Foto: Octacilio Queiroz

Poderes e órgãos autônomos de Goiás reduzem 20% das despesas devido à pandemia e Caiado garante pagamento do funcionalismo em dia

Em suas redes sociais, o governador celebrou a decisão. “Orgulhoso dessa união exemplar que ajuda Goiás a superar este momento”, escreveu em mensagem no Twitter. Medida foi aceita após quarta videoconferência para tratar do assunto, na manhã nesta quarta-feira (22/4), em que cada representante apresentou seu plano de corte de gastos

Representantes dos Poderes Executivo, Legislativo, Judiciário, além de Ministério Público, Tribunais de Contas e Defensoria, decidiram cortar 20% de suas despesas. Com a medida, o governador Ronaldo Caiado anunciou que está garantido pagamento dos servidores em dia. “Veja o quanto a parceria e o diálogo entre os Poderes passa a ser fundamental para que a gente possa resolver os problemas; principalmente agora, em um momento de crise”, enfatizou o governador, em vídeo. “É com este clima que governamos o Estado de Goiás. Com harmonia, com diálogo e com resultado para o cidadão.”

Desde que foi instituída a quarentena em Goiás, por decreto em março, o governador Ronaldo Caiado tem ressaltado a necessidade de uma readequação dos gastos públicos em todo o Estado. Ele sensibilizou as autoridades para a necessidade de união e de esforço coletivo, e, nesta quarta-feira (22/04), os chefes dos Poderes constituídos e órgãos autônomos assinaram, após a quarta videoconferência para tratar do assunto, um acordo público se comprometendo em reduzir as despesas previstas para o ano de 2020. Em suas redes sociais, o governador ainda celebrou a decisão. “Orgulhoso dessa união exemplar que ajuda Goiás a superar este momento”, escreveu em mensagem no Twitter.

Na reunião virtual, foram apresentados os detalhes da redução de gastos de cada órgão ou Poder. Participaram, além do governador, os chefes do Poder Legislativo, Poder Judiciário, Ministério Público Estadual, Defensoria Pública, Tribunal de Contas do Estado (TCE) e do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). Os cortes têm como objetivo adequar a realidade do Estado ao cenário econômico que se desenhou em torno do enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

O compromisso coletivo de revisão de despesas havia sido firmado durante outra videoconferência, realizada no último dia 2 de abril. Na ocasião, a Secretaria da Economia apresentou uma análise financeira que comprova a frustração da receita em face da desaceleração econômica, provocada pelo isolamento social. Tal medida foi adotada em Goiás a partir da recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que a considera o método mais eficiente no controle da disseminação Covid-19.

Desde que Goiás registrou o primeiro caso de coronavírus, Caiado tem se pautado especialmente na meta de preservar a saúde dos goianos e salvar vidas. Paralelo a isso, concentra esforços na tentativa de minimizar os impactos econômicos causados pela desaceleração do comércio, indústrias e afins. Por isso, o Estado tem liberado linhas de crédito emergenciais para micro e pequenos empreendedores, além de adiar o calendário de pagamento do IPVA e impedir o corte de água, por exemplo, em caso de não pagamento durante esse período.

Outro argumento que o governador apresentou aos chefes dos demais Poderes e órgãos autônomos sobre a importância da redução de gastos diz respeito à saúde. Baseado na crescente demanda por atendimentos hospitalares observada em outros países por onde a Covid-19 se alastrou, Ronaldo Caiado tem preparado hospitais de campanha para evitar um colapso. Essa economia nas despesas, salientou, pode compensar a área da saúde. “Podemos precisar contratar mais médicos [e outros profissionais da saúde] para estar à frente do combate ao coronavírus”, disse.