Em audiência, Caiado questiona “casamento íntimo” entre empréstimos do BNDES e campanhas eleitorais

17148167112_0368780642_zO líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), durante audiência em comissão da Casa com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, nesta terça-feira (14/04), trouxe dados que revelam a associação entre as empresas que receberam maior financiamento pelo banco e as doações de campanha para o PT. Conforme também ressaltou o senador, ao eleger determinadas empresas “campeãs” e financiá-las a juros subsidiados, o banco também contribuiu para gerar desequilíbrio e monopólio no mercado nacional. O debate aconteceu na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.

“Houve um ‘casamento íntimo’ entre os empréstimos do BNDES e as campanhas eleitorais. Uma dessas empresas, o grupo JBS, fez doações de R$ 368 milhões na última campanha, sendo R$ 144 milhões para o PT. Essa foi a mesma empresa que dizimou os pequenos frigoríficos no meu estado de Goiás e na região Centro-Oeste. Pergunto: o Conselho de Administração do BNDES, que tem 27% das ações do JBS, foi consultado antes de fazer essa doação eleitoral? Por que esse dinheiro não foi passado para os acionistas minoritários em vez de bancar campanhas?”, questionou.

Empréstimos internacionais
Ronaldo Caiado também trouxe dados em relação à mudança de rumo que o BNDES tomou a partir de 2007, quando cinco países passaram a receber 57% dos recursos internacionais. O período coincide com o início da gestão de Luciano Coutinho à frente da instituição.

“De 2007 a 2014, 57% dos financiamentos foram direcionados a Cuba, Angola, Argentina, República Dominicana e Venezuela, justamente quando crescia um movimento de esquerda nessas nações de influência do Brasil. Rezaram na cartilha do Foro de São Paulo e o BNDES passou a ter uma importância ímpar nesse processo de desestabilização de nações na América Latina e na África”, acusou.

O senador ainda apresentou informações sobre dois empréstimos caracterizados como sigilosos e um como ultra-sigiloso feitos para Venezuela, Cuba e Angola.

“Empréstimos sigilosos justamente para os países mais corruptos e mais alinhados a esse esquema montado pelo PT que tem o governo brasileiro como principal financiador. Isso não tem o menor cabimento, ministro”, afirmou.

CPI do BNDES
Ao final, Caiado afirmou que continua lutando para a instalação da CPI do BNDES, mesmo com a operação do governo que retirou seis assinaturas no momento em que o documento foi protocolado no Senado.

“Tenho que reconhecer o ‘prestígio’ do presidente do BNDES. Em 10 minutos conseguiu tirar seis assinaturas da CPI que juntei meses para coletar. Mas continuo em busca de mais senadores para abrimos esses empréstimos secretos e ultrassecretos de um banco que deveria se preocupar em financiar as pequenas empresas em vez de fomentar financiadores de campanhas eleitorais”, concluiu.

3 thoughts on “Em audiência, Caiado questiona “casamento íntimo” entre empréstimos do BNDES e campanhas eleitorais

  1. Bravos Senador !! Vá em frente, é preciso urgentemente esclarecer estas falcatruas , o uso do dinheiro conseguido através de impostos escorchantes, e que deveriam beneficiar o nosso país que está se diluindo no mar de lama que este governo implantou, deste governo corrupto. O dinheiro é nosso e a nós cabe saber onde ele é empregado, é preciso derrubar estes sigilos. O nosso povo merece respeito.

  2. Bom dia Senador!
    Tenho acompanhado você pelo Email, Facebook e pela TV, ontem ainda assisti você na TV.
    Obrigada por nos defender sobre nossos direitos!
    Conte com nós!!
    Abraços
    Ronilda Ramos

  3. ILUSTRE E DIGNO SENADOR RONAL CAIADO. Cada vez mais sentimos a confiança voltar em nossas vidas quando acompanhamos seu trabalho.
    Que Deus o ilumine e lhe dê muita força, e isto o senhor vai precisar, pois está enfrentando uma quadrilha que já equipou as instituições com todos os canalhas que possuem. Sabemos que o senhor tem caráter, fibra e não vai retroceder nunca. Enfrente sim, ilustre senador, vá até o fim para tirar esta quadrilha chamada PT, do poder
    Força Senador
    ANTONIO CARLOS DIAS

Deixe uma resposta para Ronilda Soares ramos Cancelar resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *