Foto: Lucas Diener

Após troca de OS, Hutrin aumenta em 9 vezes o número cirurgias

Em comparação com 2018, número de cirurgias passou de 34 para 291. Dado foi revelado pelo governador Ronaldo Caiado durante entrevista na Rádio Brasil Central. Atendimento na área da Saúde vai ser referência em 2020, adianta o chefe do Executivo goiano

Em menos de um ano, a média dos atendimentos mensais de urgência e emergência no Hospital de Urgências de Trindade (Hutrin) teve elevação de quase cinco vezes, passando de 1.024 para 4.845, e, com relação às cirurgias, o crescimento foi de quase nove vezes (número passou de 34 para 291). “Tudo isso foi possível depois que trocamos a Organização Social (OS) que gerenciava a unidade, ligada à atual gestão da Prefeitura do município”, revelou o governador Ronaldo Caiado, durante entrevista concedida, na manhã desta sexta-feira (20/12), à equipe da Rádio Brasil Central.Organi

Depois da troca da OS no Hutrin, começaram, inclusive, a sobrar vagas de atendimento para alguns tipos de cirurgias, como para laqueaduras e vesículas. O fato é importante, conforme adiantou Caiado durante o início desta semana, porque desafoga a rede em Goiânia, já que moradores de municípios da Região Metropolitana podem ir para Trindade ao invés de se deslocarem para a Capital. “Como temos conseguido todos esses avanços, mesmo sem dinheiro de investimento e com tantas dívidas com fornecedores que herdamos do governo passado? Com seriedade na gestão. Veja bem, diminuímos os valores dos contratos das OSs e, ainda sim, aumentamos a produtividade”, exemplificou Caiado.

A nova forma de administrar o Estado tem sido o sustentáculo para mudar a realidade de 7 milhões de goianos. Ainda na área da Saúde, o governador anunciou que o Hospital de Águas Lindas vai ser o primeiro a ser inaugurado. “Ele será fundamental para o Entorno do Distrito Federal e ainda servirá de retaguarda para o Nordeste Goiano”, destacou, ao lembrar que a unidade já havia sido “entregue” para a população, com direito a show artístico, mas com as estruturas do centro cirúrgico e Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) na terra.

Em Formosa, Ronaldo Caiado informou que vai abrir cinco leitos de UTI e possibilitar que sejam realizadas cirurgias no local, de modo que o hospital atue na média e alta complexidade. A regionalização dos atendimentos, marca do atual governo, também pode ser verificada no que já foi feito ao longo de 2019. “Reabrimos leitos em Ceres, Catalão, Cidade de Goiás, Anápolis, descentralizamos os atendimentos oncológicos de Goiânia para Jataí, ampliamos o atendimento na Santa Casa de Misericórdia de Goiânia”, listou o governador, ao afirmar, ainda, que a fila de espera para as cirurgias de cataratas e outras de caráter oftalmológico serão zeradas já no início de 2020.

Fim da máfia
Ao responder à pergunta da jornalista Adriana Martins, da TV Gazeta, de Caldas Novas, sobre as ações executadas este ano no Detran, o governador foi direto: “Primeiro, acabei com a indústria da multa, que servia de caixa para as campanhas eleitorais e para o enriquecimento ilícito. Essa foi uma mudança substantiva. Diminuímos também o preço do emplacamento dos veículos e colocamos um fim na máfia das vistorias, que deixaram um prejuízo de R$ 140 milhões aos goianos”, ponderou Caiado.

Com a casa em ordem, acrescentou, foi possível desenvolver iniciativas que se tornaram referências no País, como a CNH Social. O projeto possibilita que pessoas de baixa renda, urbana ou rural, possam tirar a carteira de habilitação a um custo mais baixo do que o usual. “A questão financeira não poderia ser preponderante à aptidão do candidato”, reforçou o gestor, lembrando que a ferramenta se torna inclusiva e oportuniza emprego a pessoas que precisam do veículo para trabalhar.

Ilhas de Desenvolvimento
Durante a entrevista ao programa “Fala Goiás em Rede”, conduzida pelo âncora Josiel Meneses, com participações das jornalistas Viviane Gontijo e Débora Orsida, Ronaldo Caiado reafirmou que trabalha para diminuir as desigualdades regionais e acabar com as “ilhas de desenvolvimento” que se formaram no Estado nos últimos anos. Uma das formas, explanou, é direcionar os incentivos fiscais para os locais que mais precisam, como os municípios do Nordeste, Norte, Vale do Araguaia e Entorno do Distrito Federal, de modo que a instalação de indústrias e empresas nessas cidades impulsione a geração de empregos.

“O incentivo fiscal tem que corrigir as distorções existentes e não ampliá-las. Hoje, a maioria das empresas está instalada em Goiânia, Anápolis e Aparecida. Se não focarmos nas áreas mais carentes, vamos criar um Estado desigual. E não podemos abrir mão de R$ 8 milhões de receita”, argumentou Caiado.

Ainda sobre a área econômica, o chefe do Executivo falou sobre os avanços da tecnologia, da inteligência artificial, da competitividade e da rapidez que o Estado deve dar às demandas apresentadas. Citou, por exemplo, que a Junta Comercial do Estado de Goiás (Juceg) está com uma informatização moderna, o que reflete no tempo mais curto para a instalação de uma empresa atualmente.

Melhorias na Educação, com projetos inovadores como o “Estudantes de Atitude” e a reestruturação da Universidade Estadual de Goiás (UEG); número de prisões e desarticulações de quadrilhas recordes, além do fim do “Novo Cangaço”, promovidas pela Secretaria Estadual de Segurança Pública; busca de recursos federais em Brasília; combate à corrupção e integração com os demais Poderes também foram assuntos abordados pelo governador nesta entrevista de balanço de gestão, concedida ao Sistema Brasil Central de Rádio.