75de0a1321d72d736d699e7fedf3f883

Vou governar com foco nos interesses do povo e não como projeto de poder, diz Caiado

Candidato ao governo de Goiás, o senador Ronaldo Caiado (Democratas) destaca que vai adotar uma metodologia de gestão, caso saia vencedor nas urnas, muito diferente do modelo atual: o foco não será um projeto de poder pessoal, mas, de fato, o interesse do povo goiano. Caiado diz que, para isso, vai montar uma equipe altamente competente que compartilhe do seu projeto de gestão e vai ter como aliado o servidor público goiano privilegiando a valorização das carreiras e meritocracia. Ronaldo Caiado afirma que o modelo de governo que está em Goiás há 20 anos apenas alimentou projetos pessoais de poder e, por isso, o estado se encontra numa situação grave em relação as contas públicas e caos na oferta de serviços públicos que atendam a população. O senador reforça que nenhum bom gestor governa sozinho; os bons resultados aparecerem a partir do trabalho em equipe.

“Como médico, não opero sozinho. Meu trabalho numa sala de cirurgia depende de um bom anestesista, uma boa circulante de sala, um bom instrumentador. Não governo sozinho. Não posso e nem serei uma estrela solitária. A gestão no estado só terá resultados se eu fizer um trabalho em equipe com pessoas competentes e comprometidas com nosso projeto. Os servidores públicos também serão meus aliados nesse projeto. Vamos valorizá-los, corrigir distorções, caso da situação dos professores e da terceira classe de policiais que vamos extinguir. Vamos governar juntos. Somente assim será possível trazer a mudança que toda população espera”, explicou.

O parlamentar lembra que sua atuação em 24 anos como deputado e senador sempre esteve em consonância com as demandas dos goianos. Ele teve participação decisiva em temas, como a votação e aprovação da convalidação dos incentivos fiscais essenciais para manutenção de centenas de empregos para o estado; denunciou e lutou pela manutenção da Celg, e conseguiu garantir o direto de passagem na Medida Provisória que tratou dos contratos para novos trechos na ferrovia Norte-Sul. O texto como estava antes iria provocar um monopólio de empresas que poderiam transitar pela ferrovia, que será importante via de transporte de cargas e escoamento da safra brasileira e goiana.

“Nunca desonrei um voto do goiano. Fui eleito para representá-los e trabalhar pelos seus interesses. Sempre tive atuação muito firme e corajosa quando tínhamos pautas de interesse do estado e para modificar ou impedir assuntos que poderiam prejudicar o nosso povo”, disse.

O senador ainda enfatiza, que se chegar ao governo, vai sempre ouvir a população, prestar constas, ter uma gestão transparente. “O governador é um servidor público. Tem a obrigação de prestar contas. É dinheiro público, fruto da arrecadação de impostos que o povo paga. É nosso dever também estar sempre atento às demandas do povo”, acrescentou.