regulacao

“Celg não é mercadoria política”, afirma Caiado

Senador quer convidar Marconi Perillo para discutir venda da empresa goiana em comissão da MP 677

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), vai apresentar requerimento de convite ao governador de Goiás, Marconi Perillo, para uma audiência pública na comissão mista que debate a MP 677, que é voltada para o setor elétrico.

A intenção do senador é discutir o modelo de venda da Celg, quando a empresa já havia sido repassada pelo governo estadual à Eletrobras com o Estado de Goiás se comprometendo com o passivo de dívidas e com uma série de garantias para a tomada de novos empréstimos.

“Será um momento oportuno para que os dados sejam confrontados e, com documentos apresentados, a sociedade tenha a noção de quais foram os dilapidadores da Celg. Ou, o que prevaleceu para que a Celg chegasse a essa situação: se foi mais um jogo político-partidário, se foi para financiamento de campanhas, ou para enriquecimento ilícito”, explicou Caiado.

O democrata argumenta que uma audiência com o governador, onde sejam apresentados dados e o valor do passivo deixado com o Estado de Goiás no momento da cessão da empresa à Eletrobras, podem servir de subsídios para que se possa responsabilizar pessoas pelo abuso cometidos contra a empresa.

“Queremos criar condições para que amanhã a quebradeira que fizeram com a Celg não fique impune. Estamos lutando por aquilo que sempre foi o compromisso do governador, por exemplo, de defender a empresa. Ele que chegou a afirmar que jamais iria vender a Celg, hoje, estranhamente, passou a ser o mais entusiasta da sua venda”, lembrou Caiado.