Caiado: Vetar transparência no BNDES por “competitividade” é mais uma pérola do PT

17904962635_103e7f0eef_zO líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), ironizou a justificativa da presidente Dilma Rousseff para vetar emenda à MP 661/14 que determinava o fim do sigilo em todas as operações do BNDES. De acordo como o senador, o argumento de que a emenda “prejudicaria a competitividade das empresas brasileiras” é uma mais uma pérola petista contra o bom senso.

“Quer dizer que quanto mais nebuloso o funcionamento de uma empresa, mais competitiva ela se torna? Que a transparência é inimiga da boa gestão? Que uma empresa quando precisa abrir seu capital para entrar na bolsa está se tornando mais frágil? É claro que não. É só mais uma máxima petista que comprova que o PT gosta de caminhar no submundo das negociatas”, acusou.

O democrata afirmou que já esperava o veto da presidente que tem atuado fortemente para atrapalhar qualquer ação para investigar o banco, assim como a CPI do BNDES já protocolada e à espera da leitura pelo presidente do Senado.

“Esse veto tem tudo a ver com o que nós estamos denunciando, ou seja, é uma maneira clara do governo e da presidente não deixarem com que tenhamos informações sobre a aplicação do dinheiro da população por intermédio do BNDES. Já está mais do que claro que as operações do banco têm buscado interesses partidários e ideológicos”, explicou.

CPI do BNDES
Ronaldo Caiado reforça que apesar de toda a atuação do governo na tentativa de barrar o andamento da CPI do BNDES no Senado, o requerimento que conta com 27 assinaturas já está protocolado à espera apenas de leitura e instalação da comissão.

“O BNDES é hoje a principal ferramenta do modelo petista de perpetuação no poder através do desvio de dinheiro público. E suas operações internacionais mostram que o esquema não se limita às fronteiras do Brasil. Hoje estamos financiando os tiranetes amigos de Lula e do Foro de São Paulo. E é por isso que precisamos de uma CPI no Senado que se mantenha afastada da influência do Executivo”, afirmou.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *