11921952_10156023956765245_2138222498_n

Governo quer salvar setor automotivo enquanto sacrifica fundos regionais, afirma Caiado

O líder do Democratas no Senador Federal, Ronaldo Caiado, criticou nesta quarta-feira (19/08) a intenção do governo em contingenciar 30% dos fundos constitucionais do Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

A PEC 87/15 do governo quer prorrogar a Desvinculação de Receitas da União (DRU) ampliando o percentual que pode ser usado livremente para saldar as contas públicas. No novo texto está ampliado o contingenciamento nos fundos constitucionais, contribuições sociais (Saúde e Assistência Social), taxas e compensações financeiras sobre recursos hídricos e minerais.

Caiado comparou a medida ao recente anúncio do governo de novas linhas de crédito subsidiado para montadoras, o que beneficia majoritariamente a região Sudeste.

“Não conseguimos entender o ajuste fiscal do governo quando o ministro Joaquim Levy anuncia linha de crédito subsidiada para montadoras do ABC Paulista irrigando com mais R$ 5 bi o setor automotivo e, no entanto, vai tomar R$ 3,8 bilhões das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste”, comparou.

Caiado lembrou que os subsídios fazem o mesmo estilo da política econômica do ex-ministro Guido Mantega, que tentou salvar o setor com a redução do IPI em anos anteriores. Para ele, o governo volta a insistir no erro por motivos políticos.

“Ele se acha no direito de penalizar 60 segmentos de atividade do pais e de repente pinça um dos setores e libera créditos subsidiados. E, para variar, beneficia diretamente o ABC Paulista, berço do sindicalismo que gestou o PT”, lembrou.

Fundos

Ronaldo Caiado também reforçou que os fundos constitucionais foram criados como forma de atenuar a desigualdade competitiva das regiões mais pobres do país diante da concentração de infraestrutura no Sul e no Sudeste. “O governo está patrocinando mais desigualdades”, concluiu.