Banco Central atuou pela reeleição de Dilma, diz Caiado

image1

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), afirmou nesta terça-feira (24/3) que o Banco Central atuou como mais um mecanismo de apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff. Em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) com o presidente do BC, Alexandre Tombini, o senador questionou a súbita mudança da condução da política monetária logo após o segundo turno das eleições presidenciais, quando houve início da escalada do aumento dos juros (taxa Selic), e dos preços da gasolina, luz e transporte público. Caiado destacou que com o aval do Banco Central, o cidadão foi enganado e passou por um processo de estelionato eleitoral.

O líder democrata, ao ler a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) de setembro de 2014, demonstrou a posição do Banco Central de que não havia diagnóstico de aumentar os juros e nem os preços administrados (tarifas e combustível energia). No entanto, dois dias depois do resultado das urnas em outubro houve aumento dos juros, mantidos no mesmo patamar durante toda a campanha eleitoral. “Como o Banco Central pode alegar independência, quando atuou como um elemento ligado à reeleição da presidente Dilma? Em setembro de 2014 estava tudo em céu de brigadeiro e em outubro, o governo ‘acordou’ começou a escalada sem fim do aumento dos juros”, argumentou.

Caiado citou a ata 185ª, referente à reunião do Copom de 2 e 3 de setembro de 2014, com destaque para o seguinte trecho: “projeta-se variação de 6% para o conjunto de preços administrados por contrato e monitorados, em 2015, mesmo valor considerado na reunião do Comitê de julho: e de 4,9% em 2016, ante 4,8% considerados na reunião de julho”. Em outubro, porém, houve o aumento da taxa Selic, três dias depois do resultado das urnas.

“O Banco Central, monitorado pelo Palácio do Planalto, atuou muito mais em prol da campanha do que no resguardo da economia e da moeda brasileira. Essa postura é indefensável! Esse diagnóstico de desmantelamento da economia não foi repassado ao povo, que foi enganado. É daí que resulta o processo de ingovernabilidade da presidente Dilma Rousseff, da gestão do PT. Agora querem fazer ajuste fiscal. Ajuste fiscal do PT significa aumentar o desemprego e enfiar a mão no bolso do trabalhador”, acrescentou o parlamentar.

5 thoughts on “Banco Central atuou pela reeleição de Dilma, diz Caiado

  1. Senador, sem querer defender A ou B, até porque, quem for podre que se arrebente, mas, FHC fez o mesmo em 98. Bata em Chico e em Francisco, por favor.

  2. Senador Caiado, são tantos os absurdos que as vezes eu até me perco. Isto é, como tantos outros, elemento para se exigir uma demissão por justa causa desta dita presidente, julgamento por seus erros, devolução dos bens roubados e papuda como endereço fixo PARA SEMPRE. Grata.

  3. Precisa-se incentivar a ação de INTERVENÇẪO MILITAR CONSTITUCIONAL de imediato, pois os colaboradores desse govêrno fajuta criam situações para favorecer a quadrilha, dificultando que se faça JUSTIÇA, e , treinando milícias estrangeiras, fantasiadas de SEM TERRA para se armarem e combaterem o nosso povo, que está atualmente aguardando as esperadas providencias previstas nos Artigos de nossa Constituição, uma vez que já existem inúmeras provas concretas que apoiam as AÇÕES SOLICITADAS!@

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *