Foto: Vinícius Schmidt

“Não vamos fazer ‘puxadinho’ em obra pública”, garante Caiado ao lançar reforma do Hemocentro

Obra está orçada em R$ 5,16 milhões, valor já repassado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) ao Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech) e depositado em fundo específico na modalidade poupança na Caixa Econômica Federal. Previsão da conclusão é em 150 dias. “Nem um dia a mais”, assegurou o governador

Em 150 dias, o Hemocentro Coordenador Professor Nion Albernaz (Hemogo) estará novinho em folha à disposição de toda a população goiana, em especial aos heróis anônimos que salvam vidas com doação de sangue. “Nem um dia a mais”, assegurou o governador Ronaldo Caiado ao assinar nesta quarta-feira (4/12), na sede da unidade, na Avenida Anhanguera, a ordem de serviço para revitalização e reforma da unidade. A obra, orçada em R$ 5,16 milhões, ficará a cargo da empresa Primecon Construtora, vencedora do processo licitatório ocorrido em 8 de novembro. O valor já foi repassado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) ao Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech) e depositado em fundo específico na modalidade poupança na Caixa Econômica Federal.

Uma marca da gestão de Caiado tem sido não autorizar o início de obras sem que haja recurso empenhado, em total respeito ao dinheiro público. “Com o dinheiro em conta, eu não vou aceitar projeto ‘meia-boca’. Nós não vamos fazer ‘puxadinho’ em obra pública. Quero que as coisas sejam feitas com dignidade”, ordenou. Outros recursos já estão assegurados pela SES para investimento em mobília e equipamentos. “Não vamos fazer obras politiqueiras. Como médico que sou, sei a responsabilidade que tenho. Vamos fazer obras estruturantes para que, amanhã, tenhamos também o Hemocentro em outras regiões do Estado”, completou o governador. O vice Lincoln Tejota destacou que a diferença quando o dinheiro já está garantido é notável e completou: “Investir em Saúde é investir em vida”.

O secretário Ismael Alexandrino pontuou que gerir a Saúde do Estado é um desafio, e ao mesmo tempo, um privilégio. “Impactar positivamente a vida de 7 milhões de pessoas com responsabilidade, qualidade, atendendo a todas as normativas atuais, não é nada fácil. Ao mesmo tempo, é muito prazeroso quando você tem um propósito de vida de realmente impactar positivamente a vida de tantas pessoas”, refletiu.

Diante de Dona Geralda Albernaz, viúva daquele que nomeia o Hemocentro, Caiado rememorou o legado deste que foi um dos prefeitos mais emblemáticos da história da capital. Afirmou que, para ser bom político é preciso ter espírito público, com dedicação e amor pelo que se faz. Lembrou também o trabalho da ex-primeira dama com pinturas e artesanatos, que foram tão marcantes com Nion na administração municipal, e a nomeou para se encarregar da humanização do espaço. “A senhora vai fazer esse complemento, com toda a sensibilidade que tem, para dar um charme especial, com obras de arte e florir o ambiente”, pediu.

“Conversava sempre com o professor Nion, até porque em 1996 nós tivemos uma aliança na qual ele chegou à prefeitura. Ele dizia sempre que era preciso entender que temos que fazer as obras, mas precisamos dar o cunho social aos nossos governos. Não podemos mais distanciar o atendimento das pessoas. É fundamental que o cidadão sinta bem atendido, que tenha serviço de qualidade. Isso é um fato muito marcante na minha gestão, teve uma influência muito grande”, recordou Caiado, que finalizou: “nada é mais desrespeitoso do que anunciar uma obra, a exemplo das mais de 400 inacabadas que temos em Goiás, sem que realmente cumpram a sua função de poder atender a população.”

Carências antigas
“Essa reforma vai ser fantástica porque a gente hoje luta contra a estrutura. Nós recebemos o Hemocentro em situações precárias, de desabastecimento, estrutura física muito comprometida”, comentou a diretora da unidade, Denise Goulart. Inaugurado há 31 anos, o prédio terá sua área construída aumentada em 65% para atender à demanda atual dos serviços de coleta e transfusão, além de atendimento ambulatorial no tratamento de mais de dez doenças ligadas ao sangue e fornecimento de medicamento para pacientes.

A área construída passará dos atuais 1.995 metros quadrados para 3.295 metros quadrados, com a criação de um novo pavimento e estruturas próprias para a farmácia, almoxarifado, sala de descompressão e convivência para colaboradores, casa de geradores e sala de painéis elétricos, adequado abrigo de resíduos, além de uma ala exclusiva para ensino e pesquisa, dotada de salas de aula e um moderno auditório.

A ampliação da unidade possibilitará a instalação do dobro das poltronas de coleta que estão atualmente no local, e fazem também a captação de plaquetas por aférese. Com as novas instalações, serão 12 poltronas para a coleta convencional e outras quatro para coleta por aférese, que ficarão em uma sala exclusiva. Com isso, além de reduzir o tempo de espera no atendimento e oferecer um ambiente mais confortável aos doadores de sangue, a capacidade de atendimento aumentará, passando de 264 coletas por dia para 396. “Estimamos que, no ano que vem, a gente consiga aumentar o número de doadores. A dificuldade de fidelizar o doador passa pela estrutura física, uma vez que com locais desconfortáveis e limitados, não é possível atender um número maior de pessoas”, projetou. Com a reestruturação, a unidade contará ainda com espaços próprios para o atendimento de fisioterapia, psicologia, serviço social, odontologia e nutrição.

Também compareceram a secretária de Comunicação, Valéria Torres; o deputado estadual Thiago Albernaz; o presidente do Conselho de Administração do Idtech,Valterli Leite Guedes, e o coordenador executivo do Instituto, José Cláudio Romero; o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Goiás, Sebastião Tejota; a secretária de Saúde de Goiânia, Fátima Mrue, representando o prefeito Iris Rezende; a auditora fiscal do Trabalho, Jaqueline Carrijo; o vereador Dr. Gian Said; a gerente de projetos estratégicos da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Gabriela Albernaz; além de outros profissionais de Saúde e integrantes do batalhão do Giro, que aproveitaram a ocasião para doar sangue.