Foto: Cristiano Borges

“Um compromisso de campanha que já é uma realidade”, afirma governador sobre a Sala Lilás

Localizado na Superintendência de Polícia Técnico-Científica, o local será exclusivo para realização de exames de corpo de delito em mulheres vítimas de violência de forma humanizada

Na presença da primeira-dama e presidente do Grupo Técnico Social de Goiás, Gracinha Caiado, foi inaugurada nesta segunda-feira (25/11) a Sala Lilás, que é um local exclusivo para o atendimento de mulheres vítimas de violência. O objetivo é promover um atendimento mais humanizado no momento de realização de exames de corpo de delito.

Devido a choque de agenda, o governador Ronaldo Caiado não pôde comparecer à solenidade de entrega da Sala Lilás. No entanto, em entrevista, o governador relembrou que o atendimento humanizado às vítimas de violência era um compromisso de campanha e uma pauta já tratada por ele desde o Congresso Nacional. “A Sala Lilás é um compromisso meu. Como deputado federal e, depois, como senador, discutimos isso em vários momentos. Já é uma realidade”, disse.

Segundo Ronaldo Caiado, o atendimento humanizado é fundamental para a recuperação das vítimas. “A mulher violentada se sente constrangida em chegar no Instituto Médico Legal (IML), onde não tem um ambiente próprio para recebê-la. Psicologicamente ela está abatida. É uma pessoa vulnerável. Ao criar um ambiente próprio, é lógico que ela vai com mais tranquilidade”, e completou: “Será examinada, orientada, caso necessário, que continue um tratamento psicológico daquele trauma e daquela violência que ela sofreu”.

Durante a solenidade, Gracinha Caiado apontou que “violência física, xingamentos e humilhações não são demonstrações de amor”. Com empatia, a primeira-dama demonstrou que as mulheres que sofrem agressões precisam de acolhimento e cuidados especiais, e que o espaço humanizado atuará nesse sentido.

Todos os servidores que vão atuar no espaço passarão por treinamento específico. “É um projeto que vai além do espaço físico. Trata-se de um ambiente totalmente humanizado com profissionais preparados para atender as mulheres de forma especial. Também vamos atender crianças vítimas de violência. Este projeto é modelo e queremos levá-lo para outros municípios”, explicou o superintendente de Polícia Técnico-Científica (SPTC), Marcos Egberto Brasil de Melo.