Petrobras alavancou campanha e agora financia ajuste fiscal, diz Caiado

IMG_0671

Em audiência pública nesta terça-feira (28/4) com o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, o senador Ronaldo Caiado (GO) acusou a gestão petista de alavancar a campanha eleitoral da presidente Dilma. Segundo o líder do Democratas, durante o ano eleitoral, a petroleira represou os preços dos combustíveis para segurar a inflação e agora quer arrecadar recursos para financiar o ajuste fiscal. Sobre o tema, Bendine apenas afirmou que só responde por atos da empresa a partir de fevereiro quando assumia Petrobrasa presidência da Petrobras. Caiado ainda questionou o fato de o PT reiteradas vezes acusar a oposição de ter planos de privatização da estatal, porém, em 12 anos com bastante interferência do Estado e modelos populistas quebrou a empresa como atestou balanço divulgado semana passada. A audiência foi realizada em reunião conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos e Infraestrutura.

“A Petrobras alavancou a campanha eleitoral. Segurou o preço do combustível, segurou a inflação e acumulou um, prejuízo de R$ 80 bilhões. Agora, função da empresa é arrecadar recursos para o ajuste fiscal. Primeiro, o compromisso de eleger a presidente Dilma e depois do desfalque, o povo deve pagar pelo ajuste fiscal. E o presidente da Petrobras se eximiu da responsabilidade de responder sobre esse estelionato eleitoral cometido contra o povo”, destacou Caiado. Ainda sobre o preço da gasolina, o parlamentar mostrou que o brasileiro paga hoje o dobro que o norte-americano, enquanto Bendine disse considera justo o valor cobrado no Brasil.

O senador afirmou que o balanço divulgado na semana passada comprovou que a empresa está quebrada unindo má administração e desvios de recursos. “PT quebrou a máxima do mercado: o melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo bem administrada e o segundo melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo mal administrada”, pontuou o senador.

Outra questão não respondida pelo dirigente da petroleira brasileira foram as condições dos empréstimos tomados pela Petrobras aos bancos chinês e brasileiros (Caixa e Banco do Brasil). “Questionei se qualquer outra empresa com uma dívida que cresceu R$ 221 bilhões em quatros anos teria acesso a empréstimo no Banco do Brasil ou se esses privilégios são apenas voltados a estatais”, disse Caiado.

Caiado também criticou o sistema de partilha estipulado para a exploração da camada pré-sal. “É um modelo que viabiliza a corrupção, favorece a ingerência política. A empresa hoje é incapaz de arcar com os 30% estipulados em lei de cada consórcio para exploração do pré-sal. Temos hoje uma grande riqueza micada”, analisou.

One thought on “Petrobras alavancou campanha e agora financia ajuste fiscal, diz Caiado

  1. Excelente argumentação senador. A resposta de antes de fevereiro eu não era presidente “desta” estatal nos remete a falta de “accountability” (responsabilização) por parte de tudo que não dá certo nesses 12 anos de PT. Será necessário repetir “Nurenberg” onde foram identificados as responsabilidades de todos os Nazistas que diziam só estarem cumprindo ordens?

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *