temer

Projetos do governo devem ser discutidos com líderes antes de vir ao Congresso, diz Caiado

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), informou nesta quarta-feira (18/5) que o presidente da República, Michel Temer, deverá discutir os projetos do Executivo com as lideranças da Casa antes de serem enviados ao Congresso Nacional. O assunto foi debatido na primeira reunião entre Temer e as lideranças da Casa ocorrida nesta manhã no Palácio do Jaburu. Caiado relatou ainda que a nova meta fiscal será divulgada na próxima sexta-feira, 20/5, com o valor real do rombo nas contas públicas.

“Esta foi uma primeira reunião e falamos da importância de continuarmos nos reunindo e de discutirmos os projetos antes de serem encaminhados ao Congresso. O presidente mostrou preocupação em dar respostas rápidas e reiteramos a necessidade da celeridade das ações porque temos uma população ansiosa em ver a retomada do emprego e do crescimento do país. Demonstrei nosso apoio, mas com a liberdade crítica de opinar sobre os temas de interesse da sociedade e falei da responsabilidade do presidente de reaglutinar o país depois de anos da era PT que dividiu a população e implantou um clima de acirramento e violência”, disse Caiado.

Em entrevista na saída do Palácio do Jaburu, o líder afirmou que a escolha do líder do governo não esteve na pauta. “Não discutimos o assunto até porque é uma prerrogativa do presidente Michel Temer. O Democratas não vai pleitear o cargo. A escolha é do presidente. O líder do governo precisa ser uma pessoa que tenha intimidade com o presidente e ao mesmo tempo possa opinar os temas conflituosos que virão”, avaliou o senador.

Convocação Mendonça Filho
Ronaldo Caiado ainda comentou a convocação do ministro da Educação e Cultura, Mendonça Filho, para falar em comissão do Senado sobre a incorporação da Cultura à Educação. “O ministro Mendonça Filho está preparado e não tem dificuldade em vir ao Senado. Critico apenas a forma como a convocação foi aprovada de forma rasteira, uma jogada com o plenário quase vazio, ignorando a rotina da Casa. Sempre tivemos a gentileza de convidar os ministros do PT. Vejam a reciprocidade deles. O fundamental agora não é discutir a criação de programas novos, mas de avaliar a aplicação de dinheiro público nos que já existem. Essa avaliação está sendo feita. O ministro virá falar sobre tudo isso até porque houve uma decisão de governo, não uma decisão pessoal do ministro”, afirmou.