congressoneurologia

Caiado fala em congresso sobre a preocupação com a qualidade do ensino da Medicina

O senador Ronaldo Caiado (Democratas) falou nesta quinta-feira (17/08) a médicos que participaram do 8º Congresso Goiano de Neurologia, em Goiânia, sobre a preocupação com a qualificação dos estudantes de Medicina no País. Segundo ele, o Brasil assiste as consequências do projeto populista liderado pelo PT e que colocou os investimentos no ensino superior em segundo plano.

“O que estamos assistindo ainda são as consequências de um triste projeto populista, irresponsável, que hoje joga a culpa pelos seus erros nos profissionais de saúde”, lamentou.

Médico com mais de 40 anos de atuação, Ronaldo Caiado lembrou que há 14 anos o Brasil tinha apenas 146 faculdades de Medicina. Hoje são 323, sendo que a maioria é particular. A maioria delas não tem estrutura necessária, como um corpo docente composto por doutores e mestres. Além disso, para conseguir pagar a mensalidade que gira em torno de R$ 7 mil, os estudantes muitas vezes recorrem ao Fies.

“O estudante fica então com uma dívida de mais de R$ 1 milhão ao terminar a faculdade – ou seja, vai ter de realizar mais de 120 mil consultas para pagar esta dívida. É preciso conscientizar a população deste quadro que, no futuro, pode gerar consequências muito ruins ao Brasil”, disse.

Na abertura do Congresso o parlamentar também falou sobre a necessidade de regulamentação da profissão e a luta para aprovar o PEC 454/09, considerada por grande parte das entidades médicas como a verdadeira motivadora de uma descentralização dos profissionais, bem como da melhoria da saúde pública no interior do País. “É uma garantia de que o médico não será usado como cabo eleitoral no interior”, disse.

Ronaldo Caiado - 15-08 CRÉDITO Leandro Vieira DIVULGAÇÃO3

Durante Missa do Muquém, peemedebistas destacam união com Caiado

Em clima de festa com os romeiros e de confraternização com lideranças do PMDB, o senador Ronaldo Caiado (Democratas) participou mais um ano da missa solene da Romaria de Muquém, que completa 269 anos de devoção. Em sintonia com a homilia do bispo diocesano Dom Messias, Ronaldo Caiado falou sobre a necessidade de devolver à população de Goiás a esperança de dias melhores.

“Pude pedir a Deus e Nossa Senhora d’Abadia orientação neste momento grave da política de Goiás. A sociedade está totalmente desencantada com a classe política e cabe a nós darmos uma mensagem de esperança, seriedade, ética, dignidade, espírito público e dizer que a política tem solução desde que praticada pelos homens que não queiram fazer dela um balcão de negócios. O bispo diocesano Dom Messias fez um discurso oportuno em que fez um apelo aos políticos para que se voltem realmente à população. É o que tem faltado no Estado, infelizmente”, lamentou.

A missa, que recebe grande parte das autoridades de Goiás, acabou sendo também uma oportunidade para a oposição se reunir e dar o tom de unidade que tem sido defendido como a via mais importante para viabilizar o projeto de mudança para Goiás.

O deputado estadual Bruno Peixoto (PMDB) comemorou o encontro. “Estamos aqui em Muquém em louvor a Deus e Nossa Senhora d’Abadia. Mas evidentemente aproveitamos esse momento para nos confraternizarmos. Viemos o PMDB e o Democratas em um ato de união em prol de servir a população. E mostrarmos que o PMDB e o Democratas estarão unidos para as eleições de 2018″, frisou.

Para o deputado estadual José Nelto (PMDB) é preciso maturidade para entender que a ausência de união só beneficiaria o campo adversário. “Não podemos cometer o erro de achar que eleição é fácil. A oposição dividida beneficia o governo. E o governo está desgastado, desmoralizado, não cumpre seus compromissos. Tem 20 anos que o governador promete terminar a vida dos romeiros, mas até agora só receberam 20 anos de poeira e sofrimento”, criticou.

Prefeito de Quirinópolis, Gilmar Alves (PMDB) disse que foi positivo estar ao lado daqueles que estão empenhados no trabalho da oposição. “Estamos unidos e ano que vem iremos apresentar nosso projeto para Goiás”, garantiu. O deputado federal Pedro Chaves (PMDB) se disse feliz com a festa. “Fiz questão de participar mais uma vez, ainda mais com essa união, essa nossa participação na Santa Missa”, afirmou.

O deputado federal Daniel Vilela (PMDB), por sua vez, falou sobre a tradição da romaria. “É uma solenidade que já faz parte da tradição religiosa do nosso Estado. Não se trata só de oposição ou situação, mas de um momento de reflexão com a participação da classe política goiana”, disse.

De Pirenópolis, o prefeito do Democratas João do Léo falou da importância de estar ao lado do senador neste momento. “Onde o senador estiver estarei junto. É uma parceria por um Estado melhor”, assinalou.

Apoio

Muito assediado pelos fiéis ao entrar na igreja alguns minutos antes da missa, o senador tirou fotos e ouviu palavras de apoio ao seu trabalho em prol de um futuro mais digno para Goiás.

A técnica de enfermagem Maria Aparecida Figueiredo, de Abadiânia, foi uma das romeiras que fez questão de abraçar o senador. “Ronaldo Caiado é um exemplo para nós em Brasília. É um homem de caráter, que todo ano eu vejo em Muquém. É religioso e traz uma segurança e importância para os romeiros. É um prazer enorme encontrá-lo”, garantiu.

A aposentada Miriam Vieira, de Niquelândia, reforçou os elogios ao senador. “Todos os anos estou aqui como romeira. É uma satisfação encontrar o senador e estou fazendo votos para que se candidate a governador. Se eleito será um grande nome a governar os destinos desse Estado maravilhoso”, torceu.

Emendas

O senador chegou na segunda-feira a Muquém e teve oportunidade de conversar com lideranças de municípios vizinhos, o clero diocesano e os romeiros. Ele se comprometeu a enviar emenda para ajudar na infraestrutura local.

“A Romaria do Muquém é uma das maiores romarias do nosso estado, uma tradição secular que hoje completa 269 anos. Como devoto, venho agradecer e pedir orientação na vida familiar e política. Mas como senador estou conversando para ajudar o evento. Me comprometi, já que a prefeitura de Niquelândia está sem as certidões necessárias, a repassar uma emenda minha individual no valor de R$ 300 mil ao Ministério do Turismo para que seja repassada para o evento diretamente”, anunciou Caiado, que também vai buscar junto ao governo federal coletar as certidões necessárias para criar uma instituição específica do Santuário do Muquém para facilitar o repasse de emendas diretamente, sem que passe pela prefeitura.

O anúncio foi feito após reunião com padres e com o pároco e reitor Aldemir Franzin, responsável pelo Santuário Diocesano Nossa Senhora D’abadia de Muquém. “Caiado, como devoto de Nossa Senhora de Abadia, veio pedir as bênçãos para seu trabalho na missão dele como senador. Também conversamos sobre a realidade do Brasil e sobre a possibilidade de buscar recursos para investir na infraestrutura do santuário”, explicou o reitor.

Ronaldo Caiado - Divulgação 14-08

No Muquém, Caiado se compromete a destinar R$ 300 mil em emenda e buscar certidões para que Santuário receba mais recursos

Preservando uma tradição de família que atravessa gerações, o senador Ronaldo Caiado (Democratas) iniciou um giro pelo estado de Goiás participando, nesta segunda e terça-feira (14 e 15/08), de mais um ano da famosa Romaria do Muquém, realizada no distrito de Niquelândia há 269 anos.

Para o parlamentar – que faz questão de destinar emendas para a melhoria da infraestrutura local -, a festa é uma oportunidade de fazer os agradecimentos à Nossa Senhora d´Abadia e pedir que interceda neste momento de grandes desafios da vida nacional. Ele também esteve reunido com os responsáveis pelo santuário na expectativa de criar uma instituição específica para receber recursos de forma direta.

“A Romaria do Muquém é uma das maiores romarias do nosso estado, uma tradição secular que hoje completa 269 anos. Como devoto, venho agradecer e pedir orientação na vida familiar e política. Mas como senador estou conversando para ajudar o evento. Me comprometi, já que a prefeitura de Niquelândia está sem as certidões necessárias, a repassar uma emenda minha individual no valor de R$ 300 mil ao Ministério do Turismo para que seja repassada para o evento diretamente”, anunciou Caiado, que também vai buscar junto ao governo federal coletar as certidões necessárias para criar uma instituição específica do Santuário do Muquém para facilitar o repasse de emendas diretamente, sem que passe pela prefeitura.

O anúncio foi feito após reunião com padres e com o pároco e reitor Aldemir Franzin, responsável pelo Santuário Diocesano Nossa Senhora D’abadia de Muquém. “Caiado, como devoto de Nossa Senhora de Abadia, veio pedir as bênçãos para seu trabalho na missão dele como senador. Também conversamos sobre a realidade do Brasil e sobre a possibilidade de buscar recursos para investir na infraestrutura do santuário”, explicou o reitor.

Também estiveram presentes nesta segunda os ex-prefeitos Tião Eloi (Campinorte) e Dorcas Vidigal (Rialma) e o ex-candidato a prefeito de Uruaçu, Machadinho, além do presidente da Faeg, José Mário Schreiner e de comitivas de Amaralina, Campinorte, Uruaçu, Porangatu, Rialma, Padre Bernardo, Barro Alto, Goianésia, Jaraguá e Niquelândia.

FotoLeandroVieira

Ao lado de Iris, Caiado prestigia aniversário de 64 anos do bispo Oídes

O presidente regional do Democratas, Ronaldo Caiado (Democratas), acompanhou ao lado do prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB), a comemoração do aniversário de 64 anos do bispo Oídes José do Carmo, presidente da Convenção das Assembleias de Deus do Estado de Goiás. A cerimônia foi realizada na segunda-feira (07/08) na Assembleia de Deus Campo de Campinas, em Goiânia.

O parlamentar encontrou-se no evento com o prefeito e sua esposa, a ex-deputada federal Íris de Araújo, e acompanhou a cerimônia ao lado deles e do prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha (PMDB). O deputado federal Daniel Vilela (PMDB) e o suplente do senador, Luiz Carlos do Carmo (PMDB), também estiveram próximos ao democrata.

No culto de homenagem Ronaldo Caiado fez questão de destacar o papel desempenhado pelo pastor ao levar esperança aos fiéis nesse momento de dificuldades do Brasil. “O bispo Oídes é uma referência para o País neste momento em que o País passa por uma situação tão delicada, de crise ética e de transparência. É um homem que tem formado cidadãos ao mesmo tempo em que difunde a palavra de Deus e leva esperança à população. Tive a oportunidade de estar em Brasília no momento em que foi reconhecido como bispo e posso dizer que ele engrandeceu Goiás”, elogiou.

Para o senador, é gratificante para um homem poder receber tantas homenagens no dia do seu aniversário. “Muitas pessoas vieram aqui espontaneamente homenageá-lo. Muitas autoridades também. Nós vemos o carinho estampado no rosto das pessoas, a alegria de poder comemorar mais um aniversário com você. Precisamos de mais homens assim, com espírito público e que melhore a vida das pessoas”, afirmou.

Em uma breve saudação, o bispo Oídes José do Carmo destacou a atuação do senador em Brasília e desejou bênçãos ao senador. A cerimônia também foi prestigiada pelo empresário Vanderlan Cardoso (PSB) e os deputados estaduais Wagner Siqueira (PMDB) e Paulo Cézar Martins (PMDB).

a042701e-b688-4fbe-90fe-ffc7e22bc692

Em tom de união, Caiado e Oposição começam a percorrer Goiás de olho em 2018

A cidade de Formosa, que comemora 174 anos de emancipação política esta semana, foi cenário hoje (03/08) de um grande encontro de lideranças da oposição que buscam novos rumos para o futuro de Goiás. Ao lado do presidente regional do Democratas, Ronaldo Caiado, e do prefeito Ernesto Roller (PMDB), todas estavam com discurso afinado sobre a importância de reunir forças nos municípios para levar o projeto da oposição aos goianos e revelar as ilusões vendidas pelo atual governo para tentar se perpetuar no poder.

Um dos grandes incentivadores do projeto, Ernesto Roller ficou alegre com o prestígio de Formosa junto à classe política e afirmou que o momento era de festa. “Recebemos aqui lideranças importantes de 36 cidades do Estado. É desejo dos goianos que tenhamos um novo rumo, como o que está sendo traçado em Formosa. Aqui não temos promessas, mas sim realizações. Tivemos hoje uma demonstração de força política, de união, ao lado desse senador que nos dá tanto orgulho e tantos benefícios trouxe a Formosa”, assegurou.

O senador garantiu que as tentativas do governo estadual de incitar a divisão não estão prosperando e que a oposição chegará unida às convenções do próximo ano. “Conseguimos hoje aglutinar forças importantes. A oposição não vai se dividir. Podem ter certeza de que o grupo é forte e ninguém estará acima da decisão de colegiado”, garantiu.

Ao discursar para centenas de pessoas que acompanharam a inauguração de obras de recapeamento e a entrega de ônibus e ambulâncias, Ronaldo Caiado lembrou que a função do governo nos últimos 20 anos se restringiu a espoliar Goiás.

“Este governo espoliou o patrimônio de Goiás, dilapidou, desconstruiu tudo o que foi construído. Como o caso da Celg, que era uma referência no Centro-Oeste. Agora usam o dinheiro dela para iludir as pessoas e repetir o velho roteiro para tentar vencer as eleições”, lembrou.
O democrata disse que este encontro inicia a maratona da oposição por Goiás. “Vamos nos preparar e chegarmos no ano que vem nas melhores condições. Não acredito em candidatura individual, mas de grupo. Não vamos marchar sem estarmos com todas essas lideranças que estão aqui hoje. O grupo é um só e está muito bem articulado”, sublinhou.

Uso indevido de dinheiro público
Representando Catalão, o prefeito Adib Elias (PMDB) criticou a tentativa desesperada do governo de usar o programa Goiás na Frente para tentar emplacar o seu pré-candidato ao governo. Para ele, a base não tem uma figura forte com o perfil esperado pelos goianos.
“O governador está usando esse programa para tentar projetar o vice que pode até ter suas qualidades como homem, mas como político é um picolé de chuchu”, disse.

Para Adib, o momento é favorável à oposição, mas requer responsabilidade. “Temos de ter a humildade de escolher aquele que vai ganhar. Que seja aquele nome que a população realmente deseja e tenha chances de vencer e tirar do governo aqueles que nada empreenderam por Goiás. Não tenho dúvida de que esse governo chegou ao final. E se não nos unirmos e perdemos vamos levar mais sofrimento à população”, afirmou.
Irmão do PMDB
Ao afirmar que Ronaldo Caiado é como um irmão do PMDB, o deputado José Nelto (PMDB) garantiu que a oposição terá essa responsabilidade para fazer as suas escolhas. “Temos dois pré-candidatos fortes, entre eles Ronaldo Caiado que é um irmão do PMDB. A oposição estará unida para acabar com esse governo de mentiras e colocar um nome honesto e do povo”, disse.

O prefeito de Rio Verde, Paulo do Vale (PMDB), chamou a população a refletir sobre a necessidade de mudança no Estado. “Ano que vem teremos eleições. É hora de refletir e pensar o que queremos para Goiás. Queremos continuísmo e Estado de fantasia? Ou queremos escolher pessoas com histórico de trabalhos realizados e em quem confiamos que fará bom uso do dinheiro público?”, questionou, agradecendo o democrata o trabalho que tem realizado junto à oposição.

Para o deputado Paulo Cézar Martins (PMDB), o que se percebe é o fortalecimento do projeto de mudança para Goiás. “Não estamos divididos. Estamos fortalecidos. Temos duas pré-candidaturas muito fortes, uma vai dar certo e vamos apoiar”, assegurou.
Ao final do evento o prefeito de Goianésia, Renato de Castro (PMDB) comentou o discurso de união de Ronaldo Caiado. “Acho que é da forma como o senador falou. Unidos temos as condições para ganharmos em 2018″, avaliou.

Adversário é PSDB
Presente no evento, o ex-prefeito de Guapó, Luiz Juvêncio de Oliveira (PMDB) deixou claro que o posicionamento dos partidos deve ser um só nesta hora. “Esse evento hoje é o pontapé, uma maneira de unir as oposições. Sou da executiva do PMDB e digo que o único adversário que temos é o PSDB”, disse, emendando elogios ao senador.

Os vereadores de Goiânia Paulo Daher (Democratas) e Paulinho Graus (PDT) também acompanharam o senador hoje em Formosa. Com eles estiveram ainda ex-prefeitos, presidentes do PMDB e do Democratas de Formosa e de outros 36 municípios.

36 cidades participantes

Palmelo
Santa Cruz
Ipameri
Goiânia
Catalão
Ouvidor
Campo Alegre
Goiandira
São João d’ Aliança
Posse
Guapó
Corumbaíba
Caldas Novas
Nazário
Água Fria
Alvorada do Norte
Simolândia
Jataí
Santo Antonio do Descoberto
Campos Belos
Sítio d’ Abadia
Cidade Ocidental
Novo Gama
Bela Vista
Anicuns
Ouvidor
Porangatu
Uruaçu
Anápolis
Rio Verde
Goianésia
Planaltina
Valparaíso
Alto Paraíso
Damianópolis
Águas Lindas

WhatsApp Image 2017-08-01 at 11.51.09

Caiado elogia MP que dá transparência ao BNDES, mas cobra postura semelhante em gastos do governo

O líder do Democratas, Ronaldo Caiado, manifestou apoio à Medida Provisória que deve dar mais transparência aos empréstimos efetuados pelo BNDES. No entanto, o senador cobrou postura semelhante nos gastos do governo.

Em reunião no Ministério da Fazenda com ministros, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e parlamentares, nesta terça-feira (01/08), Caiado afirmou que a MP 777/17 traz avanços na fiscalização dos gastos do BNDES em comparação à prática comum do Governo PT de dispensar enormes recursos às chamadas “empresas campeãs” a juro subsidiado.

“Precisamos acabar com essa ocultação do valor dispensado na equalização da taxa de juros, uma prática do Governo PT que financiou empresas ditas ‘campeãs nacionais’ e que muito lesou o país. O governo acerta ao querer dar mais transparência. No entanto pontuei que essa mesma prática não acontece na estrutura do Estado”, afirmou.

Caiado criticou o aumento do PIS/Cofins sobre combustíveis via decreto e a falta de diálogo do governo com a população. “O que coloquei ao presidente do Banco Central é que não estamos vendo esses gastos do próprio governo terem transparência. Aumentaram impostos sobre combustíveis sem nenhuma satisfação à sociedade e somente para sustentar essa pesada máquina pública. Ou seja, não cortam na carne e querem que a sociedade arque com os custos”, resumiu.

mutirão (2)

“Iris está recuperando Goiânia”, elogia Caiado

O senador Ronaldo Caiado (DEM) abriu neste sábado (29), ao lado do prefeito Iris Rezende (PMDB), o mutirão realizado pela Prefeitura de Goiânia na Praça da Juventude, no Jardim das Aroeiras, região leste da capital. Para o líder do Democratas no Senado, o trabalho desenvolvido pelo peemedebista está recuperando a capital.

“Esse é o verdadeiro exercício do poder. Com toda a trajetória de vida que Iris tem, ele tem toda a humildade de estar aqui junto ao povo durante o final de semana para que ele consiga recuperar Goiânia”, afirmou o senador, que hasteou a bandeira de Goiás na solenidade de abertura do mutirão.

Acompanhado da filha Anna Vitória, que é procuradora-geral do município, o senador visitou todos os estandes de órgãos da prefeitura. Ao lado de Iris Rezende, Caiado atendeu também a pedidos de fotos com os moradores e fez elogios à liderança do peemedebista.

“É o único líder que, ao mesmo tempo em que traz os benefícios para a região, tem credibilidade moral para pedir que as pessoas da região mantenham essas melhorias e auxiliem para que o bairro se torne uma referência em Goiânia”, afirmou.

Contente com a presença do senador Ronaldo Caiado, o prefeito de Goiânia afirmou que a participação do democrata é a prova da importância da frente de serviços.

“Quero agradecer publicamente o senador Ronaldo Caiado, que veio aqui nos prestigiar na abertura de mais esse Mutirão, e dizer que a sua presença muito nos honra e engrandece sobremaneira essa frente de serviços que busca, antes de mais nada, levar à população a solução de suas demandas”, enfatizou.

folha

Temer tornou-se refém da sua base, diz Caiado em artigo

Em artigo publicado pela Folha de S. Paulo neste sábado (29/07) o senador Ronaldo Caiado (Democratas) afirmou que o presidente Michel Temer (PMDB) perdeu a chance de atender aos anseios da população e mudar as práticas do governo herdadas do PT e agora carece de autoridade moral para exigir sacrifícios à população.

“O Brasil pedia uma mudança radical nos padrões morais e administrativos. Tirar Dilma Rousseff sem remover todo o aparato predatório que a cercava – 39 ministérios, mais de 100 mil cargos comissionados, além de toda a prática fisiológica da Era PT – foi trocar seis por meia dúzia. A população não caiu no engodo”, disse.

Segundo o parlamentar, a baixa popularidade de Temer é uma prova de que a população está atenta ao que ocorre. “O presidente não percebeu que, para impor sacrifícios ao povo, carece de uma autoridade moral. Ao optar pela maioria congressual, tornou-se refém de sua base. Não cumpriu o compromisso de enxugar a Esplanada dos Ministérios, reduzindo-a a 15 pastas, ocupadas por gente qualificada moral e tecnicamente. Manteve a máquina inchada e aparelhada.”, resumiu.

Leia o artigo na íntegra.
——————-

Temer virou um prisioneiro palaciano, sem condições de andar pelas ruas

Em política, como em tudo o mais, as oportunidades não se repetem. O presidente Michel Temer, lamentavelmente, perdeu a sua.

Quando assumiu, antes mesmo de consumado o impeachment, não soube captar a expectativa de mudança que moveu a sociedade e levou multidões inéditas às ruas de todo o país.

O Brasil pedia uma mudança radical nos padrões morais e administrativos.

Tirar Dilma Rousseff sem remover todo o aparato predatório que a cercava —39 ministérios, mais de 100 mil cargos comissionados, além de toda a prática fisiológica da Era PT— foi trocar seis por meia dúzia.

A população não caiu no engodo.

E eis que, um ano depois, e não por acaso, o presidente Temer exibe a mesma impopularidade que sua antecessora: rejeição de 95% da população. E os motivos são os mesmos: corrupção, má gestão do Orçamento, insensibilidade à agenda da sociedade.

É impossível governar o país cedendo às corporações e ao apetite voraz de uma base parlamentar de 26 partidos. Não há como atendê-los e, simultaneamente, atender às verdadeiras prioridades do país.

Foi, porém, o que o presidente fez desde o início, quando cedeu à pressão corporativa, dando aumento à cúpula dos três Poderes, que, além de desfrutar de estabilidade, aufere os maiores salários do Estado. Enquanto isso, o contingente de desempregados passou de 12 milhões para 14 milhões em um ano.

E o enredo se repete: falta dinheiro até para o combustível dos veículos da Polícia Rodoviária, mas o presidente, cuja prioridade é manter-se no cargo, libera, em menos de um mês, nada menos que R$ 3,8 bilhões em emendas parlamentares.

Precisa afagar sua base para rejeitar a denúncia de corrupção passiva da Procuradoria-Geral da República.

Até nisso, lembra os dias finais de Dilma, quando Lula fez-se operador da presidente, distribuindo verbas e cargos, na tentativa de impedir o impeachment. Se Temer tivesse assumido a agenda da sociedade, teria a legitimidade que só ela é capaz de proporcionar. Optou, porém, por outra maioria: a congressual.

E selou o seu destino. Sem dinheiro em caixa para as concessões que continua fazendo, compromete o único segmento que ainda exibia resultados razoáveis: a economia. Já não exibe, e isso o leva a ações nefastas, como as mais recentes.

Em uma, pressionou o STF a que restabelecesse as contribuições do Funrural, punindo o agronegócio, setor sustentáculo da economia; em outra, aumentou impostos.

Não conseguindo cumprir a meta orçamentária de 2017 —um deficit de R$ 139 bilhões—, aumentou o PIS e o Cofins dos combustíveis, desprezando o prazo legal de 90 dias para que entrasse em vigor.

Mais uma vez, o povo paga a conta, sem a garantia de que ela será efetivamente paga, já que o governo não descarta novos aumentos de impostos.

O presidente não percebeu que, para impor sacrifícios ao povo, carece de autoridade moral. Ao optar pela maioria congressual, tornou-se refém de sua base. Não cumpriu o compromisso de enxugar a Esplanada dos Ministérios, reduzindo-a a 15 pastas, ocupadas por gente qualificada moral e tecnicamente. Manteve a máquina inchada e aparelhada.

A excelência que buscou na área econômica comprometeu-a com a desqualificação de seu entorno político, em grande parte investigada na Lava Jato.

O resultado aí está: denunciado pela PGR por corrupção passiva e associado a figuras execráveis como os irmãos Batista, tornou-se um prisioneiro palaciano, sem condições de andar pelas ruas do país.

A resposta virá pelas urnas, se o povo tiver paciência de aguardá-las. Infelizmente, 2018 está muito longe

Catalao-FotoLeandro

Adib destaca trabalho de Caiado e prega união da oposição

O prefeito de Catalão, Adib Elias (PMDB), recepcionou o senador Ronaldo Caiado (Democratas) nesta sexta-feira (28/07) durante a Exposição Agropecuária da cidade e reforçou a tese que a oposição precisa permanecer unida para 2018. Além do democrata, o deputado federal Daniel Vilela (PMDB) e o deputado estadual José Nelto (PMDB) também estiveram na cidade e se encontraram com o senador na sede da Prefeitura.

“Tenho dito sempre: ou a oposição se une ou não terá condições de vencer em 2018. A oposição precisa ficar unida e lá na frente vamos escolher o melhor candidato, independente de partido. Uma coisa tenho certeza: o ciclo do PSDB está se fechando”, garantiu ao comentar o assunto com jornalistas que o acompanharam na pecuária.

O senador chegou a Catalão no início da noite acompanhado do presidente da Faeg, José Mário Schreiner, e foi direto para a Prefeitura se encontrar com o prefeito e os deputados. Em entrevista coletiva, Ronaldo Caiado falou da alegria de estar novamente na cidade e do encaminhamento das conversas sobre as eleições do ano que vem.

“É uma alegria enorme retornar a Catalão em um dia festivo como o de hoje, em que participamos da 39ª Exposição Agropecuária da cidade. Estive ao lado deste gestor competente que é o prefeito Adib Elias e de meus colegas da oposição, o deputado federal Daniel Vilela e o deputado estadual José Nelto. É exatamente esta a unidade que temos a mostrar. Estamos juntos em um projeto para Goiás que é maior que qualquer anseio pessoal. Temos convicção que nenhum nome está acima de uma grande composição de partidos como a que conseguimos reunir”, disse.

Durante a visita à pecuária, Ronaldo Caiado esteve na companhia do prefeito, de José Nelto, Mário Schreiner, do ex-deputado Samuel Belchior (PMDB) e do presidente do Democratas de Catalão, Luiz Gustavo Sampaio. Em discurso no local o senador garantiu a solidez da aliança com o PMDB e assegurou que ela tem sido respaldada por grandes líderes, como Adib Elias. “Catalão não mudou nesses meses com a chegada de Adib? Tenho a certeza que em Goiás não será diferente. Podem ter a certeza que o nome escolhido pela oposição vai governar também com uma equipe competente”, assinalou.

O prefeito também fez elogios ao senador, com quem tem uma relação profunda de amizade que já dura três décadas. “Temos uma ligação de mais de 30 anos, quando fazíamos especialização no Hospital Miguel Couto e liderávamos os debates dos residentes sem nunca imaginar que um dia estivéssemos aqui juntos. Fico feliz de recebê-lo aqui hoje”, disse.

O deputado estadual José Nelto, por sua vez, destacou o trabalho de Ronaldo Caiado no Congresso. “O senador tem feito um trabalho maravilhoso por Goiás no Senado e contribuído no cenário nacional com as mudanças que o País precisa”, disse. Na mesma linha José Mário agradeceu a companhia de Ronaldo Caiado no evento. “É um ícone não só do agronegócio mas também do cenário nacional. Fico feliz de estar ao lado do senhor hoje”, disse.

WhatsApp Image 2017-07-28 at 13.44.20

Em congresso, Caiado defende integração entre especialidades no combate a diabetes

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), defendeu uma maior integração entre diferentes áreas da saúde na prevenção e tratamento do diabetes na saúde pública do Brasil.

Em palestra que abriu o 22º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes, nesta sexta-feira (28/07), em São Paulo, o senador falou sobre seu projeto de lei que estabelece uma política pública de assistência integral pelo SUS.

“O que defendemos é justamente o que este congresso representa: uma maior capacitação de nossos profissionais da saúde para saber prevenir, orientar e tratar o paciente com diabetes. Profissionais de todas as especialidades da medicina, bem como enfermeiros, fisioterapeutas, dentistas e nutricionistas precisam fazer parte de um programa abrangente de controle da doença como política de saúde pública. Esse é o modelo que o Estado precisa buscar para ser mais eficiente no combate a essa enfermidade que foi responsável por complicações que levaram a óbito mais de 247 mil brasileiros somente em um ano”, afirmou.

O PLS 225/17, de autoria do senador, dispõe de uma série de diretrizes que têm como princípio a universalidade de acesso, a integralidade e igualdade de assistência, o direito à informação e a descentralização administrativa.

Estima-se que cerca de 14 milhões de brasileiros sofrem com a doença que custa aos cofres públicos mais de R$ 70 bilhões ao ano, de acordo com o Atlas da Internacional Diabetes Federation (IDF). O Brasil ocupa o quinto lugar no ranking mundial de despesas com diabetes.

“Como médico, sei muito bem o quanto que é fundamental ao paciente com diabetes uma assistência que o ajude a prevenir complicações como cegueira, insuficiência renal crônica, infarto, AVC e amputações de membros. É importante ressaltar que estabelecer uma política estruturada de prevenção custará ao SUS muito menos do que as despesas decorrentes do tratamento das suas complicações”, justificou.

1 2 3 26