Presidente Dilma pode e deve ser investigada, diz Caiado

Caiado plenário 2

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), questionou há pouco a posição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, de que a presidente da República, Dilma Rousseff, não pode ser investigada durante o exercício do seu mandato, no caso do Petrolão. Caiado argumentou que não existe nenhum artigo na Constituição Federal que proíba essa ação. E mais: mostra que a Carta Magna é clara em determinar que todos os que zelam pelo patrimônio público devem agir com transparência e estão passíveis de ser responsabilizados quando houver indícios e provas de desvios.

“Não existe qualquer artigo, inciso ou parágrafo que exclua quem quer seja da investigação. Essa tese defendida pelo procurador-geral da República e pelo ministro da Justiça carece de respaldo constitucional. Nossa Constituição republicana preza por exigir transparência de todos os atos e da responsabilização de todos os que zelam pelo patrimônio público. Esse é o fundamento da Constituição que o Brasil com competência soube redigir e aprovar em 1988”, disse, em discurso no plenário do Senado.

O parlamentar lembrou que a tese de Janot e Cardozo sobre a Dilma ganhou força após a divulgação da lista de parlamentares investigados. E afirmou que todas as atitudes de Dilma buscaram apagar as digitais dos crimes cometidos na Petrobras. “Quantas vezes a presidente da República foi citada na delação do doleiro Alberto Youssef? 11 vezes? Qual foi a base de que sequer não se pode abrir investigação? O que vemos foi o silêncio de quem foi presidente do Conselho de Administração da Petrobras. Com todos os escândalos, a presidente resistiu, quando todo o Brasil pediu, em demitir a Graça Foster, presidente da estatal”, afirmou.

“Pergunto: quando existe crime, quais são as primeiras providências? Cercar o local, chamar a polícia técnica e científica e buscar os indícios, provas, porque no decorrer do tempo as provas desparecem. É importante que possamos investigá-la para saber se existe a conivência, a utilização do mandato na manutenção de uma diretoria que tem o objetivo de apagar as digitais, indícios ou provas daquele escândalo de corrupção praticado na Petrobras”, pontuou.
Capa da Veja

O senador ainda lembrou a capa da revista Veja em que tratava da delação de Alberto Youssef sobre o conhecimento de Dilma e Lula sobre o esquema do Petrolão. E como naquele momento, pré-eleição, os filiados e militantes do PT prontamente se mobilizaram para depredar o prédio da Editora Abril. “Uma revista de repercussão nacional estampou a delação em que o doleiro diz que revelou a Polícia Federal em que Dilma Rousseff e Lula tinham conhecimento das benesses, do escândalo na estatal. Isso provocou ação direta do exército do Lula, do Stédile, para agredir a Veja, quebrar o prédio da Veja, que foi execrada como se estivesse fazendo campanha ao candidato da oposição. Vivemos um momento delicado”, disse.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *