a350b30f-3ac3-477e-9fbd-a3416b25f523

Caiado rebate Gleisi e anuncia que produtores vão acompanhar votação do impeachment em Brasília

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), anunciou que produtores rurais já se mobilizam para acompanhar a votação do processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff na próxima semana, em Brasília. De acordo com o democrata, o anúncio da Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) de apoio ao processo de afastamento é fruto da falta de equilíbrio do governo que vem incentivando conflitos rurais. As afirmações foram feitas no plenário do Senado, nesta sexta-feira (06/04), após rebater as acusações da senadora petista Gleisi Hoffmann (PR).

“Estamos aqui anunciando a presença confirmada de milhares de produtores de todo o Brasil que vão ocupar o gramado do Congresso no fim de semana da votação do impeachment da presidente. Isso nada mais é do que uma resposta ao clima de conflito que o PT tem alimentado no campo durante todos esse anos”, afirmou o democrata.

Antes, a senadora Gleisi havia acusado a CNA de “oportunista”, citando supostas melhorias que o Governo PT teria trazido para o setor. Caiado refutou as afirmações citando exemplos de prejuízos acumulados pelos homens do campo durante o período petista.

“A CNA sempre militou pelo equilíbrio, coisa que foi completamente quebrada após a presidente usar o Palácio do Planalto como palanque onde milícias travestidas de movimentos rurais ameaçaram invadir propriedades rurais em retaliação ao impeachment. Queremos elogiar e aplaudir a CNA pela prerrogativa de se posicionar nesse momento. A confederação se reafirma mais uma vez como representante de um setor não tutelado pela presidente, pelo PT, ou pelo Estado”, defendeu.

Caiado também corrigiu as afirmações de que a produção agrícola seria “dependente” do governo. “Se temos hoje um setor independente e competitivo, é mais por mérito próprio do que por qualquer governo. Até porque o que tivemos com o PT foi a insegurança no campo com o incentivo a conflitos rurais e a desestruturação da Embrapa. É o governo que deveria agradecer ao agronegócio por ainda equilibrar a balança comercial e ajudar a pagar a dívida pública”, rebateu.