Caiado

MP que penaliza caminhoneiros será rejeitada no Congresso, diz Caiado

Senador criticou forma autoritária do governo de sufocar o movimento e pede apoio do setor rural para greve dos caminhoneiros

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), afirmou nesta quarta-feira (11/11) que a Medida Provisória 699/2015, que pune diretamente o movimento dos caminhoneiros, será derrubada no Congresso Nacional. Na opinião do senador, a edição da MP hoje evidencia o desespero do governo que age de forma autoritária para sufocar e impedir manifestações contrárias à administração petista. Caiado reafirmou seu apoio a greve dos caminhoneiros que considera legítima pelo direito constitucional do cidadão de se manifestar e pediu suporte do setor rural ao movimento.

“Vejam o desespero do governo. Penaliza o caminhoneiro, age de forma truculenta e ditatorial contra um movimento autônomo de quem foi enganado e luta pela sua sobrevivência. Essa MP surgiu para punir diretamente esse movimento ao mandar prender caminhões, impedir por 10 anos financiamentos de veículos e cassar a carteira de motorista dos caminhoneiros. Eu saúdo a coragem desses cidadãos e como líder do setor rural peço o apoio de toda a classe para esse movimento. O setor rural tem uma característica de solidariedade. É uma injustiça deixá-los desassistidos nesse momento”, atesta o parlamentar.

Caiado criticou duramente a forma intimidatória como o governo age contra seus opositores se igualando a governos autoritários. “É inaceitável o governo perseguir e tentar amedrontar essas manifestações que atendem ao clamor da maioria da população que quer o impeachment da presidente. Esses caminhoneiros estão tendo um gesto patriótico que, tenho a certeza, em breve será reconhecido”, disse o líder democrata.

A MP 699 altera o Código de Trânsito Brasileiro ao determinar multas que ultrapassam R$ 5 mil para o uso de veículos com finalidade de bloquear estradas. A multa pode chegar a R$ 20 mil aos organizadores desse tipo movimento, caso dos caminhoneiros. A norma ainda estabelece suspensão da carteira de motorista por 12 meses e de financiamentos para compra de veículos por até 10 anos.