itamaraty

Caiado quer convocar ministro após Itamaraty agir para esconder informações sobre Lula

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado, vai ingressar com requerimentos de informações e de convocação ao ministro Mauro Vieira (Relações Exteriores) e do diretor de Comunicações e Documentação do Itamaraty, João Pedro Corrêa, após denúncia de que o Itamaraty agiu para esconder informações que comprometem o ex-presidente Lula.

A revelação divulgada nesta sexta-feira (12/06), no jornal O Globo, demonstra que dados classificados como “reservados”, que por lei deveriam ser divulgados após cinco anos — prazo já vencido –, foram retidos após memorando de Corrêa Costa sugerir a reclassificação dos papéis para “sigiloso”, o que tornariam eles restritos por mais 10 anos. O argumento do diretor foi o de que o jornalista já teria “produzido matérias sobre a empresa Odebrecht e um suposto envolvimento do ex-presidente Lula em seus negócios internacionais”.

“Não quero aceitar que o lulopetismo tenha se impregnado também em nossos quadros diplomáticos e portanto não vou me furtar de trazer esse tema ao Senado. Vou convocar o ministro Mauro Vieira e o diretor envolvido para explicações e agora mais do que nunca vou exigir que estes documentos sejam divulgados”, afirmou Caiado.

O pedido havia sido feito pelo jornalista da Revista Época, Filipe Coutinho, e se referia a telegramas e despachos reservados do ministério que citavam a empresa Odebrecht. Não havia qualquer referência ao nome do ex-presidente Lula. Ronaldo Caiado pretende entrar com requerimentos de informações e de convocação na Comissão de Relações Exteriores já na próxima semana. O democrata também estuda a judicialização do caso para que estes documentos sejam divulgados o mais rápido possível.

“O Itamaraty é um órgão a serviço do Estado brasileiro e não do PT de Lula. Em meu mandato como senador e como membro da Comissão de Relações Exteriores do Senado tenho me empenhando em defender o Itamaraty e sua autonomia na promoção de nossa política externa, mas essa acusação de que agentes internos estão agindo em favor do ex-presidente e contra a transparência de informações fere gravemente essa instituição centenária”, comentou.