Lançamento do Balcão do Cidadão Foto Secom Goiás (3)

“É o interior que alavanca a economia no nosso Estado”, afirma Caiado, durante giro por quatro cidades no fim de semana

Foco na descentralização dos serviços públicos e no combate às desigualdades regionais norteia política em todas as áreas do governo estadual

Em menos de 12 horas, o governador Ronaldo Caiado mostrou que leva a sério o que planejou quando assumiu o Palácio das Esmeraldas, em janeiro de 2019. No último sábado (18/01), quatro cidades com menos de 50 mil habitantes foram visitadas pelo chefe do Executivo, se tornando as primeiras a ter o Balcão do Cidadão – uma estrutura formatada em parceria pelo Governo de Goiás com os Correios, que passa a oferecer, de forma integrada, diversos serviços públicos aos cidadãos.

“É o interior que alavanca, produz, alimenta e, cada vez mais, eleva a economia no nosso Estado”, afirmou o governador, durante discurso em Nova Crixás, um dos municípios beneficiados na ocasião. “Sigo convicto do compromisso que devemos ter com as cidades que precisam da mão, da visão e do apoio dos políticos para poderem também se desenvolver”, reforçou.

O governador sabe do que está falando. Em mais de uma oportunidade, frisou que Goiás não vai ter “ilhas de desenvolvimento” e que vai combater as desigualdades regionais e a concentração de riquezas. “O progresso é para todos os 7 milhões de goianos”, reitera com frequência e franqueza. Para tanto, não trabalha com “achismos”. Uma das primeiras providências de seu governo, delegada ao Grupo Técnico Social, foi a encomenda de uma pesquisa para saber quais municípios são os mais vulneráveis em Goiás. Coube ao Instituto Mauro Borges (IMB) executar a tarefa. Surgiu, assim, o Índice Multidimensional de Carência das Famílias (IMCF).

Diferente de outras metodologias, o IMCF não leva em conta apenas quesitos econômicos, mas se aprofunda em itens sociais, como o fato de uma residência ter sanitário ou não. A inspiração deste tipo de cálculo foi o Índice de Pobreza Multidimensional (IPM), apresentado no “Relatório Final da Comissão de Estados da Legislação Social Brasileira”, adotado, inclusive, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a partir de parceria com a Universidade de Oxford.

Conforme expressa a introdução deste estudo do IMB, o objetivo primordial do IMCF é identificar quais são as principais carências dos domicílios goianos, para assim poder direcionar as políticas públicas que visam transformar as condições de vida da população mais carente do Estado.

Com todo este aparato em mãos – e mesmo com recursos esparsos, fruto da situação fiscal herdada de gestões anteriores –, o governador tem demonstrado que a descentralização de serviços públicos não é mero discurso ou figura de retórica. O Balcão do Cidadão já foi lançado em Abadiânia, Edéia, Nova Crixás e Niquelândia, municípios que têm, respectivamente, 20 mil, 12 mil, 12 mil e 46 mil habitantes. A única cidade que foge a esta regra, dentro do projeto piloto da iniciativa, é Goiânia, que ainda vai receber a benfeitoria.

Antes do Balcão do Cidadão, a agregação de serviços estaduais em postos de atendimentos únicos ficava restrita a 53 cidades. Os municípios menores eram excluídos, constantemente, das políticas públicas. Ao buscar a parceria com os Correios, Ronaldo Caiado viu na “capilaridade” da estatal a oportunidade de beneficiar todos os goianos. O que foi atestado pelo nova-crixaense Luiz Furtado Rosa, policial militar reformado, de 52 anos: “Antigamente eu precisava ir até Mozarlândia, São Miguel do Araguaia ou até Goiânia para fazer o recadastramento anual de servidor público”, contou, ao comemorar que, neste ano, vai poder atualizar os dados cadastrais na cidade natal.

Embate
Os quase 40 anos na política forjaram Caiado para o maior sonho, como costuma falar, mas também, para o maior desafio da vida: governar o Estado onde nasceu e do qual tem muito orgulho. Dia após dia, tem mexido nas estruturas arcaicas que encontrou, centradas em privilégios. Mas não só isso: faz questão de torná-las públicas. “Minha conduta é essa: ser transparente. Foram 20 anos em que ‘assaltaram’, ‘vilipendiaram’, ‘roubaram’ do povo goiano para enriquecer pequenos grupos e pessoas. Por isso, os recursos não chegavam onde deviam”, ressalta.

Em Nova Crixás, ele usou o jargão do meio rural para deixar claro que não vai recuar em seus princípios de governança. “Regiões mais carentes precisam ter os incentivos do governo, para poder trazer também as indústrias e dar oportunidade de emprego. Eu tive que tirar a teta dos empresários grandes para retirar os incentivos das grandes cidades. Eles andaram batendo no Caiado, mas eu sei como é desmamar bezerrão”, assegurou.

Além de mudar a política de incentivos fiscais, que vai ser direcionada, principalmente, aos municípios mais vulneráveis identificados no IMCF, Caiado cobra de todos os seus secretários as mesmas marcas que imprime no governo: a da interiorização e descentralização dos serviços. Na Saúde, por exemplo, a estruturação das policlínicas objetiva suprir o déficit de atendimentos essenciais em regiões mais distantes e carentes. Não à toa, a primeira unidade do tipo vai ser inaugurada em Posse, no Nordeste Goiano.

Nas áreas cultural e social, também não faltam iniciativas que dialogam com a mesma essência. Além de valorizar eventos já conhecidos e tradicionais, o governador prestigiou a festa do Vão do Moleque, realizada na comunidade calunga todos os meses de setembro. O Grupo Técnico Social, comandado pela primeira-dama Gracinha Caiado, caminha na mesma direção, priorizando os goianos que mais precisam. No turismo, a meta é atrair mais visitantes e mostrar as potencialidades de todo o Estado – seja por meio da gastronomia, artesanato, literatura, música e outros. E aqui, também, a vitrine é muito mais ampla do que simplesmente o eixo Pirenópolis – Cidade de Goiás.

No fim do ano passado foi lançado o programa “Rotas Gastronômicas”, criado a partir de três pilares: sustentabilidade, inclusão social e empreendedorismo. A regionalização é o diferencial do projeto, pelo qual os municípios ganharam o apoio do governo estadual, por meio da Goiás Turismo, para agregar valor aos produtos existentes na comunidade.

Você já tinha pensado em participar do Caturama? Nunca tinha ouvido falar? Foi o primeiro Festival Gastronômico da Estrada de Ferro, realizado em Silvânia, entre dias 3 e 5 de outubro de 2019. O cardápio estava convidativo – e criativo, diga-se de passagem: “arroz com os trem tudo dentro”, “frango no trilho”, “carga de torresmo”, e por aí vai.

“Agora há a chance de se conhecer mais de Goiás e, também, de levar o desenvolvimento a cada rincão do Estado”, costuma dizer Caiado.

É, de fato, uma nova Marcha para o Oeste, agora calcada na era digital. E ancorada em valores robustos, reais e plausíveis. “Hoje as pessoas sabem que o dinheiro está sendo corretamente aplicado no Estado de Goiás. Por isso, as coisas vão multiplicar”, projetou Caiado, no fim do evento em Nova Crixás.