CCJ aprova requerimento de Caiado que desmembra PEC do orçamento impositivo e impede perdas para a saúde

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou hoje (27/11) requerimento extrapauta do líder do Democratas na Câmara dos Deputados, Ronaldo Caiado (GO), para desmembrar a Proposta de Emenda à Constituição do Orçamento Impositivo (PEC 353/2013). Com isso, a Câmara apreciará o investimento obrigatório das emendas parlamentares separadamente da metodologia de cálculo do financiamento da saúde incluída no texto aprovado pelo Senado Federal.

Em sua argumentação, o deputado mostrou que a regra proposta pela base governista não representa ganhos a saúde brasileira. Ao contrário, os 13,6% da receita líquida da União sugeridos são bem inferiores a projeto que tramita na Casa que prevê 18,7% e já foi aprovado por duas comissões. Ao mesmo tempo, com a divisão da PEC, o Congresso pode finalizar rapidamente a votação do orçamento impositivo, tema discutido há vários anos no parlamento.

Caiado disse ser inaceitável colocar na Constituição Federal uma regra que não altera o que a saúde recebe hoje. “É um crime contra a população brasileira aprovar o orçamento impositivo em detrimento da saúde pública”, disse. Se fosse aprovado o texto do Senado, haveria uma perda de R$ 30 bilhões no orçamento da saúde em relação ao projeto que tramita na Câmara. “Já temos o texto aprovado em comissão especial e na Comissão de Seguridade Social. Além disso, o projeto em discussão é uma lei complementar, que pode ser alterada com mais facilidade que uma emenda constitucional. Colocar esse percentual na Constituição penalizaria a saúde e teríamos muito dificuldade em modificar a norma”, disse Caiado, que comemorou a decisão da CCJ que aprovou seu requerimento por 37 votos a favor e 22 contra.

Pelo projeto de lei complementar em tramitação na Câmara, o financiamento da saúde ficará fixado em 18,7% da receita líquida da União até 2018, começando com 15% em 2014. Esses valores são correspondentes aos estipulados no projeto de iniciativa popular, assinado por 2,5 milhões de pessoas, encaminhado ao Congresso. Caiado reforça que com seu requerimento e o acordo proposto pelo Democratas, o Brasil ganha ao preservar a discussão por mais recursos para o setor e possibilidade a votação rápida do orçamento impositivo. A proposta do partido é aprovar na CCJ e abrir mão do prazo de 10 sessões na comissão especial para que a PEC seja levada direto ao plenário. Na sequência, seria promulgada pelo Congresso.

“É inadmissível que o ministro da Saúde não tenha se pronunciado sobre esse golpe contra saúde que a base do governo tentou dar no Senado. Com esses 13,6% e usando as emendas parlamentares e os recursos dos royalties do petróleo para atingir o mínimo constitucional para financiamento do setor, o governo estará fazendo nada pela saúde”, acrescenta Caiado.

“Nós conseguimos que os outros partidos entendessem que não é possível aprovar um direito ao parlamentar – que é ter suas emendas liberadas – e na outra mão frustrar a população brasileira que quer uma definição sobre o financiamento da saúde pública. O Democratas avança na questão do financiamento da saúde e conseguiu no argumento técnico que os pares votassem a favor. Tivemos uma vitória de 37 a 22, muito comemorada pelo SUS que estava sofrendo mais um golpe na história de golpes que esse governo tem aplicado na saúde pública brasileira”, afirmou o deputado Mandetta (MS), membro da Comissão de Seguridade Social e da comissão especial que trata do financiamento.

“Não entendo o argumento de alguns parlamentares. Aprova a PEC da forma como estava seria mostrar que os deputados pensam apenas no próprio umbigo quando a saúde é crucial para o desenvolvimento de um País. Defendo o orçamento impositivo, mas que não seja aprovado de forma açodada”, opinou o deputado Felipe Maia (RN), integrante da comissão especial na Câmara que analisou a PEC e aprovou o texto focado apenas no orçamento impositivo, tema único como determina o regimento da Casa.

One thought on “CCJ aprova requerimento de Caiado que desmembra PEC do orçamento impositivo e impede perdas para a saúde

  1. Quando compreenderao que dispêndio com a saúde e investimento? Uma nação de doentes e improdutiva e acarreta a médio e longo prazo vários prejuízos e a previdência torna-se imprevidente. Dentro dos cálculos para a saúde deve ser incluída a majoração da remuneração de toda a hierarquia profissional dedicada heroicamente a saúde. Precisamos acabar com a discriminação salarial contra os médicos brasileiros que estão a ganhar bem menos que os médicos estrangeiros do programa Mais Médicos. Isto ocorre em outro pais mas o titular da Ordem dos Médicos de lá disse: queremos que nos paguem o mesmo que estão a pagar aos outros médicos. Tal programa foi instalado em 2008 sob governo do PS em Portugal Cf. noticiário local.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *