WhatsApp Image 2020-03-05 at 13.11.00

Ronaldo Caiado discute rumos da democracia no Brasil e avanços em Goiás durante bate-papo na Casa do Saber, em São Paulo

Durante duas horas o governador foi ouvido e sabatinado por uma plateia formada por estudantes e professores de filosofia, bem como por renomados jornalistas e operadores do Direito

A proposta era a discussão do Brasil de hoje e do futuro, mas Ronaldo Caiado foi além. Apaixonado como é por Goiás, levou seu Estado também para o centro do debate. Assim, por duas horas – e sem se esquivar de nenhuma pergunta – o governador desenvolveu um bate-papo sobre política, cidadania e democracia na Casa do Saber, em São Paulo, na noite desta quarta-feira (04/03).

“É uma honra muito grande ter um personagem com a importância histórica e política de Ronaldo Caiado, para este processo histórico dos últimos 40 anos, ao longo dos quais desempenhou um papel de relevância na vida nacional, e a renovou em diversos papeis, como parlamentar e agora no Executivo, sempre polarizando e submetendo-se ao escrutínio dos eleitores, que em última instância o apoiaram e conduziram à posição em que se encontra hoje”, disse o mediador do bate-papo, Mário Vitor Santos, diretor da Casa do Saber, ao apresentá-lo à interessada plateia.

Entre os ouvintes estavam estudantes e professores de filosofia; jornalistas dos veículos O Estado de S. Paulo e Valor Econômico; operadores do Direito, como Torquato Lorena Jardim, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE); o professor e jornalista Clóvis de Barros Filho; o secretário goiano de Desenvolvimento e Inovação (Sedi), Adriano da Rocha Lima; o sócio-fundador da Moreau Advogados e da Casa do Saber, Jean Pierre Moreau; o professor José Márcio Rebolho Rego; e a primeira-dama e coordenadora do Grupo Técnico-Social de Goiás, Gracinha Caiado.

Na conversa, amistosa e descontraída, diversos assuntos vieram a lume, desde os relacionados ao interesse local àqueles que figuram na pauta nacional. Entre estes, sobressaiu-se a defesa da democracia e o diálogo entre os poderes para trazer resultados à sociedade, defendidos veementemente pelo governador. “Sou um defensor intransigente das regras democráticas, que para mim são inatingíveis, inatacáveis. Todas as minhas batalhas foram no plenário, no debate, no microfone, na tribuna defendendo as minhas ideias. Jamais saí da linha que não fosse a de buscar o diálogo – vencer ou perder na votação do plenário. Eu sempre acolhi e me curvei à decisão da maioria”, pontuou o governador, que completou: “A democracia nunca esteve tão viva quanto está. E cada vez que eu vejo mais gente na rua, mais me empolga”.

Ao ser questionado sobre o momento conflituoso envolvendo a Presidência da República e Legislativo, Caiado não se furtou da reflexão. “Sabemos muito bem que democracia não é ‘paz de cemitério’. Democracia é extremamente efervescente, em qualquer lugar do mundo.” Neste sentido, frisou que o fundamental é trabalhar junto aos presidentes do Senado, da Câmara e da República para que se tenha convergência de ação em prol da sociedade. “O que nós não podemos deixar é que esse tecido nosso, agora que chegamos ao Poder, se esgarce, se fragilize.”

Para a manutenção do Estado Democrático de Direito é também necessária, na visão de Caiado, a melhoria do nível do debate, por meio da Educação e da participação popular. “Mais do que nunca, temos que saber envolver a população. É totalmente diferente a política de hoje da que você fazia há 30 anos. Hoje, toda a sociedade se comunica com uma rapidez como essa que temos nas redes sociais. Todo mundo opina e tem condições de acionar os mecanismos capazes de poder mobilizar o seu grupo e de fazer grandes transformações, como nós estamos assistindo”, comentou.

No entanto, apesar da abertura dos canais para a sua participação, o cidadão ainda mantém uma postura arredia em relação à política, por estar descrente com a classe dos governantes. Citou como exemplo deste sentimento o fato de a população estranhar e chegar a não acreditar que serviços públicos possam ser prestados com qualidade. É o que está acontecendo na cidade de Posse, no Nordeste goiano, onde a primeira Policlínica da gestão Caiado entrou em funcionamento na última segunda-feira (2/3). A unidade estadual, no auge de sua capacidade operacional, irá atenderá mais de 10 mil consultas mensais em 19 especialidades médicas e realizará até 25 mil exames de diagnóstico por mês.

Durante a conversa, Caiado contou que o secretário goiano da Saúde, Ismael Alexandrino, ligou para o governador pedindo que uma mensagem para dizer que, na Policlínica, os serviços são de graça. “Isso só porque estou marcando hora, oferecendo transporte para buscar o cidadão na casa dele, na propriedade rural, na cidade e fazendo todos os exames com qualidade, tratando-o como qualquer cidadão é tratado dentro de um hospital particular. Veja o quanto as pessoas estão desacreditadas de que têm direito a um tratamento digno.”

Desta forma, o grande desafio é, na visão de Caiado, resgatar a credibilidade da classe política. “Enquanto a política for balcão de negócio, a população vai reagir da maneira que está reagindo. No dia que a população entender que o cidadão que está no comando tem convicção nas suas propostas, transparência nos seus gestos e capacidade de poder mostrar que aquilo que ele fala é exatamente o que ele faz, nós vamos começar a recuperar o respeito às lideranças políticas”, comentou. E arrematou: “Precisamos entender que, na política, você é capaz de fazer ações e reverberar posições e que você passa, a partir dali, a fazer escola. Passa a ter discípulos, pessoas que comungam com você. Encaro isso, talvez, como sendo o ponto maior de uma luta que nós desenvolvemos há 40 anos. Tenho tantos amigos hoje que entraram na política, que são bons deputados e bons governantes. Não podemos generalizar a ideia pré-concebida de que todo político é desonesto, corrupto e incompetente”.

“Avanços sociais”
Ao longo da conversa, Caiado também teve a oportunidade de fazer um retrospecto de seu um ano e três meses de mandato. Elencou as principais realizações que, mesmo diante do quadro de caos financeiro que herdou o Estado, foram possíveis efetivar graças a uma gestão que não se eximiu de medidas austeras, mas necessárias, para recolocar Goiás nos trilhos e recuperar o caminho para o crescimento. Caiado pontuou que entre outros projetos, o trabalho que vem sendo realizado nos municípios goianos mais carentes pelo Gabinete de Política Sociais, sob a coordenação de Gracinha Caiado.

“Conseguimos avançar e muito nesta política. As pessoas acham que tratar a pobreza é simplesmente dar a ela uma cesta básica ou uma bolsa de ‘x’ reais por mês. Mas a análise levantada e trabalhada por nós tem um contexto muito maior. Você até pode fazer este repasse mensal, mas se não tentar mudar a cultura dessa pessoa, ela continua na mesma condição”, refletiu.

Também destacou que sua gestão se insurgiu de forma veemente contra a corrupção, estancado a sangria em todas as pastas. Falou de algumas operações policiais realizadas no Detran, Saneago, Meio Ambiente, onde havia suspeitas de desvios em gestões passadas. Ainda citou a implantação do Programa de Compliance Público (PCP) em todo o Poder Executivo, e que é uma espécie de vacina contra a corrupção. “Se você não tapar todos esses pontos que estão sangrando o Estado, não tem cidadão que dá conta de sustentar uma máquina dessa”, afirmou.

De forma breve, o governador mencionou avanços em áreas prioritárias e que apresentavam índices críticos, a exemplo da Segurança Pública. “Minha PM hoje é a melhor do Brasil”. Ao ser perguntado sobre suas pretensões para 2022, foi contundente: “Neste momento eu não dou conta de encerrar o ‘projeto Goiás’ com mais três anos. É impossível. A minha pretensão neste momento é de poder, ao meu final de tempo de governo, detectar que o meu querido Estado de Goiás seja referência nacional.”