foto (10)

Mobilização do dia 16 será uma forma indireta de o povo ir às urnas, afirma Caiado

Em discurso na tribuna nesta tarde (13/8), o líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado, afirmou que a manifestação marcada para o próximo domingo, 16 de agosto, será uma forma indireta de eleições. O senador acredita que será a maior mobilização desde as Diretas Já diante de 71% da população que desaprova a gestão da presidente Dilma Rousseff, conforme mostrou a última pesquisa de popularidade da governante divulgada pelo Datafolha. Caiado criticou a postura da presidente, em entrevista ontem ao SBT, de atribuir os protestos a uma minoria elite golpista.

“Vocês sabem por que a sociedade vai às urnas de uma maneira indireta na mobilização do próximo domingo, 16 de agosto? Porque não suporta mais esse governo ilegítimo fruto de um estelionato eleitoral. A sociedade não vai admitir, depois de todo esse truque, toda essa armação para ganhar as eleições, que a presidente venha alegar sua legitimidade. Dilma Rousseff disse ontem em entrevista no SBT que essa manifestação é organizada por uma elite. Será possível que 71% da população que se posiciona contrária a essa gestão é a elite brasileira ou é o povo na sua essência? A prática democrática de contestar um governante é considerada golpe pela presidente da República, como declarou ontem ao SBT”, afirmou.

Caiado relembrou declaração do vice-presidente da República, Michel Temer, de que o País precisa de alguém para reunificá-lo e questionou a Agenda Brasil como solução para a crise nacional. “O momento é propício, como afirmou o próprio vice-presidente da República, Michel Temer, de buscarmos uma pessoa para nos reaglutinar. E na democracia só existe uma forma de encontrarmos essa pessoa: por meio de novas eleições e não com ajeitamentos momentâneos ou uma suposta agenda para dizer que o Senado está produzindo uma solução para o País e o povo não precisa mais ir às ruas. Quem tem credibilidade para assumir esse papel de reaglutinar o País e debelar a crise? A presidente nada mais fez que assaltar o contribuinte e desempregar os trabalhadores”, ponderou o líder democrata.

Na opinião do parlamentar, a manifestação do dia 16 vai mostrar a agenda das ruas. “A mobilização de domingo vai mostrar para o Senado federal e para a Câmara dos Deputados que a agenda é a agenda produzida na rua, que o povo não aguenta mais viver nesse desgoverno. Por isso, quero desejar fé que o dia 16 seja a maior expressão de cidadania que o Brasil já viu em toda a sua história”, concluiu.