Governador anuncia série de medidas para reparar injustiças cometidas pelas gestões anteriores contra os servidores públicos.

Caiado anuncia retomada do auxílio-alimentação aos servidores da educação, pagamento do piso aos professores e equiparação salarial na segurança pública

O governador Ronaldo Caiado anunciou, na tarde desta segunda-feira, 28, uma série de medidas para reparar injustiças cometidas pelas gestões anteriores contra os servidores públicos. Para os trabalhadores que atuam na Secretaria de Educação não será estabelecido um teto salarial para o recebimento do auxílio-alimentação, ou seja, todos os funcionários terão o direito aos R$ 500 a mais. Para os que recebem até R$ 5 mil nas demais categorias, o governo do Estado continuará a fazer o pagamento do benefício.

Caiado informou também a convocação de professores especialistas, quase 20 anos após o último chamamento. O governador garantiu ainda o pagamento do piso salarial para os professores temporários. “A data de hoje tem uma relevância ímpar, vamos aumentar a eficiência e os resultados. Nós vamos nomear os professores com a titularidade que merecem para dar aula para nossas crianças em Goiás. A situação de temporários será cada dia mais trabalhada pela nossa secretária para que sejam contratados servidores efetivos”, pontuou.

Outro ponto importante anunciado pelo governador Ronaldo Caiado é o encaminhamento do projeto de Lei que reestrutura a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros, extinguindo a chamada terceira classe de funcionários da segurança. “Um total de 2661 servidores saem daquela categoria criada por quem não tem o menor respeito pela segurança pública. A partir de hoje estamos reformando toda a legislação para que essas categorias sejam extintas e para que possamos dar a eles um salário digno e compatível com o trabalho que exercem,” pontuou.

De acordo com Caiado, o projeto estabelecerá a condição de dignidade a 2.022 servidores da Polícia Militar, que serão a partir de agora soldados, de outros 228 homens do corpo de bombeiros e também reestruturará carreira de escrivão e Agente da Polícia Civil beneficiando um total de 400 servidores. O governador também anunciou a reestruturação de Agente de segurança prisional e de gestão prisional.

Educação

A secretária Fátima Gavioli afirmou que os professores, inclusive os temporários, terão como referência inicial de remuneração o pagamento do piso nacional da Educação. Com edital do processo seletivo para contratação de professores temporários em aberto, Fátima esclareceu que os novos contratados, que devem tomar posse em abril, receberão o piso salarial de cerca de R$ 2400. Nos contratos vigentes, que foram prorrogados até março, os profissionais que atuam nessa categoria recebem cerca de R$ 1790 como remuneração.

Fátima classificou a convocação dos 435 concursados como uma maneira de corrigir injustiças e otimizar o ensino nas escolas de Goiás. “Vamos fazer um trabalho muito forte para trazer os bons professores de volta”, completou.

Sobre o remanejamento de alunos, Fátima explicou que está unindo escolas e não fechando unidades, para gerar economia e aperfeiçoar o ensino dos estudantes. “Estou administrando um Goiás que não foi planejado para atender a parte técnica, mas sim política. Mas é graças a essas economias que vou apresentando para o governador, que será possível que ele traga vá os benefícios que vai colocar Goiás nos trilhos do desenvolvimento.”

Segurança

O secretário Rodney Miranda apontou a decisão do governador de extinguir as subcategorias na segurança pública como uma maneira de corrigir uma injustiça funcional. “É mais uma vez a reiteração por parte do governador, de dar prioridade para a Segurança Pública e combate à criminalidade no Estado de Goiás”, disse.