385A4003

Caiado apoia caminhoneiros e diz que Senado vai votar propostas para reduzir preço do combustível

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), manifestou hoje (24/5) seu apoio ao movimento dos caminhoneiros e afirmou que crise que tem paralisado o país é resultado de um governo ausente. Nesta quinta-feira, o Senado fará reunião de líderes, às 19h, e amanhã (25/5) o plenário irá votar medidas para combater a crise dos combustíveis.

Hoje completa o quarto dia da greve dos caminhoneiros, situação que tem causado caos na distribuição de alimentos, combustíveis e outros produtos, além de enormes congestinamentos nas entradas das cidades. “Onde está o presidente num momento tão grave como esse?”, questiona.

“A paralisação dos caminhoneiros representa exatamente o sentimento da sociedade brasileira. Eles têm o apoio de todos os seguimentos. Nós estamos vendo uma total ausência do governo. Onde está o presidente num momento tão grave como este? Onde está o ministro de Minas e Energia? Todos escondidos? Sem nenhuma ação direta, sem nenhuma capacidade de comentar, de dialogar, de trazer uma solução. O Brasil que trabalha e que produz cada vez mais penalizado”,
criticou Caiado.

“Vamos nos reunir hoje no Senado e amanhã votar medidas para reduzir impostos sobre os combustíveis e enfrentar essa crise. Não podemos nos omitir nesse momento”, pontuou.

O senador afirmou ainda que a categoria representa toda a população trabalhadora penalizada pela escalada absurda do preço dos combustíveis. “Contem conosco e saibam que todos aqueles que estão lutando pelo seu dia a dia, no ganha pão para poder viver com um mínimo de dignidade terão total apoio da nossa parte. Vocês, caminhoneiros, representam todos nós”, disse.

Caiado24.5

Ronaldo Caiado colhe assinaturas para o seu projeto que reduz o preço do gás de cozinha

Ronaldo Caiado colhe assinaturas para o seu projeto que reduz o preço do gás de cozinha

Texto estipula alíquota máxima de 12% do ICMS para o produto beneficiando principalmente as famílias mais carentes sem condições de arcar com o custo do botijão após escalada de preços

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), começou a colher as 41 assinaturas para apresentar projeto de resolução que estabelece alíquota máxima de 12% de ICMS para o gás de cozinha. O projeto vai frear a escalada de preços do botijão ocorrida principalmente a partir de 2017 e permitir que as distribuidores pratiquem um preço mais baixo, já que os estados adotam alíquotas que variam de 17% a 25%. O senador já assinou um outro projeto de autoria dos Senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Romero Jucá (PMDB-RR) que estabelece um teto de 18% do ICMS nos combustíveis.

Conforme o senador, a medida vai beneficiar especialmente a população mais carente que se viu sem condições de arcar com os preços médios do botijão de gás de cozinha que saltaram de R$ 57,19, em abril de 2017, para R$ 67 em abril de 2018. Caiado reforça que essa alta de preços excluiu 1,2 milhão de famílias do consumo de gás de cozinha ano passado, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua) do IBGE.

“A alta no preço do gás de cozinha em 2017 fez com que 1,2 milhão de domicílios passassem a usar lenha e carvão na preparação dos alimentos, de acordo com dados da PNAD Contínua, divulgada em abril deste ano pelo IBGE. Em 2017, 12,3 milhões de lares procuraram alternativas ao gás. No ano anterior, 2016, esse número foi de 11,1 milhões de residências. Este dado reflete que 17,6% dos 69,8 milhões de domicílios brasileiros não têm acesso ao gás. São dados concretos que mostram como uma política de preços teve impacto direto e imediato sobre as famílias mais pobres”, atestou Caiado.

O parlamentar explicou ainda que resolveu apresentar o projeto já que as ações adotadas pela Petrobras após apurar de 84% no produtor de gás de cozinha não foram suficientes para barrar a subida nos preços. O preço final cobrado do consumidor ainda aumentou 19,6% na média nacional. Até a redução de 5% anunciada pela Petrobras nas refinarias este ano não chegou ao consumidor final.

“O gás de cozinha é item essencial para as famílias brasileiras. Não é possível manter essa política de preços cruel que exclui e leva milhões de brasileiros a uma condição precária”, afirma o senador que lembra que a fixaria de alíquota do ICMS é prerrogativa do Senado, por isso, o projeto não precisa tramitar na Câmara dos Deputados.

“Estamos convictos de que a fixação de uma alíquota máxima de 12% para o GLP vai proporcionar uma redução no valor de venda nas distribuidoras em praticamente todo o país, bem como servirá de estímulo à União, Petrobrás e distribuidoras para que cada qual, dentro da sua envergadura institucional, adote as medidas cabíveis para derrubar o valor de venda do bem até que se restabeleça o acesso do gás às famílias brasileiras que, nos últimos anos, assistiram o produto ficar fora do alcance do seu poder aquisitivo”, acrescentou Caiado na justificativa do projeto.

Saiba Mais

O projeto de resolução fixa alíquota máxima de 12% para o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), nas operações com Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). O projeto deve ter o apoiamento de 41 senadores para que seja apresentado e possa tramitar nas comissões e plenário. Como é prerrogativa do Senado estipular valores para o ICMS, o texto tramitará apenas nessa Casa, sem ser necessário apreciação pela Câmara dos Deputados.

7702271c-ea1a-4434-a378-327a8d8b72e4

Pré-candidatos em Goiás e no DF, Caiado e Frejat se comprometem na ANTT a tirar do papel trem que liga Luziânia ao DF

O senador Ronaldo Caiado se comprometeu hoje a colocar em prática projeto de transporte que liga Luziânia ao Distrito Federal via VLT. Em reunião hoje com o diretor-presidente da ANTT, Mário Rodrigues Júnior, técnicos do órgão, o senador Wilder Morais e o pré-candidato ao governo do DF, Jofran Frejat, o pré-candidato ao governo de Goiás afirmou que é possível e urgente concretizar uma alternativa para mobilidade urbana entre o Entorno e o Distrito Federal. No encontro, estudos técnicos apresentados mostraram que a ferrovia já existe no trajeto pode ser utilizada com pequenos ajustes e garantir um transporte mais rápido, eficiente e digno para milhares de pessoas que vivem na região que cerca Brasília e trabalham na capital federal. Caiado fez questão de mostrar que, pela primeira vez, existe uma sintonia entre Goiás e o DF e a ANTT para que mais um projeto não fique apenas no papel. A solução sairá a partir de um estudo iniciado em 2011, mas que até então, não teve seguimento.

“É quebrar essa tese de que compromisso não é feito. Nós já estamos trabalhando desde agora com muita humildade, mas com muita responsabilidade. Como disse bem meu amigo e parceiro senador Wilder Morais, pré-candidato ao Senador Federal e Jofran Frejat meu colega na Câmara dos Deputados, cirurgião como eu, no momento em que levei a ele esse sentimento de quebrarmos esse desafio que existe, tirar do papel, transformar a promessa em realidade em compromisso, ele disse a mim a ao senador Wilder: estou inteiramente à disposição. Com essa aglutinação de forças e com esse sentimento favorável, nós vamos colocar em andamento com a ANTT, com o governo de Goiás, com o governo do Distrito Federal e vamos dar uma alternativa eficiente, rápida, célere. É tomar a decisão de que essa ferrovia de transporte de carga será transformada em ferrovia para transporte de passageiros com dignidade, com segurança e maior rapidez”, explicou Caiado.

O senador goiano contou qual será o trajeto e como deve funcionar o projeto. “Esse projeto tem uma previsão de iniciar próximo a cidade de Luziânia onde Luziânia até a linha férrea ele fará o transporte de ônibus, a partir dali ele continua passando por Cidade Ocidental, Valparaíso entra no Distrito Federal ele tem uma primeira parada em Santa Maria onde terá todo um acesso pelo BRT e poderá continuar até o Núcleo Bandeirante onde ali ele terá o acesso pelo metrô. Então isso dará celeridade e nós já estaremos levando a ferrovia em locais que já está preparado para poder absorver essa quantidade de passageiros que são levados pelo trem”, relatou.

Ronaldo Caiado destacou é hora de tirar do papel um projeto efetivo de mobilidade urbana para o Entorno. Segundo ele, a população local não suporta promessas que só ficaram na propaganda. “Não podemos ficar a vida inteira desenhando no papel aquilo que nunca saiu de lá. O cidadão já não sente mais esperança, ele está já desencantado e nós vamos resolver esse assunto do transporte do Entorno sul de Brasília e depois vamos estender a todas as outras áreas. Mas, neste momento, aproveitar o que já está feito ampliá-lo e dar maior rapidez, celeridade, qualidade de transporte que merecem e que vivem no Entorno de Brasília vive em no nosso querido estado e Goiás e prestam serviço aqui em Brasília. É compromisso nosso. Primeiro de janeiro pode saber que a ANTT já vai estar com trabalho muito mais avançado e daremos alternativa para o cidadão chegar em Brasília sem ter que gastar três, quatro horas de carro, de ônibus e muitas vezes sendo assaltado e ainda correndo risco de muitos acidentes nesse trajeto”, atestou.

Início

“Teve um projeto que estudava um novo traçado, começou em 2011, em 2017, imagina, seis anos depois, o Tribunal de Contas achou que não tinha informações e cancelou todo esse estudo. Então, você imagina bem, como essas coisas são complicadas. Esse projeto é inteligente porque vai usar o traçado da ferrovia Centro-Atlântico já existente, não vai inventar nada, já está desapropriado, tem que fazer alguns ajustes em lugares que tem uma curva muito ascendente, mas são intervenções baratas, rápidas e que posso usar o que já está pronto. Tenho certeza que esse projeto pode em muito pouco tempo vai dar definitivamente uma solução para o transporte de pessoas aqui do Entorno”, explanou o senador Wilder Morais que é engenheiro.

“Nossa função de médico é cuidar das pessoas e o transporte público é uma das preocupações das pessoas. O Entorno é de Brasília não é de Goiás. Goiás está entrando como nosso parceiro porque essas pessoas estão morando nessa região porque não conseguiram ficar em Brasília. Nós temos que encontrar uma solução. Quando o senador Ronaldo Caiado conversou comigo e propôs um entendimento eu disse: nossa, casou as ideias. É um momento especial. Goiás que já cedeu generosamente um pedaço para Brasília agora é hora de ajudar Goiás”, afirmou Jofran Frejat.

779a6b6b-701a-49be-aa22-79f26ff0238c

“Meu compromisso é tornar prefeitos parceiros do governo e descentralizar recursos”, diz Ronaldo Caiado na Marcha dos Prefeitos

Durante a XXI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, o pré-candidato ao Governo de Goiás, Ronaldo Caiado (Democratas), firmou o compromisso de firmar parceria com os prefeitos e descentralizar os recursos para suprir as carências dos municípios. Caiado criticou a concentração da arrecadação nos cofres do governo estadual e da União, o que inviabiliza o trabalho das prefeituras que são obrigadas a assumir cada vez mais compromissos sem que os repasses acompanhem as demandas.

Ronaldo Caiado mencionou os investimentos na saúde que hoje muitos municípios chegam a arcar com o dobro do piso constitucional porque o estado e o governo federal não cumprem com que determina a lei. O parlamentar também reafirmou a necessidade de se aumentar os repasses do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e afirmou que vai lutar para seja efetivado o acréscimo de um ponto percentual do fundo, fruto de projeto (PEC 29/2017) aprovado, mas que foi vetado pelo governo. Ronaldo Caiado ainda reforçou que é preciso ouvir os prefeitos: “nós precisamos saber quem realmente tem uma postura municipalista”, disse.

FPM
Ronaldo Caiado reafirmou em discurso na Marcha dos Prefeitos que essa luta pelo FPM vem de muito tempo. “É lógico que em relação ao 1% do FPM nós já aprovamos por várias vezes e por várias ela já foi vetada. Mas sabemos o que é hoje um repasse de um FPM. As isenções que são dadas do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) como lembra o presidente (Paulo) Ziulkoski agora na gasolina, a CIDE (imposto sobre combustíveis) também é muleta sobre os prefeitos. A isenção do IPI também, principalmente para linha branca, para automóveis, repassa sobre todos os 5.570 municípios do Brasil. Então, o que nós precisamos mostrar o que é responsabilidade do governo, da União e não repassar sobre o ônus da prefeitura. Nós sabemos o que é o dinheiro da saúde, da educação, em que hoje vocês arcam com muito mais do que os 15%. Tem prefeituras arcando com 20%, 30% da sua receita para atender a área da saúde”, questionou Caiado, mencionando as isenções de tributos já concedidas e que impactaram, principalmente a arrecadação municipal.

No caso do FPM, explicou Caiado, houve a aprovação da PEC 29/2017 que acresce um ponto percentual do repasse da União relativo à arrecadação do Imposto de Renda e do IPI. Esse valor, conforme a projeto, deveria ser repassado no mês de setembro aos municípios, período em que existe uma queda na arrecadação. O texto, contudo, foi vetado pelo governo federal.
“O índice do FPM não é alterado sobrecarregando os prefeitos exatamente na área do transporte, da saúde, da educação e que não tem esse aumento do FPM e tendo que arcar de um dia para noite com milhares de pessoas que ali estão e que chegam numa situação de carência muito grande. São ações como essas que nós precisamos cada vez mais levar adiante simplificar e fazer com que o prefeito tenha condições de governabilidade”, pontuou.

O líder do Democratas no Senado condenou a atitude do governo de Goiás de criar uma conta centralizadora para depositar o dinheiro que deveria ser repassado diretamente para os municípios. “Nós vemos alguns repasses feitos pela União que entram numa tal de uma conta centralizadora no estado e ao invés de ser repassado imediatamente aos municípios ela é usada pelo estado para fazer seus pagamentos e seus investimentos. O dinheiro que é vinculado em cada área tem quer ser rapidamente distribuído ao prefeito, repassado diretamente, sem que haja essa passagem intermediária que dificulta a vida de cada um de vocês”, afirmou.

Interiorização da medicina
Caiado ainda lembrou da sua proposta (PEC 454/2009) para criar a carreira de médico de Estado, medida que irá promover a interiorização da medicina do país. O texto está pronto para ser votado no plenário da Câmara dos Deputados. “Eu, como médico que sou no exercício da medicina há 43 anos, é uma proposta nossa que é exatamente a figura do médico federal. É um concurso federal para os especialistas e a União arcará com ela, com todas as despesas e a carreira de Estado. E, neste momento, a carência em cada município será atendida de acordo com a necessidade do especialista. É interiorizar os especialistas que hoje estão concentrados nas grandes cidades do país chegando a 70% dos especialistas nas capitais e nas maiores cidades do Brasil”, explicou.

Presente na Marcha dos Prefeitos, Marcos Cabral, prefeito da cidade goiana de Santa Terezinha, clama por um governo que escute os municípios e amplie os investimentos em áreas prioritárias, como educação, saúde e infraestrutura.

“Precisamos do governo do estado para a redistribuição da farmácia básica e de remédios para os municípios porque os recursos não são capazes de cobrir as despesas com aquisição de remédio ainda mais que você tem hoje tem o MP (Ministério Público) que faz cobrança de muitas aquisições com remédio que é alto custo que é obrigação lá do estado e quem paga é o município. Sobre a educação, nós temos o transporte escolar hoje que o repasse do estado não é capaz de cobrir nem 30% do valor que nós cobrimos com esse transporte. Também precisamos de patrulha para arrumar as estradas, nós não temos estradas, não temos equipamentos, os municípios não têm recurso para manter essas estradas. Hoje, são as cidades que estão com os grandes encargos e o governo federal e os estados que têm os recursos. Falta para os municípios um governo que ouve de perto os prefeitos, os municípios que são esses gestores que estão ligados direto com a população”, reivindicou o prefeito.

Descentralização
O senador falou também sobre a escalada do preço dos combustíveis e como a redução do ICMS sobre esse item poderia ajudar as prefeituras altamente penalizadas pela escalada de preços.

“Como vocês sabem da luta que teremos em relação aos combustíveis também nessa hora. Um maquinário, a estrutura toda. Eu, que sou um homem que tenho origem no interior do estado, eu sei que sobrecarrega cada um de vocês poder tirar uma safra de mais de 200 milhões de toneladas de grãos nesse país e que é graças a estrutura de vocês dos municípios que nós podemos ser superavitários na nação”, disse.
E concluiu com a importância da descentralização dos recursos para os municípios. “O objetivo é maior no sentido de descentralizarmos de verdade. Agora mesmo, aprovamos um projeto no Senado que foi para a Câmara dos Deputados onde o atendimento médico de um cidadão que tem um plano de saúde feito no hospital público terá direito ao ressarcimento em 75% desse valor que será retornado ao município para que ele possa investir na saúde. São ações diretas, presidente, são ações concretas numa luta que você comandou por muitos anos e sabe da nossa participação e sabe da nossa eficiência nessa área. Nós precisamos saber quem realmente tem uma postura municipalista”, finalizou.

64b15e60-c4e2-4853-afa9-046f20556db4

Incluir novos municípios na RIDE significa dar uma garantia mínima de cidadania a população local, diz Caiado

Senado aprovou projeto relatado por Caiado que inclui municípios na região do Entorno permitindo repasses de recursos federais

O plenário do Senado aprovou hoje (22/5) por 64 votos a 1 o projeto de lei complementar (PLC 102/2015) relatado pelo senador Ronaldo Caiado (Democratas-GO) que inclui municípios da região do Entorno do Distrito Federal. Na visão do líder do Democratas no Senado, a medida significa garantir um mínimo de cidadania aos moradores das cidades em questão que agora poderá receber recursos federais via convênios para áreas como saúde, educação, infraestrutura e transporte. O texto acrescenta 10 municípios de Goiás e dois de Minas Gerais à RIDE (Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno) e como já foi também aprovado pela Câmara dos Deputados segue para sanção presidencial.

“Esses municípios todos que estão sendo incluídos sofrem por essa concorrência que existe dentro da qualidade de vida do Distrito Federal. A proposta tem um objetivo que é diminuir as desigualdades regionais. Não é concentrar sobre Brasília e empobrecer essa outra região. É você poder fazer convênios na área de saúde, na área de educação, de segurança pública, na área social, enfim todas essas ações que possam pelo menos amanhã garantir um mínimo de cidadania a essas pessoas como também a parte do transporte que está insuportável”, argumentou Caiado lembrando que a RIDE a RIDE é prevista na Constituição Federal para que a União possa realizar os convênios mencionados e reduzir as desigualdades regionais.

O parlamentar relatou os graves problemas na área da saúde e transporte, por exemplo, que passam essas cidades sem acesso a investimentos. “A RIDE existe para criar uma interface, principalmente na situação da saúde, educação, transporte e segurança pública. Conhecemos a importância sócioeconômica do Distrito Federal, mas tem sido criada uma região desprovida de atendimento à saúde principalmente porque não tem como essa população ter acesso a uma regionalização da saúde pelo número de pessoas que ocupam a região do Entorno. Essa região já tem o segundo colégio eleitoral do estado de Goiás que tem 800 mil eleitores a que se sentem desassistidos. A situação se torna mais delicada quando imaginamos hoje o que é o transporte para vir a Brasília. Um cidadão em Luziânia gasta três horas de ônibus para ir a Brasília e mais três horas para voltar. São milhares de pessoas, de apenas alguma cidade chega a um milhão de pessoas que se deslocam para Brasília no seu dia a dia. É algo grave e que se deteriora a cada dia”, alerta.

O senador destacou que o projeto é necessário já que o governo do estado de Goiás se mostrou sem condições orçamentárias de dar suporte a essas cidades que têm carência em todas as áreas. ”O estado de Goiás não assumiu essa condição e não teve condição orçamentária de assumir e essa migração existiu porque todas as pessoas que visam amanhã uma melhor perspectiva ou pelo menos uma oportunidade de emprego, o caminho dele é convergir para Brasília. Mas, convergir para Brasília e ter depois que morar no Entorno em condições subumanas como estão morando hoje com as cidades comandadas pelo narcotráfico pela criminalidade, sem acesso a saúde e educação é algo que não tem sentido. Nós tínhamos que ter a sensibilidade de estender a essas e regiões ações administrativas que a União está autorizada a fazer”, acrescentou.

O senador Wilder Morais (Democratas-GO), que também apoiou a aprovação do projeto, reforçou a importância do projeto para as novas cidades da RIDE. “Os municípios do Entorno passam por uma situação muito difícil. São as cidades do “Nem” não são nem do Distrito Federal e nem de Goiás. São 10 cidades de Goiás com 200 mil pessoas que podem ser beneficiadas. Brasília foi criada para integrar o Brasil, mas com o crescimento do Entorno aconteceu o contrário. A gente clama por esse projeto para viabilizar recursos para segurança, saúde, educação”, defendeu Wilder ao encaminhar seu voto favorável pelo projeto.

Saiba mais
O PLC 102/2015 acresce a RIDE os municípios goianos de Alto Paraíso, Alvorada do Norte, Barro Alto, Cavalcante, Flores de Goiás, Goianésia, Niquelândia, São João d’Aliança, Simolândia e Vila Propício e os mineiros de Arinos e Cabeceira Grande. Outras 22 cidades já fazem parte da região do Entorno do DF, criada pela Lei Complementar 94/98.

375c5c86-9524-4d4c-bffc-ebd0705d2fec

Caiado recebe homenagem “personalidade do ano” da Associação Goiana de Nelore

O senador Ronaldo Caiado (Democratas-GO) recebeu na noite dessa segunda-feira (21/5) o prêmio personalidade do ano, concedido pela Associação Goiana de Nelore (AGN). Ao receber a homenagem do presidente da entidade, Eurico Velasco, o líder do Democratas no Senado lembrou da superação de várias dificuldades para que o setor se tornasse o motor da economia e como a classe permanece unida para enfrentar novos desafios em nome do Brasil que trabalha e produz. Caiado fez questão de agradecer o apoio recebido em sua eleição para o Senado Federal e conta com o suporte do setor para promover as mudanças que Goiás e o Brasil precisam.

”Eurico é um amigo pessoal, pessoa que eu tenho uma admiração enorme pela sua trajetória não só do direito, mas como produtor rural. Quero dizer a todos que a luta a cada dia continua mais forte. O setor rural com todas as predominâncias na economia brasileira, mas é lógico que a área econômica toda hora tenta enfiar a mão no bolso do setor, cada hora nos penalizando mais, mas, no entanto, nós temos aqui aquilo que é muito nosso estilo que é de mostrar que nós vamos vencer. Isso sempre foi uma característica muito forte nossa de transmitir esperança, de transmitir confiança. Com todos os problemas, nós já superamos muito”, disse Caiado ao lembrar a participação do setor junto com a classe política no processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, na renegociação de dívidas rurais, na garantia do direito de propriedade e na formação de uma frente parlamentar em defesa do agronegócio.

“Neste momento como senador da República, graças aqui ao apoio que tive independente da tendência política-partidária, quero dizer que tenho um orgulho enorme de poder representá-los naquela Casa. Neste momento, também todos vocês sabem coloco meu nome como pré-candidato ao governo do estado de Goiás para avaliação de todos vocês. Esse é um processo que estará aí e nos próximos quatro meses nós estaremos decidindo o futuro de Goiás, o futuro do Brasil o que nós desejamos para que a gente possa superar os desafios que temos pela frente. E, no meu momento agora, é dizer muito obrigado e se Deus quiser vamos marchar juntos com orgulho de representar Goiás, o produtor rural no Congresso Nacional” concluiu.

3ecbc713-0c4d-4951-9ddb-755630d86e31

Caiado apoia aprovação do SUSP e alerta: é preciso enfrentar os comandos das facções que tomaram conta de Goiás

Ao apoiar a aprovação do projeto que institui o novo Sistema Único de Segurança Pública, o senador Ronaldo Caiado (Democratas-GO) defendeu o combate ao comando das facções criminosas com a nacionalização das informações, trabalho conjunto de Executivo, Judiciário e Ministério Público e investimento no setor de inteligência dos órgãos de segurança. Durante sessão da Comissão de Constituição e Justiça hoje (16/5), Caiado reforçou a grave situação da segurança pública no país ao mencionar a disputa de quadrilhas em Goiás pelo comando do narcotráfico no estado. “O Entorno de Brasília não é diferente da Rocinha ou do morro do Boréu”, disse. O PLC 19/2018 foi aprovado na CCJ e no plenário do Senado e segue agora para sanção presidencial.

“O estado de Goiás hoje é um estado com 11 facções disputando as regiões com maior consumo de drogas. É o caos completo. E o que nós estamos vendo é que aos termos neste projeto do SUSP a condição de poder fazer uma interligação de todas as informações e não ficar apenas incrustada em apenas um segmento da polícia, isso é uma luta antiga nossa. Ou seja, nós termos a nacionalização das informações. Não é algo restrito ao município ou ao estado. Isso vai dar uma outra capacidade para nós podermos enfrentar a causa maior da deterioração dos sistema de segurança pública no país”, argumentou Caiado.

O senador falou da importância de se enfrentar a causa do caos na segurança pública que são os comandos das quadrilhas de narcotraficantes. “Estamos aqui nesse momento com uma sinalização possível de nós começarmos a atuar, mas nós temos que atuar na causa determinante porque nós estamos aqui simplesmente tratando da situação quando ela já está deteriorada e atingindo o segmento mais pobre mais, mais carente da comunidade. A situação da violência no Entorno de Brasília, o comando do narcotráfico porque Brasília tem a maior renda per capita e passa a ter os maiores consumidores da droga neste país. Esta situação hoje é por falta de uma política corajosa do governo federal atuando em cima dos cérebros dos pensantes daqueles que mantêm a estrutura do narcotráfico do país”, relatou ao retratar que o foco da ação contra o narcotráfico está muito mais em transportadores de drogas do que nos cabeças das facções.

O líder do Democratas ainda enfatizou a importância do investimento no setor de inteligência dos órgãos de segurança e a atuação conjunta entre Executivo, Judiciário e Ministério Público para combater as facções.

SUSP
O PLC 19/2017 institui o SUSP e cria a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social (PNSPDS) prevista para durar 10 anos. A principal medida iniciar do sistema é a ação conjunta dos órgãos de segurança e defesa social da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, em articulação com a sociedade.

O projeto inclui a participação de todos os entes federados, inclusive dos municípios; a valorização dos profissionais de segurança; os mecanismos de controle social com a participação popular; e o estímulo à articulação e ao compartilhamento de informações, bem como à integração dos órgãos de segurança e de inteligência.

Creci

Caiado destaca força do Creci e sua importância para Goiás

O senador Ronaldo Caiado (Democratas) foi recebido na tarde desta segunda-feira (30/04) pela diretoria do Conselho Regional de Corretores Imobiliários de Goiás (Creci) junto com o deputado estadual Lívio Luciano (Podemos) para falar sobre as perspectivas do cenário político nacional e estadual e sobre as demandas do setor imobiliário. No encontro, o presidente Hugo Monteiro Guimarães ressaltou o diálogo sempre aberto com o democrata e o interesse de colaborar com um plano de governo, já que Ronaldo Caiado é pré-candidato ao governo de Goiás.

“O senador sempre foi um amigo dos corretores imobiliários. Sempre que precisamos dele quando era deputado federal, e agora como senador, ele nos apoiou muito. É esse apoio irrestrito que esperamos dele caso seja eleito governador. Queremos colaborar com um plano de governo e hoje uma das demandas prioritárias é em relação ao custo das escrituras e as taxas cartorárias, que são as mais altas do País”, adiantou.

Para o deputado Lívio Luciano, é uma alegria que segmentos importantes da sociedade queiram colaborar com o projeto de futuro para Goiás. “Fico feliz que segmento participe do processo político, pois vejo que estão preocupados com o momento que o País atravessa. Todos querem colaborar com a melhoria de vida dos cidadãos e com o bom funcionamento das instituições. É muito importante, especialmente para nós que somos oposição, ouvir os segmentos organizados para que possam contribuir com um plano de governo”, explicou.

Ronaldo Caiado fez questão de destacar a abertura deste diálogo e elogiou o trabalho do Creci em Goiás. “O Creci tem colaborado de forma intensa no crescimento de Goiás e se tornou reconhecido pela qualidade de capacitação de seus corretores, dando tranquilidade a todos os que compram e vendem imóveis. Temos nos empenhado em ouvir todos os setores que podem contribuir conosco em um projeto de mudança para Goiás”, assegurou.

Também participaram da reunião Jackson Jean Silva, diretor financeiro; Juscemar Antônio de Oliveira, diretor secretário; Walter São Felipe, diretor tesoureiro; Jair Reis de Melo, diretor tesoureiro; Fernando de Pádua, assessor jurídico; Cláudio Araújo, coordenador de fiscalização; Pedro Ivo Guerra, coordenador do Creci Jovem.

ProfessoraEdna

“Podemos fazer de Luziânia uma cidade melhor e de Goiás uma grande potência”, diz vice-prefeita de Luziânia

A vice-prefeita de Luziânia, Professora Edna (Pros), defendeu os nomes de Ronaldo Caiado e Wilder Morais como os melhores para fazer a transformação que Goiás precisa, especialmente no Entorno do Distrito Federal. Para ela, apesar da relevância de Luziânia para o Estado, a cidade não recebe a atenção que deveria.

“Luziânia está em uma região muito carente. A visita do futuro governador para ver de perto as necessidades é muito importante para nós, que acreditamos que eles poderão fazer dela uma cidade melhor e de Goiás uma grande potência”, afirmou.

Hoje ela relata que o transporte público é um grande gargalo, bem como a saúde pública. “Temos uma demanda grande na saúde. Precisamos encaminhar pacientes de média e grande complexidade para a capital mesmo estando próximos ao Distrito Federal. Eu, enquanto vice-prefeita, acredito no projeto de Ronaldo Caiado e Wilder Morais para Goiás. Os dois são os melhores nomes que temos”, defendeu.

MarceloMelo

“Esperança nos move a entrar de corpo e alma no projeto de Ronaldo Caiado”, diz Marcelo Melo

O ex-deputado Marcelo Melo (Democratas) afirmou nesta sexta-feira (27/04) ter confiança no papel que Ronaldo Caiado e Wilder Morais poderão desempenhar para que o Entorno do Distrito Federal volte a trilhar o caminho do progresso depois se sofrer com o descaso do atual governo. Para ele, isso o move a se engajar na pré-campanha dos dois.

“O Entorno convive com problemas gravíssimos no transporte, na segurança, na saúde e também geração de empregos. Esperamos que Ronaldo caiado, nosso futuro governador, e Wilder Morais, que se Deus quiser será reeleito, possam fazer um trabalho de reinserção do Entorno no progresso de Goiás. É essa esperança que nos move a entrar de corpo e alma no projeto de Ronaldo Caiado”, afirmou.

Segundo o ex-deputado, hoje o Entorno é tratado como uma região à parte do Estado. “Tudo é direcionado para Anápolis, Goiânia e Aparecida, como se nós não existíssemos. Aqui são feitos remendos, pequenas ações paliativas, mas ninguém procurou resolver o cerne da questão, que é o desemprego”, criticou.

Para ele, a geração de emprego precisa ser acompanhada também por melhorias na saúde, na segurança e no transporte público. “Grande parcela do Entorno ainda depende do transporte público diário para Brasília. Muitos demoram duas horas para chegar ao trabalho e duas horas para voltar. Essa situação tem de ser encarada e próximo governo terá de abraçar de forma tenaz”, afirmou.

1 2 3 88