Foto: Secom Goiás.

Goiás é destaque em estudo sobre Covid-19 publicado pela revista The Lancet, umas das mais renomadas publicações científicas do mundo

Artigo, divulgado na quarta-feira (21/07), avaliou pessoas hospitalizadas com a doença e que apresentavam, pelo menos, um fator de risco. Trabalho foi realizado em parceria com instituições de diferentes países e contou com atuação da UFG e do HCamp de Goiânia, do Governo de Goiás, classificado como segunda unidade com maior participação de pacientes, contribuindo com inclusão de dados para avaliação dos cientistas. “É desse jeito que a gente governa, sempre com a ciência ao nosso lado”, diz governador Ronaldo Caiado

Goiás está em destaque em estudo divulgado, nesta quarta-feira (21/07), na revista The Lancet, uma das mais prestigiadas publicações científicas do mundo. O trabalho foi realizado em parceria com instituições de diferentes países e contou com a participação da Universidade Federal de Goiás (UFG) e do Hospital de Campanha para Enfrentamento do Coronavírus (HCamp) de Goiânia, unidade de saúde do Governo de Goiás.

No Brasil, o trabalho foi coordenado pelo Hospital Albert Einsten e teve a participação de vários centros de pesquisa. O estudo avaliou pessoas hospitalizadas com a Covid-19 e que apresentavam, pelo menos, um fator de risco. Os pesquisadores avaliaram a utilização de um medicamento nos pacientes, com o objetivo de preservar a função renal.

A iniciativa mostra o compromisso das instituições do Estado e dos pesquisadores goianos com a ciência e com a busca por melhorias que possam impactar positivamente a vida do cidadão. O HCamp de Goiânia, hospital referência para assistência de casos de Covid-19, foi classificado como a segunda unidade com maior participação de pacientes, contribuindo com a inclusão de dados para avaliação dos cientistas. Ao todo, 10% dos casos analisados no Brasil foram de pessoas internadas no hospital.

“É desse jeito que a gente governa, sempre com a ciência ao nosso lado em busca do melhor para as pessoas”, ressaltou o governador Ronaldo Caiado. Ele deixou um agradecimento especial à equipe da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), do HCamp Goiânia e da Liga de Hipertensão Arterial da UFG.

Já o secretário de Estado da Saúde de Goiás, Ismael Alexandrino, ressaltou que a ciência é objetiva. “A gestão tem subjetividades. Mas fazer gestão apoiando-se na ciência é um caminho que diminui erros”. Ainda segundo o titular da SES-GO, com iniciativas assim é possível construir políticas públicas de saúde com sensatez, responsabilidade e, sobretudo, com eficiência. “Tudo isso contribui para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS). E é assim que vamos fortalecendo a saúde em Goiás”, pontuou Alexandrino.

O médico infectologista e diretor-geral do HCamp de Goiânia, Guillermo Sócrates, ressaltou que, desde a criação do hospital, em março do ano passado, a instituição assumiu o compromisso com o governador Ronaldo Caiado para utilizar a medicina baseada em ciência. “Porém fizemos mais, e agora estamos produzindo ciência”, destacou o diretor.

Ainda sobre a participação do HCamp no estudo, o diretor-geral da unidade pontuou o envolvimento da equipe da unidade na condução dos trabalhos. “Esses estudos internacionais seguem metodologias rígidas e que exigem empenho e dedicação no manejo dos dados, por isso agradeço aos colaboradores do hospital pelo apoio na condução das atividades”, frisou. Ele pontuou que, atualmente, a unidade participa de outro trabalho de grande impacto.

Publicação
Em Goiás, o estudo foi conduzido pelo professor da Faculdade de Medicina da UFG e coordenador da Liga de Hipertensão Arterial, Weimar Kunz Sebba Barroso. O trabalho avaliou pacientes hospitalizados com a Covid-19 e que apresentavam, pelo menos, um fator de risco cardiometabólico, ou seja, hipertensão, diabetes tipo 2, doença cardiovascular aterosclerótica, insuficiência cardíaca e doença renal crônica.

A pesquisa considerou aqueles pacientes internados com a infecção pelo coronavírus e que exigiam uso de oxigênio, mas sem a necessidade de ventilação mecânica. Foi avaliado o uso da Dapagliflozina, um medicamento usado para o tratamento de diabetes. “Como a Covid-19 é uma doença que aumenta a atividade inflamatória, gerando um dano importante aos rins, há uma hipótese bastante plausível de que um fármaco como esse, que diminui a inflamação e protege o funcionamento renal, reduz as complicações nos pacientes internados”, explicou o professor Weimar Barroso.

Ele também ressaltou que o estudo foi devidamente aprovado nos órgãos regulatórios americanos, latino-americanos e brasileiros. No Brasil, o trabalho foi coordenado pelo grupo do Hospital Albert Einsten e contou com a participação de vários centros de pesquisa. “O país teve um papel fundamental, pois de um total de 1.200 pacientes que foram incluídos na análise, cerca de 700 foram brasileiros, mostrando a nossa participação expressiva”, detalhou.

“Com o trabalho encontramos algumas respostas relacionadas ao tratamento, o que é bastante importante. Além disso, também contribuímos com a construção de um conhecimento científico que busca levar o máximo de proteção aos nossos pacientes, diminuindo as complicações dessa doença e, sempre que possível, salvar ainda mais vidas”, pontuou o pesquisador.

Weimar Barroso também reconheceu o empenho, comprometimento com a ciência e dedicação do trabalho em conjunto das equipes da SES-GO, por meio do HCamp Goiânia, e dos membros da Liga de Hipertensão Arterial da UFG. “Todas essas pessoas e instituições se comprometeram com a ciência para que esse estudo fosse coroado com a publicação em uma revista de enorme impacto”, finalizou. O trabalho foi destaque em importantes associações da comunidade científica mundial, como o American College of Cardiology e a American Diabetes Association.

Para acessar o estudo completo basta acessar o link:
https://www.thelancet.com/action/showPdf?pii=S2213-8587%2821%2900180-7