Foto: Vinícius Schmidt

Governador Ronaldo Caiado entrega primeira CNH Social e anuncia mais 4 mil para segundo semestre

Na primeira etapa, 2.010 pessoas foram beneficiadas com a gratuidade no processo de habilitação e taxas. Com a ampliação das vagas na próxima etapa, número de contemplados vai subir para mais de 6 mil ao final de 2020

Aos 42 anos e em meio à maior crise sanitária mundial, Welington Borges Coelho não imaginava que poderia abraçar uma nova oportunidade profissional, com possibilidades reais de ganho de renda. Mas o que seria improvável para muitos, para ele se tornou realidade graças ao programa do Governo de Goiás “CNH Social”, viabilizado por meio do Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran-GO). Nesta segunda-feira (22/06), em solenidade realizada no Palácio das Esmeraldas, Wellington foi o primeiro a receber das mãos do governador Ronaldo Caiado a carteira de motorista, depois de finalizar o processo sem ter que arcar com nenhum custo ou taxa. Além dele, outras 2.009 pessoas foram contempladas nesta primeira etapa do programa, que começou a ser desenhada no final do ano passado, quando projeto do Executivo foi enviado e aprovado na Assembleia Legislativa.

“Devolver Goiás aos goianos não é uma frase retórica, é uma realidade”, frisou o governador durante o discurso. Ele ainda complementou: “o Estado tem que ter um objetivo único, que é o de fazer com que tudo aquilo que é arrecadado possa ser devolvido em melhoria na qualidade de vida, em menor taxa, melhor eficiência. Ao tirarmos todas as estruturas que se enriqueceram durante anos e anos dentro desses órgãos do Estado, estamos fazendo com que o cidadão goiano seja o beneficiário maior”, assinalou Caiado, ao anunciar que enviará, nos próximos dias, para a Assembleia, mensagem de novo projeto para ofertar, no segundo semestre, mais 4 mil vagas da CNH Social.

Caiado provou com números o que destacou em palavras. Entre março de 2019 e junho deste ano, mais de 1,1 milhão de serviços foram requisitados no Detran, nos quais o usuário contou com redução ou até mesmo isenção de taxas. Os registros de contratos tiveram redução de valor em R$ 182,35, o preço cobrado pelas vistorias caiu 38%; o custo para emplacamento de carros passou de R$ 190,40 para R$ 120 e, nos casos de motocicletas, a queda foi ainda mais brusca: de R$ R$ 162,02 para 60,98. E, mesmo assim, em um ano, o Detran incrementou sua receita em R$ 115 milhões, em relação a 2018.

“É importante realçar que essa política de redução de custos não comprometeu a arrecadação estadual. Agora, eu pergunto para a imprensa: como isso é possível?” O próprio Caiado sinaliza a resposta. “Seria muito fácil continuar governando com o ‘status-quo’ que se governava antes, mas o meu compromisso é com meu Estado e com os goianos. A luta é difícil, mas iremos adiante”, ressaltou.

Em pronunciamento, o presidente do Detran, Marcos Roberta Silva, demonstrou que entendeu bem a missão a ele confiada pelo governador. Marcos disse que a gestão do Departamento de Trânsito se sustenta em três princípios – seriedade, transparência e honestidade – para alcançar resultados que extrapolem meramente a principal função do órgão de regular o trânsito. “Estamos um patamar acima para transformar a vida das pessoas. A CNH Social é um passaporte para uma nova oportunidade; é um instrumento de trabalho e dignidade para os goianos”, sentenciou.

Marcos aproveitou também a oportunidade para prestar conta das iniciativas e ações desencadeadas pelo Detran. Além dos números repassados pelo governador, ele lembrou que, no total, o órgão economizou mais de R$ 150 milhões, com a revisão de custos e contratos. Informou, ainda, que a autarquia goiana foi a primeira do País a disponibilizar o serviço do CRLV eletrônico e que, há dois meses, está em funcionamento o atendimento agendado, que visa dar mais comodidade e conforto ao cidadão.

O vice-governador Lincoln Tejota também testemunhou do processo de transparência adotado pela atual gestão. “Esse governo não é nosso. Estamos cuidando da confiança que a população nos entregou e dando uma resposta de como os impostos que pagam estão sendo utilizados”, reforçou. “É o Estado que serve ao povo e não o contrário. Estamos preocupados com os mais vulneráveis, com aquelas pessoas que vivem em situação de miséria”, acrescentou.

Já o presidente da Assembleia Legislativa, Lissauer Vieira, falou da parceria entre os Poderes goianos e de como essa postura tem ajudado no equilíbrio econômico do Estado e, por consequência, beneficiado diretamente a população. O deputado elogiou, ainda, a conduta do governo de Ronaldo Caiado, que “com visão de futuro e olhar para os necessitados” tem pavimentado um futuro melhor para os goianos, tanto durante a crise do coronavírus, com a estruturação dos hospitais de campanha, quanto de forma geral, quando se preocupa com a parte social e com o direcionamento de políticas para as pessoas de baixa renda.

CNH Social
Pensada pelo Governo de Goiás como um programa para promover a justiça social e oferecer mais uma ferramenta de trabalho aos goianos de baixa renda, a CNH Social foi capaz de atuar de forma muito mais impactante do que a prevista inicialmente, já que ninguém imaginava que 2020 “abrigaria” uma pandemia de proporções mundiais. E foi neste contexto que Welington Borges comemorou o benefício conquistado.

“Veio numa hora realmente oportuna, já que tem dois anos que estou desempregado. Consegui a alteração da categoria B para D a custo zero; é uma forma de recolocação no mercado de trabalho”, contou Welington, que agora tem habilitação para dirigir ônibus e microônibus.

Nesta primeira etapa do projeto, foram ofertadas 670 vagas para cada uma das três áreas cobertas pela CNH Social (estudantil, rural e urbana), sendo que 10% delas são destinadas a pessoas com deficiência. Mais de 90 mil pessoas se inscreveram no programa.

Também participaram da solenidade o secretário de Comunicação, Tony Carlo; o presidente da Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos (AGR), Eurípedes Barsanulfo; o deputado estadual Charles Bento; e o presidente do Sindicato dos Profissionais dos Centros de Formação de Condutores de Autos do Estado de Goiás, Derli Fernandes.