Foto: Cristiano Borges.

Em visita à Ceasa, Caiado assegura ações de modernização da unidade

Projeto de expansão do espaço foi apresentado pelo presidente das Centrais de Abastecimento de Goiás, Wilmar Gratão, nesta sexta-feira (02/10). Meta é proporcionar mais conforto a comerciantes, visitantes e atrair grandes empresas para o local, como supermercados. “Temos uma estrutura ímpar, diferenciada no Brasil, como também capacidade de ampliar, de melhorar”, afirma governador

Profissionalizar ainda mais o serviço oferecido nas Centrais de Abastecimento de Goiás S/A (Ceasa-GO) e dar melhores condições de acesso a expositores e compradores que frequentam o local são objetivos a serem atingidos na atual gestão do Estado, segundo afirmou o governador Ronaldo Caiado, em visita à unidade, nesta sexta-feira (02/10). “Precisamos cada vez modernizar mais a Ceasa”, disse durante entrevista à rádio da central. Projeto de expansão do espaço foi apresentado a Caiado pelo presidente Wilmar Gratão. A previsão é de que as obras de ampliação ocorram em duas etapas.

Segundo o presidente da Ceasa-GO, na primeira etapa está previsto o incremento de 24 mil metros quadrados e, na segunda, de 103 mil metros quadrados. “Teremos um balcão do produtor, de produtos orgânicos e, em outra parte, um só de agricultura familiar”, informou Gratão, que junto com outras autoridades ligadas ao agronegócio, acompanhou o governador na visita às bancas da central. No trajeto, Caiado ouviu as demandas dos comerciantes e da população em geral. “Temos uma estrutura ímpar, diferenciada no Brasil, como também temos aqui a capacidade de ampliar, de melhorar toda a parte para que o produtor rural realmente se sinta cada vez mais confortável e prestigiado”, afirmou o governador.

A preocupação com os pequenos produtores, evidenciada no projeto de expansão da unidade, está ancorada na política central do Governo de Goiás. “Tenho trabalhado junto ao secretário de Agricultura para que a gente fomente a renda do pequeno produtor. Temos também a Emater, que acompanha e orienta, principalmente, os assentados e aqueles responsáveis pela produção de hortifrutigranjeiros da região”, ressaltou Caiado, ao citar ações que caminham para esse alvo. Exemplos apontados foram o Programa de Aquisição de Alimentos estadual e o kit de alimentação, que deverá ser adquirido de empresas locais para, depois, ser distribuído aos alunos da rede estadual. Do total de itens alimentícios que será destinado aos estudantes, ao menos 30% necessariamente devem ser provenientes da agricultura familiar.

O presidente da Ceasa-GO destacou a relevância estratégica da unidade, criada na década de 1970 com a missão de operacionalizar a comercialização dos hortifrutis com garantias de boa classificação e qualidade dos produtos. “Esse entreposto é muito importante, não só para o município e para Goiás, mas para toda essa região Norte e Nordeste. Nós abastecemos em torno de mais de 10 Estados”, afirmou Gratão. Ele lembrou ainda que, dos 246 municípios goianos, 146 têm mercadorias expostas na central.

“Estamos preparando a Ceasa para um novo salto”, continuou o presidente. Segundo Gratão, o projeto de expansão também foca na atração de novas empresas. “Queremos esses grandes supermercados para vir aqui e adquirir seus produtos. Eles já vão fazer um centro de distribuição”.

Atualmente, o movimento diário na Ceasa-GO varia de 12 a 15 mil pessoas, já a circulação de veículos é de 3 mil. Entre atacadistas, produtores rurais e pequenos comerciantes, são aproximadamente mil proprietários de bancas na central. Somente no Galpão do Produtor Rural, são 600 cadastrados.

Produção de Milho
Durante entrevista, o governador também comentou os resultados positivos do Estado na Produção Agrícola Municipal (PAM) 2019, pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nessa quinta-feira (02/10). O levantamento aponta Rio Verde, como o segundo maior produtor de milho do País e Jataí, como o quarto maior. Os dois municípios ficam no Sudoeste goiano. “Goiás tem se diferenciado. Superamos o Rio Grande do Sul e ampliamos nosso potencial da agropecuária”, assinalou. “Esse setor [agro] é o sustentáculo para Goiás na crise, como foi também para o país”, complementou Caiado.

De acordo com a pesquisa do IBGE, os 20 maiores produtores municipais de milho encontram-se no Centro-Oeste. Os três primeiros são, respectivamente: Sorriso (MT), com 3,1 milhões de toneladas, Rio Verde (GO), com 2,3 milhões de toneladas e Nova Ubiratã (MT), com 1,8 milhão de toneladas.

A produção nacional do cereal foi puxada pelo bom resultado da segunda safra, que teve ampliação de 11,0% na área plantada e respondeu por 74,2% da produção recorde de 101,1 milhões de toneladas (alta de 22,8%). As exportações de milho também atingiram números recordes: 42,8 milhões de toneladas, um aumento de 86,2% frente a 2018.

Na Ceasa-GO há um setor específico para comercialização de milho. No local, as obras de melhoria, que incluem troca total da pavimentação e implantação de galeria pluvial, já foram iniciadas. Nesta manhã, o governador também conferiu o trabalho de adequação do espaço.

Acompanharam Caiado na visita à Ceasa-GO o secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Carlos Neto e o presidente da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), Pedro Leonardo de Paula Rezende.