AhYYN5AAwvZEOvbvsEpsMo3Gy-PkuWHyDbERprhHNziY

Caiado: Revelações de Delcídio expõem conspiração do Planalto para obstruir Justiça brasileira

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO) comentou a recente entrevista do ex-líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral, em que é revelado a participação direta de Lula, Dilma e ministros no escândalo da Lava Jato e em uma conspiração para tentar sabotar a própria Justiça Brasileira.

“Delcídio escancara como o Palácio já age há meses para obstruir o trabalho da Justiça. Fala de conspirações feitar por Dilma, Lula, Cardozo, Mercadante, fala da tentativa de cooptar ministros do STF, da condição para indicar ao STJ mediante o compromisso de melar a Lava Jato, fala do achaque de Edinho Silva a empreiteiras, enfim, explica a engrenagem obscura de uma organização criminosa sediada no topo do poder no Brasil. É a pá de cal sobre um governo que sequestrou o Estado em favor de um projeto de perpetuação no poder”, afirmou.

O democrata também sustenta que as afirmações do senador preso desfazem completamente as teses de defesa de Dilma e Lula nos últimos dias e mostram como eles tentaram atacar o andamento das investigações em todas as frentes.

“É uma entrevista para acabar de uma vez com o governo e para alertar o Judiciário sobre a quantidade de tocaias que o cercam no ambiente político”, definiu.

Mercadante
Em outro momento da entrevista, Delcídio sugere que houve interferência política para que o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, não tenha sido preso após revelações de tentou comprar o silêncio dos próprio senador.

“Nas palavras dele, só mesmo ‘um milagre’ para explicar como Mercadante não está preso. Como não acreditamos em milagres na política, vamos cobrar das instâncias superiores por que motivo o ministro ainda continua solto mesmo com a flagrante tentativa de obstruir a Justiça”, defendeu.

coletiva

Mercadante deve ter tratamento isonômico a Delcídio em escândalo do Petrolão, diz Caiado

Senador comentou revelação de que o ministro Aloizio Mercadante teria oferecido benefícios para o ex-líder do governo ficar em silêncio

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), afirmou nesta terça-feira (15/3) que o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, deve receber o mesmo tratamento concedido pela justiça ao senador Delcídio do Amaral. Caiado se refere a revelação publicada hoje pela revista Veja de que Mercadante ofereceu benefícios ao ex-líder do governo pelo seu silêncio sobre a participação de integrantes da alta cúpula do governo no escândalo de corrupção da Petrobras. As informações foram divulgadas logo após a notícia da homologação da delação premiada de Delcídio do Amaral.

“Pau que dá em Chico dá em Francisco. O mesmo argumento utilizado pela justiça para prender o senador Delcídio do Amaral deve ser usado para o caso do ministro Aloizio Mercadante. A matéria mostrou que Mercadante ofereceu benefícios para o senador Delcício não demolir o governo com as informações que tinha conhecimento. Não sou do Judiciário, o que defendo é a isonomia de tratamento para ambos”, disse o parlamentar. O senador Delcídio foi preso após ser flagrado prometendo recursos e meios de fuga para o ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, que assinou acordo de delação premiada no esquema do Petrolão.

O líder democrata acredita que agora com a homologação da delação do senador Delcídio, haverá ainda mais consistência o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. “Indiscutivelmente, esse depoimento será apensado ao processo de impeachment. É uma prova clara da corrupção com a participação da alta cúpula do governo. Temos argumentos mais que suficientes para dar celeridade ao impeachment. Isso é uma zona necrosada no organismo. A única solução é amputar. Onde mexe nesse governo encontra corrupção”, pontuou.

Lula ministro
Sobre a nomeação do ex-presidente Lula como ministro de Dilma Rousseff, Caiado destacou que o objetivo do governo não será atingido. “O governo quer dar um tapa na cara de seis milhões de brasileiros que foram às ruas e pediram a saída do PT do poder. O que querem com o ex-presidente como ministro é escondê-lo da operação Lava-Jato. Lula não vai integrar o governo para servir o país. Mas se engana o governo de que levando o processo de Lula para o STF, o Supremo vai encobrir seus crimes”, opinou

Caiado

É a hora, finalmente, de o Lula falar e do seu Instituto se calar, diz Caiado

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), afirmou nesta sexta-feira (4/3) que a nova fase da operação Lava-jato deflagrada hoje é a prova de que as instituições brasileiras funcionam, apesar das tentativas petistas de emperrar as investigações contra integrantes do partido. Lula e seu braço direito Paulo Okamotto foram levados pela Polícia Federal por condução coercitiva, quando são obrigados a depor, sobre suspeitas de receberem recursos desviados da Petrobras.

“A condução coercitiva é uma prova de que as instituições brasileiras, apesar das estocadas antirrepublicanas do Lula, da Dilma e do PT, funcionam plenamente. É a confirmação de que ninguém, absolutamente ninguém, está acima da lei. É a hora, finalmente, de o Lula falar e do seu Instituto se calar”, disse Caiado.

plenário

PT não tem credencial para defender a Petrobras, diz Caiado ao apoiar projeto do pré-sal aprovado hoje

O líder do Democratas, Ronaldo Caiado (GO), apoiou o projeto (PLS 131/2015) que redefiniu a participação da Petrobras na exploração do pré-sal aprovado na noite desta quarta-feira (24/2). Caiado criticou duramente o argumento de parlamentes petistas que se posicionaram contrários a proposição em suposta defesa da petroleira brasileira. O senador expôs a situação de sucateamento da empresa que acumula dívidas de R$ 500 bilhões ocorrida na gestão lulopetista.

“Vejam a incoerência do PT. Inviabilizaram a empresa, destruíram o patrimônio da Petrobras e agora dizem que a estatal tem condições de arcar com 100% dos leilões? É o mesmo que dizer para uma vítima de atropelamento, anêmica está pronta para doar sangue. O PT não tem credencial para defender a Petrobras”, disse Caiado após mais de seis horas de debates no plenário sobre o projeto.

O projeto tira a obrigatoriedade da participação de 30% da Petrobras nos leilões do pré-sal. “É importante que todos os cidadãos brasileiros saibam. O projeto não determina a venda da Petrobras nem como e quando serão realizados os leilões, que são de competência do legislativo. Não vamos cair na falácia que o PT prega. Eles dizem que a Petrobras é nossa. A estatal era nossa até o governo do PT quando passou a ser a Petrobras do PT”, argumentou Caiado.

“O PT votou contra o Plano Real, contra a Lei de Responsabilidade Fiscal e queria quebrar de vez a Petrobras ao votar contra esse projeto”, finalizou.

AihMDqsIW0V8Rb0J6pw-h09JfgOA8wR7v29nuNhbHMqW

Triplex comprova elo entre Lula e o Petrolão, afirma Caiado

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), ressaltou o avanço das investigações da Lava Jato em cima do imóvel triplex que indica o favorecimento do ex-presidente Lula em negócios com empresas achadas no Petrolão.

Para o senador, a comprovação de que o bem é de propriedade do líder petista indica um elo direto entre o esquema de desvio de recursos da Petrobras e o então presidente da República que tinhan nomeado todos os diretores da estatal envolvidos.

“O Petrolão não nasceu sem pai. Um esquema criminoso desse, altamente organizado, tinha um comando que vinha das maiores instâncias do Palácio do Planalto para manter um grupo no poder e o enriquecimento ilícito de agentes públicos. Esse triplex é o elo de Lula com o Petrolão”, afirmou.

Para o democrata, os próximos passos da Justiça Federal devem juntar as peças que faltam para que se feche o quebra-cabeças da Lava Jato, tendo Lula como peça central. “Os investigadores da Lava Jato e o juiz Sérgio Moro querem encontrar os mandantes desse crime que lesou o país e já estão na porta do vizinho, literalmente. Com a ajuda do Ministério Público, agora vão bater na porta certa”, ironizou.

23605683814_32c4e37c2e_z

Lula deve ser convocado na CPI do BNDES para explicar denúncia de Cerveró, diz Caiado

Líder ainda cobrou instalação da CPI no Senado que tem a assinatura de 30 senadores

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), declarou nesta terça-feira (12) que o ex-presidente Lula deve ser convocado na CPI do BNDES da Câmara para explicar denúncias feitas a partir da delação premiada do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. Para o senador, as revelações de Cerveró são essenciais para se alcançar os cabeças do esquema de corrupção desvendado pela Lava-Jato. Caiado ainda acredita que é inadiável a instalação da CPI do BNDES no Senado, solicitada em requerimento de sua autoria.

Em seu depoimento, Cerveró afirmou que foi indicado para o cargo de diretor da BR Distribuidora como prêmio de Lula por ter facilitado o contrato do Grupo Schahin para o aluguel de um navio sonda para a Petrobras. A mesma empresa forneceu empréstimos para pagar dívidas de campanha do PT intermediadas por José Carlos Bumlai, amigo de Lula, preso na operação Lava-Jato.

“O porquê do Palácio do Planalto se preocupar tanto com a delação de Cerveró, a ponto do então líder do Governo Delcídio Amaral oferecer um plano de fuga, fica evidente agora. É um depoimento que pode finalizar esse quebra-cabeça ao identificar e punir os verdadeiros chefes desse esquema. Lula tem que ser convocado pela CPI do BNDES na Câmara para tentar se explicar. E não dá mais para o Senado adiar a CPI do BNDES. Já temos um requerimento assinado por mais de 30 senadores que pede a criação dessa comissão”, ponderou Caiado.

Para Caiado, investigação do MP contra Lula torna inquestionável CPI do BNDES

17295721476_4244051ded_z (1)

O senador Ronaldo Caiado (Democratas-GO) declarou nesta sexta-feira (10 /5) que a investigação do Ministério Público contra o ex-presidente Lula por tráfico de influência no BNDES é mais uma prova de todas as denúncias de corrupção que a oposição vem fazendo em relação ao banco público. Reportagem da revista Época mostrou que o MP tem documentos e depoimentos com indícios de que Lula teria atuado para favorecer empréstimos do BNDES para a construtora Odebrecht realizar obras em países, com Gana, Cuba, Republica Dominicana e Angola. Para o líder do partido, a suspeita contra o ex-presidente revela um padrão de atuação do BNDES no governo do PT que privilegia o calendário eleitoral desses países; a reorientação das obras para empreiteiras que sustentem os “mimos” de Lula e caixa 2 de campanha no Brasil e caracteriza mais um grande esquema de corrupção praticado pelo PT. “Todas essas denúncias só serão esclarecidas com a CPI do BNDES, atesta.

“Essas informações que estão vindo a tona só confirmam os depoimentos dos delatores do processo da operação Lava Jato. É um enorme esquema de corrupção que envolve a Petrobras, BNDES com  tentáculos em empreiteiras e frigoríficos. No dia da audiência pública com o presidente do BNDES (Luciano Coutinho) já havíamos denunciado a coincidência das viagens de Lula com a liberação de recursos e aprovação de obras nesses países. Mostrei que 57% dos financiamentos do BNDES para exportação de serviços de, 2007 a 2014, foram para Cuba, Angola, Argentina, Venezuela e República Dominicana”, disse Caiado ao mencionar audiência pública com Coutinho na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado dia 14/4.

“Faltam apenas poucas assinaturas para protocolarmos a CPI. Precisamos priorizar informações que  comprovem a ingerência política no banco público que mudou seu perfil a age conforme estratégia do Foro de São Paulo. É possível visualizarmos como padrão a forma atuação do BNDES: a coincidência com o calendário eleitoral desses países; a reorientação das obras para alimentar caixa 2 de campanha no Brasil bem como atender aos ‘mimos’ de Lula e a caracterização de mais um grande esquema de corrupção praticado pelo PT”, concluiu.

Petrobras alavancou campanha e agora financia ajuste fiscal, diz Caiado

IMG_0671

Em audiência pública nesta terça-feira (28/4) com o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, o senador Ronaldo Caiado (GO) acusou a gestão petista de alavancar a campanha eleitoral da presidente Dilma. Segundo o líder do Democratas, durante o ano eleitoral, a petroleira represou os preços dos combustíveis para segurar a inflação e agora quer arrecadar recursos para financiar o ajuste fiscal. Sobre o tema, Bendine apenas afirmou que só responde por atos da empresa a partir de fevereiro quando assumia Petrobrasa presidência da Petrobras. Caiado ainda questionou o fato de o PT reiteradas vezes acusar a oposição de ter planos de privatização da estatal, porém, em 12 anos com bastante interferência do Estado e modelos populistas quebrou a empresa como atestou balanço divulgado semana passada. A audiência foi realizada em reunião conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos e Infraestrutura.

“A Petrobras alavancou a campanha eleitoral. Segurou o preço do combustível, segurou a inflação e acumulou um, prejuízo de R$ 80 bilhões. Agora, função da empresa é arrecadar recursos para o ajuste fiscal. Primeiro, o compromisso de eleger a presidente Dilma e depois do desfalque, o povo deve pagar pelo ajuste fiscal. E o presidente da Petrobras se eximiu da responsabilidade de responder sobre esse estelionato eleitoral cometido contra o povo”, destacou Caiado. Ainda sobre o preço da gasolina, o parlamentar mostrou que o brasileiro paga hoje o dobro que o norte-americano, enquanto Bendine disse considera justo o valor cobrado no Brasil.

O senador afirmou que o balanço divulgado na semana passada comprovou que a empresa está quebrada unindo má administração e desvios de recursos. “PT quebrou a máxima do mercado: o melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo bem administrada e o segundo melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo mal administrada”, pontuou o senador.

Outra questão não respondida pelo dirigente da petroleira brasileira foram as condições dos empréstimos tomados pela Petrobras aos bancos chinês e brasileiros (Caixa e Banco do Brasil). “Questionei se qualquer outra empresa com uma dívida que cresceu R$ 221 bilhões em quatros anos teria acesso a empréstimo no Banco do Brasil ou se esses privilégios são apenas voltados a estatais”, disse Caiado.

Caiado também criticou o sistema de partilha estipulado para a exploração da camada pré-sal. “É um modelo que viabiliza a corrupção, favorece a ingerência política. A empresa hoje é incapaz de arcar com os 30% estipulados em lei de cada consórcio para exploração do pré-sal. Temos hoje uma grande riqueza micada”, analisou.

Para Caiado, prejuízos da Petrobras atestam fraude do governo entre o discurso e a realidade

17238971561_997de896b2_z
Ao comentar o balanço da Petrobras divulgado na noite desta quarta-feira (22/4), o senador Ronaldo Caiado (GO) afirmou que os números comprovam a fraude entre o discurso do governo em campanha e a realidade. O líder do Democratas no Senado disse ainda que o prejuízo de R$ 21,6 bilhões, sendo R$ 6,2 bilhões com corrupção, dá mais sustentação ao processo de impeachment da presidente Dilma que, desde o início da gestão do PT, ocupou cargos de comando em relação a estatal, como ministra de Minas e Energia e presidente do conselho de administração da Petrobras.

“O que temos hoje é uma auditoria que comprova a fraude entre o discurso e a realidade. O que o governo dizia no período pré-campanha e o brasileiro toma conhecimento hoje. Atesta a má-fé. É a garantia de que o governo utilizou empresas como a Petrobras, BNDES e Banco Central para fraudar o processo induzindo a população. É o maior prejuízo entre 15 maiores petrolíferas do mundo, o que mostra o assalto que foi praticado em todas as estatais brasileiras”, avaliou. Caiado lembrou que o governo fez questão de anunciar antes e durante a campanha que a Petrobras estava preparada para arcar com 30% dos investimentos do pré-sal, como foi aprovado em lei; tinha capital e credibilidade no mercado internacional para bancar esses altos investimentos. “Agora, o que dados comprovam é a perda dos ativos em mais de R$ 40 bilhões e em relação à corrupção em mais de R$ 6 bilhões”, afirmou.

O senador acredita que a oficialização da corrupção da Petrobras pelo balanço aliada aos empréstimos ilegais do governo de bancos públicos atestados pelo TCU fortalecem um processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. “Os empréstimos ilegais que ferem a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Constituição totalizando R$ 40, 2 bilhões e comprovação das perdas da Petrobras com corrupção acrescentam sustentação ao processo de impedimento da presidente da República consolidando a tese da população e das oposições. Tudo leva a crer que esse processo identificado na auditoria foi utilizado pelo Vaccari como caixa de campanha”, pontuou.

Para Ronaldo Caiado, o resultado do balanço da petroleira brasileira revolta a população que precisa arcar com os prejuízos da corrupção. “Números estratosféricos que revoltam a sociedade brasileira. O cidadão não tem dinheiro para quitar os compromissos, seus carnês, e vê que seu dinheiro foi usado nesse processo de financiamento de campanha de corrupção, de desvios para caixa 2”, acrescentou. “É tão grave a situação que uma empresa como a Petrobras que buscava que dinheiro em qualquer lugar, conseguiu empréstimo sem apresentar balanço, fato inédito. Conseguiu empréstimo no banco estatal chinês, no BNDES e Banco do Brasil. Foram R$ 9,2 bilhões agora. Isso mostra que a empresa está pagando taxas altíssimas, não tem mais credibilidade, acesso a dinheiro barato, e alta taxa de risco”, finalizou.

Caiado: Prisão de Vaccari abre caminho para PT perder registro de partido político

16243972837_c775168ec5_zO líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), comentou a prisão do tesoureiro do PT, João Vaccari, acusado de articular o desvio de recursos públicos para abastecer o caixa 2 do partido. Sua prisão, na manhã desta quarta-feira (15/04), é a segunda de um tesoureiro do PT em menos de cinco anos.

“O PT não tem credencias de partido político, e sim de lavanderia. O partido é reincidente ao ter o tesoureiro Vaccari, sucessor de Delúbio Soares, flagrado e preso por arrecadar dinheiro desviado de empresas públicas para alimentar suas campanhas e encher os bolsos de seus dirigentes”, comentou o democrata.

Para Caiado, a reincidência de irregularidades no alto escalão do legenda já é o suficiente para colocar em suspeição a legitimidade do grupo partidário e da reeleição da presidente Dilma.

“Diante desse cenário, tudo caminha para que o PT perca o registro de partido político. E, comprovado que a presidente Dilma foi beneficiada por esse esquema em suas campanhas, será mais que suficiente para ela perder o mandato por corrupção”, afirmou.

Delação
Para Ronaldo Caiado, a única oportunidade de João Vaccari se livrar de uma punição máxima entre os envolvidos na Operação Lava Jato seria em um acordo de delação premiada, onde ele poderia ajudar a Polícia Federal a chegar aos verdadeiros chefes e mentores do Petrolão.

“Vaccari tem a chance de falar a verdade e não arcar sozinho com as consequências. Pode denunciar os verdadeiros chefes desse esquema”, sugeriu.

1 2 3