Foto: Wesley Costa

“Precisamos de homens de conteúdo moral e independência intelectual para julgar as causas do nosso Estado”, diz Caiado durante posse de novo desembargador no Tribunal de Justiça

Maurício Porfírio Rosa foi escolhido, por meio do critério de antiguidade, para ocupar cargo após aposentadoria do magistrado Olavo Junqueira de Andrade. Na solenidade, governador destaca experiência do empossado. “Um homem que esteve nos quadrantes mais carentes do Estado como juiz”, afirma

“São homens com esta credibilidade e, ao mesmo tempo, de conteúdo moral e, com independência intelectual para julgar as causas no nosso Estado, que precisamos cada vez mais”. A afirmação é do governador Ronaldo Caiado em relação à conduta e trajetória do novo desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), empossado nesta sexta-feira (26/02), Maurício Porfírio Rosa. O juiz substituto em segundo grau foi escolhido para o cargo, por critério de antiguidade, após a aposentadoria do magistrado Olavo Junqueira de Andrade.

Durante a solenidade, Caiado, que esteve acompanhado pelo vice-governador Lincoln Tejota, destacou a importância que o TJGO exerce em Goiás. “Temos um tribunal diferenciado pela qualidade dos homens que têm e pelos que assumem neste momento”, disse. Ele considerou que a experiência de mais de 30 anos de carreira jurídica dá ao novo desembargador todas as expertises que o cargo exige. “Um homem que esteve nos quadrantes mais carentes do Estado como juiz. Pessoa que se orgulha de ser professor e que formou milhares de pessoas que cursaram Direito”, acrescentou.

A cerimônia foi conduzida pelo presidente do TJGO, desembargador Carlos Alberto França. De forma restrita, o evento contou com a participação de outras autoridades por videoconferência. Ao saudar o governador, Maurício Porfírio fez menção a uma cena vivenciada quando o líder do Executivo goiano ainda era deputado federal. Na época, Caiado se preparava para ir a Brasília quando testemunhou um acidente. Segundo o novo desembargador, de imediato, como médico que é, não hesitou em prestar atendimento naquele momento, dando prioridade para a vida em relação aos compromissos políticos. “Isso marca meu coração pelo homem, pelo ser humano que é”, definiu. Nas palavras de Maurício Porfírio, o governador é um “ser humano dotado de dignidade”.

Ele também reconheceu que a experiência que tem no judiciário o ajudará no novo desafio profissional. “Espero poder servir com toda expertise que a experiência tenha me dado, para que nós possamos fazer com que a nossa sociedade, extremamente injusta, tenha um pouco mais de justiça”, defendeu ao lembrar que é servidor público e tem como patrão o povo.

Como prioridade, Maurício Porfírio prevê dar mais celeridade aos processos. “Essa questão da demora da justiça talvez seja um dos problemas mais graves que enfrentamos”, relatou. “Eu posso dizer que o meu desejo é de que a sociedade brasileira tenha a justiça ao tempo e como ela merece. Essa é a minha prioridade como magistrado’, garantiu.

Na solenidade, o desembargador José Carlos Oliveira fez a saudação em nome de toda a Corte. “Maurício é reconhecido como juiz sério e compenetrado no seu dever funcional”, destacou. “Essa imagem que transmite é fácil de ser aferida e comprovada mediante o acompanhamento que se faz da caminhada de sua vida como cidadão, magistrado e professor universitário”, complementou.

Em nome do Ministério Público de Goiás (MP-GO), o procurador-geral de Justiça, Aylton Flávio Vechi, definiu o momento como o “coroamento” de uma carreira. “O senhor teve condições de atuar nas mais difíceis comarcas do Estado. Quando não havia sequer uma mínima estrutura de funcionamento das instituições de Poderes, o senhor esteve lá”, sublinhou.

Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO), Lúcio Flávio de Paiva falou sobre as expectativas da advocacia do Estado com a nomeação do desembargador. “Esperamos que tenha condições de bem gerir o gabinete para entregar de maneira rápida a prestação da tutela jurisdicional”, pontuou.

Perfil
Maurício Porfírio Rosa tem 66 anos, formou-se em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), em 1980, e possui especialização em Direito Tributário também pela PUC Goiás. Exerceu a advocacia e seu ingresso na magistratura estadual goiana foi em 1989, tendo atuado nas comarcas de Cavalcante, Crixás, Edéia, Nazário, Luziânia e Goiânia. Na capital, o magistrado ficou por cerca de 11 anos no Juizado da Infância e Juventude. Em 2011, tomou posse como juiz substituto em segundo grau do TJGO.