diarionet

OAB reflete sentimento de mudança em Goiás

Artigo – Diário da Manhã

OAB reflete sentimento de mudança em Goiás

Por Ronaldo Caiado

Ao elegerem a oposição para a presidência da Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás (OAB-GO), quebrando 20 anos de hegemonia da OAB Forte, os advogados revelaram o sentimento de estafa diante da permanente ingerência do governo estadual em assuntos aos quais não deveria colocar as suas garras. É um resultado sintomático para o futuro de Goiás e um termômetro para o sentimento que toma conta da população.

Faz menos de um ano que escrevi um artigo em que afirmei que o momento era propício para rediscutir o papel da OAB, que há muito extrapolou os limites do corporativismo para tornar-se uma representante da democracia e dos interesses da Nação. Nos últimos anos, porém, vimos a crise de credibilidade em que a OAB Goiás se envolveu por permitir que se tornasse o tentáculo de um governo marcado por escândalos.

O fato é que o governador Marconi Perillo vendeu às entidades de classe em geral a ideia de que poderia buscá-las para consolidar as decisões de governo. Mas a realidade mostrou-se bem diversa: ele passou a tratá-las como uma assessoria direta, em um papel de secretárias de luxo. O objetivo, claro, era silenciá-las em suas principais demandas e com isso agir da forma ditatorial que tanto lhe é característica.

O caso mais explícito desse jogo condenável foi a atuação do hoje secretário tucano Henrique Tibúrcio, que foi contestada até mesmo pelos advogados. Foram eles mesmos que ameaçaram pedir ao Conselho Federal que apurasse como infração ética a intenção do então presidente da OAB de tomar posse como secretário do governo, ainda no exercício do cargo anterior. Isso sem mencionar o fato de que atuou como advogado de campanha de Marconi Perillo quando ainda ocupava aquela cadeira.

A vitória de Lúcio Flávio, que encabeçava a chapa com o nome propício de A OAB que Queremos, foi acachapante, para não dizer humilhante. Foi o triplo de votos conquistados pelo segundo colocado, apoiado pelo governo e que se valeu de tantas inverdades para desqualificar o trabalho de Lúcio Flávio. A campanha sórdida, angariada pelo governo, não surtiu efeito em uma classe com senso crítico o bastante para perceber que era a hora de mudança.

Não à toa Lúcio Flávio disse que as principais demandas da advocacia a que irá se atentar serão o resgate da dignidade e a defesa das prerrogativas profissionais, necessidades que ficaram em segundo plano com a ingerência do governo na OAB. Agora é chance da sociedade realmente se sentir representada e esperar que se cumpra quesitos como moralidade, legalidade e impessoalidade, também defendidos pelo novo presidente.

Os advogados deixaram seu recado: não vão mais aceitar que o governo venha lhes dizer como agir. E não há outra forma de ver isso a não ser como um sinal de esgotamento de um governo que envergonha a todos pela sua incompetência. Novos e melhores tempos se aproximam.

Ronaldo Caiado é médico, produtor rural e líder do Democratas no Senado