Foto: Hegon Corrêa

“Estado não pode servir como tentáculos de bandidos”, assevera Ronaldo Caiado em entrevista à Rádio Interativa FM

Durante participação ao vivo, governador fez balanço de seis meses de governo ao responder a perguntas de jornalistas e ouvintes, destacando avanços na área da saúde, educação, segurança pública e no combate à corrupção

O governador Ronaldo Caiado fez um balanço dos seis meses de gestão, ao ser sabatinado por jornalistas e ouvintes da Rádio Interativa FM, nesta quinta-feira (18/7), ao vivo no programa “Falando Sério”, apresentado por José Luís e participação de Ulisses Aesse, Augusto Diniz e convidados da bancada. Vários pontos foram abordados pelo governador, como os avanços na área da saúde, educação, segurança pública e combate à corrupção. Estes dois últimos, tratados com maior ênfase, uma vez que não estão dissociados, como ficou claro na fala do governador. “A sociedade não suporta mais. A bandidagem não pode tomar conta do Estado, que existe em prol do cidadão, e não para servir como tentáculos de bandidos”, afirmou Caiado.

No que tange ao combate à criminalidade, o governador destacou a robustez dos índices alcançados pelos agentes de Segurança Pública. “As pessoas já notam uma mudança substantiva. É outra Segurança Pública. Hoje a polícia de Goiás é referência nacional. Quando um governo e as autoridades maiores são responsáveis, e mostram com clareza que a função de governar é uma função de Estado, e não de projeto pessoal, os resultados são outros. Isso é uma realidade em todas as áreas, seja na Polícia Civil, Polícia Militar, agentes penitenciários e também Corpo de Bombeiros.”

Caiado atribuiu o êxito principalmente a uma nova filosofia de governo, comprometida com a ética. “Todo mundo em Goiás sabia o comando que tinha dentro da Vila Canaã para esquentar chassis. Em três meses de governo, desbaratamos a maior quadrilha da região, que tinha casas no Alphaville, 43 carros de luxo, R$ 200 milhões em conta. Havia desmanche e motor de carro pendurado para todo lado. Quando se deixa a polícia respirar e trabalhar, o resultado é este que está aí”, exemplificou.

A integração das forças policiais do Estado com a Polícia Federal, Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Polícia Rodoviária Federal e Ministério Público, salientou o governador, possibilitam o acesso às informações o mais rápido possível. São parcerias fundamentais para o êxito das ações da segurança pública. “Em Goiânia, a média era de 34 roubos de carro por dia. Hoje temos vários dias sem registro. Goiás hoje tem o menor percentual na taxa de seguros, porque moralizamos e desarticulamos mais de 112 quadrilhas no Estado de Goiás, entre as de roubos de carga e explosão de bancos”, detalhou o governador.

Ao ser perguntado pela advogada Gabriela Amorim sobre os benefícios para a população da implementação do Programa de Compliance Público (PCP) no Poder Executivo, Caiado explicou que se trata da ferramenta mais moderna para correta aplicação e gestão dos recursos públicos. Ressaltou que é um trabalho preventivo, enquanto as auditorias detectam as irregularidades somente após o dano ao erário público já ter sido praticado. “O vírus da corrupção é extremamente resistente e eu trato o Compliance como uma vacina para não sermos atingidos por ele. Bastou implantá-lo no Detran e já tivemos resultados. Dentro do Ipasgo, já foram detectados mais de R$ 89 milhões de desvio de dinheiro, pessoas que estavam irregularmente cadastradas após pagarem R$ 2 mil, R$ 3 mil para serem incluídas”, comentou.

Impessoalidade
O jornalista Ulisses Aesse afirmou que ficou intrigado ao se deparar com a foto da bandeira de Goiás em substituição à imagem do governador, antes tão comum em repartições públicas. Perguntando se isso era um “jeito diferente de governar”, Caiado foi categórico em dizer que precisa, no cargo em que ocupa, dar bom exemplo. “Como servidor público, tenho que cumprir a Constituição, que me impõe a impessoalidade. Um governo não é centrado na figura de uma pessoa. Acredito, e tenho dito isso sempre, que nós só superaremos os problemas do Estado de Goiás se nós tivermos um sentimento de reconstrução do Estado. E essa reconstrução jamais será feita por um único governador.”

Para caiado é necessário haver união de todos em prol do Estado. “Eu vejo a bandeira, da qual nós temos um orgulho enorme, e esse é o sentimento que eu quero transmitir a todos os goianos. Servidores, população, todos nós, engajados em reconstruir, cada um botando o seu tijolo na obra, para que Goiás volte e seja uma referência nacional.”

Os ouvintes também fizeram participações via mensagens de aplicativo, e questionaram sobre a parceria do Governo de Goiás com a Prefeitura de Goiânia, melhorias possíveis na política de preços dos combustíveis, entrada de Goiás no Regime de Recuperação Fiscal e a venda de 49% das ações da Saneago na Bolsa de Valores. Caiado buscou tranquilizar a audiência quanto ao futuro do Vapt Vupt, tema que capitalizou boa parte das participações. “O Vapt Vupt continua. O que não tem cabimento é pagar o aluguel de uma sala menor do que esta [referindo-se ao estúdio da rádio], que custava 20 mil por mês, para atender cabo eleitoral. Não é possível continuarmos pagando salários nababescos em todo o Estado, sendo que temos que cortar na carne. O que eu estou fazendo é isso: reduzindo o gasto do Estado, mas jamais comprometendo a continuidade dos serviços e o atendimento à população.”