetivo de tentar se reeleger, buscasse a classe médica para ser o vilão, a figura demonizada perante a sociedade brasileira. Nunca imaginei que uma presidente da República, Dilma Rousseff, pudesse se servir de um jogo tão baixo, tão rasteiro como esse para mutilar a imagem do médico, jogar sobre nossos ombros todo o caos da saúde, fazer uma campanha publicitária como se fossemos nós os responsáveis por esse caos que vive no momento em que a pesquisa mostra desaprovação de 78% da política de saúde do atual governo. A presidente lava as mãos e entrega os médicos como se fossem os responsáveis por tudo.

Mas não pararam por aí. Depois de luta de mais de 13 anos, vetaram o nosso ato médico, não reconheceram que nós temos a prerrogativa e o direito inalienável do diagnóstico e do tratamento. Mas não pararam por aí. Continuaram com a campanha de importar médicos sem que tivessem que passar pelo mínimo de qualificação para atender a sociedade brasileira num claro, evidente jogo de marquetagem política.

Nós vimos e assistimos também uma situação, no momento da votação dessa Medida Provisória, que nos constrangeu enormemente, onde o Conselho Federal de Medicina (CFM) negocia um dos pontos mais importantes para nós, médicos, que era exatamente uma lei assinada pelo presidente Juscelino Kubistchek, que dava aos médicos a condição dos conselhos estaduais e federais registrarem os médicos no Brasil e também fiscalizar a sua atuação.

Até isso o Conselho Federal de Medicina entregou para o governo diante da pressão para aprovação dessa medida provisória. Ou seja, o desmonte foi enorme. O comprometimento foi generalizado. A descrença a qualquer um que queira continuar ou fazer medicina no Brasil é, sem dúvida nenhuma, uma insegurança total do que será a grade curricular, como será a residência médica e de que maneira o Ministério da Saúde, dessa forma autoritária, montando um verdadeiro politburo que definirá a carreira médica no País.

Encerro dizendo aos colegas que neste momento de desafio é hora da conscientização política. É isso que peço a vocês. Não vamos caminhar para o desânimo, nem para a desesperança. Vamos, pelo contrário, mostrar o prestígio que temos, cada um em seu consultório trabalhando duramente estimulando os colegas filiados a partidos políticos que sejam candidatos. Arregacem as mangas e vamos mostrar ao País a importância de nossa classe e o prestígio que temos junto à nossa população, claramente dizendo não àqueles que usaram de marquetagem para tentar destruir a medicina brasileira. Conto com vocês, vamos reverter o jogo e vamos ganhar as eleições de 2014. Um abraço do amigo e colega de profissão!

Ronaldo Caiado

Médico ortopedista e líder do Democratas na Câmara dos Deputados

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *