25872542401_64c39a3842_o v2

Nota Oficial – Acidente deixa Ronaldo Caiado de licença do Senado por 15 dias

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado, ficará de licença médica de suas atividades parlamentares inicialmente durante 15 dias. O senador sofreu uma queda sobre o ombro esquerdo na última sexta-feira (13/10), em sua fazenda no município de Mara Rosa (GO). O acidente ocorreu após uma mula, que estava sendo domada, derrubar o senador. Com apenas quatro dias do acidente, o paciente está impossibilitado de fazer qualquer deslocamento.

Ronaldo Caiado sofreu uma fratura cominutiva (com vários fragmentos) na cabeça do úmero esquerdo com deslocamento posterior do tubérculo maior. Pelo aspecto radiológico e da tomografia, há indicação cirúrgica. Por causa de um grande hematoma formado no local da fratura, o senador, que é ortopedista, e os seus colegas médicos optaram pelo uso de um aparelho específico para imobilizar o ombro e o braço esquerdo . Vão aguardar por uma semana para repetir novamente os exames e optar definitivamente por qual tratamento seguir: o conservador ou o cirúrgico. Neste período o senador se encontra em sua residência em Goiânia, em repouso absoluto, usando analgésicos e anti-inflamatórios.

8a57aeea-dd68-4aa4-a7e1-6978473271fe

Caiado critica proposta de usar emendas de bancada para financiar campanhas

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), anunciou hoje (19/9) que até amanhã será votado em plenário projeto que trata do financiamento de campanhas eleitorais. Ele voltou a defender sua proposição (PLS 206/2017), que extingue a propaganda política e partidária de rádio e televisão e transfere os recursos da renúncia fiscal para as campanhas eleitorais. O parlamentar afirmou que existe outra proposta em debate, – da qual se posicionou contrário, – de autoria do senador Romero Jucá (PMDB-RR), que mantém o tempo de rádio e TV em anos eleitorais e repassa 50% das emendas impositivas de bancada para o financiamento das campanhas eleitorais. O senador goiano afirmou que se o texto de Jucá prevalecer para votação em plenário, Caiado fará um destaque em plenário para apreciar seu projeto que não provoca impacto extra nos cofres públicos nem retira recursos de infraestrutura, saúde ou qualquer outra área já prevista no orçamento.

“O divisor de águas, qual será? A nossa proposta que retira o tempo de rádio e televisão ou a que permanece com o tempo de rádio e televisão e amplia-se o fundo, ao invés de R$ 1,5 bilhão, R$ 3 bilhões . A segunda proposta foi apresentada, inicialmente, pelo senador Romero (Jucá) e foi defendida também por alguns outros senadores que vão compor essa reunião que teremos o objetivo de concluir qual o texto que será votado ou se não os dois sendo votados sem dificuldade”, explicou Caiado.

“Quando você retira 50% das emendas de bancada, emendas impositivas de bancada, você estaria retirando de emendas que seriam repassadas, principalmente, na área de infraestrutura, são destinadas na sua maioria para cidades ou patrulhas mecanizadas ou se não compra de ônibus”, ponderou.

Compare
O projeto do senador Caiado (PLS 206/2017), acaba com a propaganda de rádio e TV e transfere os recursos da renúncia fiscal, em torno de R$ 1,5 bilhão, para as campanhas eleitorais. O texto ainda permite que o eleitor opte para qual cada candidato ou partido o dinheiro deve ser distribuído.

Já a proposta do senador Romero Jucá mantém a propaganda em anos eleitorais – e extingue tempo de rádio e TV destinado aos partidos nos outros anos – e repassa 50% das emendas impositivas de bancada para o financiamento das campanhas. O valor somado da renúncia fiscal da propaganda partidária mais os 50% dos recursos das emendas impositivas de bancada totalizam cerca de R$ 3 bilhões, que seriam destinados ao fundo de campanha.

nion

Nota de pesar pela morte do Professor Nion Albernaz

Uma tristeza enorme tomou conta de nossa família ao sabermos da morte do nosso amigo e querido Professor Nion Albernaz. O homem que criou o verdadeiro conceito de cuidar, de embelezar, de espalhar flores quando prefeito de Goiânia. Cativante, inteligente, ético, honesto, com grandes argumentos e de uma visão do que realmente era a política: atender única e exclusivamente a população. Nion foi, é e sempre será “bom demais, aprovado pelo povo!” Um conselheiro incrível, que eu tinha gosto de ouvir por horas, que eu pude trabalhar ao lado quando indicamos Maria Valadão para ser sua vice em 1996 na disputa pela Prefeitura de Goiânia. Pai de uma família linda, marido de uma mulher que inspira e orgulha a todos os goianos: Dona Geralda. A ela e a todos familiares e amigos, meu abraço de conforto e carinho nesse momento difícil. Descanse em paz, meu professor Nion.

Do amigo Ronaldo Ramos Caiado e família

48e397fa-fcbf-49a5-867e-adaa3b723261

Caiado condena PEC com R$ 3,6 bi para fundo de campanha e defende seu projeto que acaba com horário político e transfere recursos para eleições

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), voltou a defender hoje (23/8) seu projeto (PLS 206/2017) que acaba com a propaganda eleitoral e direciona os recursos do horário político para as campanhas eleitorais. O senador reforçou que é necessário se posicionar e estabelecer regras antes do final de setembro, prazo limite para se ter novas normas nas eleições de 2018. O senador lembra que há uma PEC na Câmara dos Deputados que retira R$ 3,6 bilhões do orçamento para um fundo de campanha e seu projeto é um contraponto a essa emenda constitucional. O parlamentar mostrou que sua proposta não representa gastos extras no orçamento público e democratiza a distribuição dos recursos. O texto entrou na pauta do Senado e deve ser votado na próxima semana.

“Fiz questão hoje de reiterar que não é possível apoiar uma PEC que retira R$ 3,6 bilhões do orçamento para financiar campanha eleitoral. Muitos acham no Congresso que vai legislar e a sociedade não vai se posicionar. Com essa PEC, a reação foi imediata. Ninguém hoje tem coragem de defendê-la. Por outro lado, apresentei um projeto que não retira dinheiro extra do orçamento para as campanhas eleitorais”, disse Caiado.

“O meu projeto, que não traz impacto extra ao orçamento, ganha força e já entrou na pauta no plenário do Senado Federal. A ideia é o seguinte: acaba com o horário eleitoral na TV e rádio e usa esse recurso que ia para propaganda política para as campanhas eleitorais. Também vamos ampliar a participação popular. O cidadão vai poder escolher para quem irá o recurso nas campanhas eleitorais. E as campanhas serão mais enxutas, conforme a capacidade do candidato de se comunicar, de usar as redes sociais. Repito: não vamos tocar no dinheiro do orçamento”, esclareceu.

Saiba mais
O projeto altera as Leis 9096/95 e 9504/97 e proporciona uma economia de mais de R$ 1 bilhão entre eleições com o fim de renúncias tributárias, além do uso de recursos obtidos com multas aplicadas a partidos políticos. Seria uma alternativa a proposta levantada pelo governo e oposição no Congresso que querem a criação de um fundo com recursos públicos e pode chegar a custar R$ 3,5 bilhões. O parlamentar é contrário a esse fundo e reforça que essa proposta pode retirar R$ 400 milhões em emendas impositivas da saúde.

A proposta de Caiado é utilizar o recurso da renúncia fiscal concedidos às rádios e TVs para um fundo em que o eleitor teria direito a uma parcela proporcional para destinar ao partido ou candidato de sua preferência. O restante seria dividido de acordo com regras que asseguram a proporcionalidade partidária.

Conforme dados da Receita Federal, a compensação fiscal em 2014, ano de eleições gerais, atingiu o valor de R$ 1 bilhão. Em 2015, ano sem eleições, foi de R$ 308,9 milhões; e em 2016, com eleições municipais, R$ 562,2 milhões. De acordo com o projeto, o fundo seria formado pelo montante da compensação fiscal no ano da eleição geral imediatamente anterior à promulgação da lei, somada à renúncia da última propaganda partidária gratuita. A cada eleição, esse valor seria corrigido por meio do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Outra forma de financiamento seria por meio da destinação dos recursos captados por “multas e penalidades pecuniárias aplicadas aos partidos políticos nos termos do Código Eleitoral e leis conexas”.

Plataforma do TSE
Como forma de aplicar a utilização do Fundo Eleitoral pelo eleitor, o projeto do senador Ronaldo Caiado propõe que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desenvolva uma plataforma que fique disponível entre os dias 5 a 31 de agosto do ano de eleições para que o eleitor direcione o valor da cota que lhe cabe ao partido ou candidato de sua preferência. O projeto incorpora também critérios de distribuição dos recursos no interior dos partidos, entre os diretórios nacional, regionais e municipais.

 

Confira a íntegra do projeto

35908302605_8f28f4f154_z

Projeto de Caiado determina alerta do Detran para motorista próximo de ter a carteira suspensa

Projeto do líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), vai obrigar o Detran a emitir um alerta a motoristas que completem 16 pontos na carteira de habilitação, quatro a menos que os 20 pontos necessários para ter o documento suspenso. O parlamentar explica que o alerta é importante para que o condutor fique atento e evite novas multas e condutas que podem colocar em risco sua integridade física e a de outros motoristas e passageiros. O aviso pode ser emitido pelo Departamento de Trânsito via correio ou qualquer meio eletrônico disponível.

“O sistema de somatório de pontos na habilitação dos condutores, que implica em suspensão do direito de conduzir sempre que essa contagem atinja 20 pontos, é um remédio amargo, porém necessário para se coibir condutas antissociais ou que possam colocar em risco a vida do condutor e daqueles a sua volta. Isso é inegável, e não pretendemos alterar essa sistemática. Nosso objetivo é outro. Trata-se de obrigar a autoridade de trânsito a emitir um alerta automático a todos os condutores que atinjam a soma de 16 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) nos últimos doze meses. Esse alerta servirá para lembrar aos condutores que estão na iminência de serem punidos com a suspensão do direito de dirige com a suspensão do direito de dirigir, e que, portanto, devem redobrar seus esforços para evitar novas multas”, explica o senador na justificativa do projeto.

A proposta está em análise na Comissão de Constituição e Justiça e, caso seja aprovado e não haja recurso para ano plenário, seguirá para votação na Câmara dos Deputados, já que se trata de um projeto terminativo.

 

b56423cf-3f33-4af8-992e-e740ec173cd2

Caiado recebe Ordem do Mérito da Defesa da Defesa em reconhecimento à sua atuação parlamentar

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), foi homenageado nesta quinta-feira (8/6) com a Ordem do Mérito da Defesa. A condecoração premia personalidades civis e militares que se destacaram no exercício da profissão.

“Hoje, obtive mais um reconhecimento pela minha atuação parlamentar, pelo meu trabalho como senador da República. Profissão da qual me orgulho e tenho a convicção de que há homens corretos e honrados que trabalham pelo país”, disse.

A Ordem do Mérito da Defesa foi criada em 2002 e é entregue pelo Ministério da Defesa. Este ano, 333 personalidades e instituições civis e militares foram homenageadas com a condecoração. A cerimônia realizada em Brasília faz parte das comemorações dos 18 anos de criação do Ministério da Defesa a serem completados dia 10 de junho.

caiado

Júnior Friboi teve que se retratar por mentir sobre o senador Caiado em 2010

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), reforça que calúnias proferidas por sócios do grupo JBS contra a sua pessoa já foram alvo de interpelação judicial e de retratação pública.

Em uma entrevista a um veículo de Goiás, em 2010, o empresário conhecido como Júnior Friboi, irmão de Joesley e Wesley Batista, mentiu ao afirmar que havia doado para uma campanha eleitoral do senador Caiado em 1994.

Após interpelação judicial, Júnior Friboi se retratou publicamente afirmando ter mentido sobre o tema. “Nunca recebi e jamais aceitei ajuda desse grupo em minhas campanhas”, reforça Caiado.

O mais intrigante é que o processo chegou a sumir “misteriosamente”, embora o senador Caiado tenha guardado uma cópia do documento conforme revela o link abaixo.

“Eu tinha cópia e o recuperei para comprovar quem está com a verdade. Veja como essas pessoas atuam. E outro detalhe: ele estava em Nova York na época!”, complementou o senador.

Confira e divulgue a verdade!

Confira aqui os documentos

WhatsApp Image 2017-05-18 at 17.28.05 (1)

“Temer desafiou a crise e deve sofre o impeachment”, diz Caiado

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), afirmou que o Congresso deve avançar com o pedido de impeachment de Michel Temer após o presidente dizer que não vai renunciar ao cargo.

Em coletiva logo após o pronunciamento oficial, nesta quinta-feira (18/05), Caiado lamentou que o mandatário tenha negado “um gesto de grandeza” e que ele fez “a pior das opções” por interesses pessoais.

“Temer, ao insistir em permanecer no cargo mesmo admitindo o quadro já instalado de ingovernabilidade, fez a pior das opções para ele e para o país: desafiou a crise. E o fez, não em nome do interesse público, mas para preservar sua imunidade institucional”, criticou.

Segundo Caiado, o presidente sabe que não terá meios de vencer a crise. “Ele próprio é a crise”, disparou. O democrata defende que o Congresso Nacional assuma a sua prerrogativa de resolver a crise política através do processo de afastamento que deve ser aberto imediatamente.

“O presidente precisa entender que, independentemente de seu destino no campo jurídico, já foi julgado e condenado politicamente. Sua resistência aos fatos incentiva a ação nefasta dos radicais que investem no ‘quanto pior, melhor'”, definiu.

Base
Ronaldo Caiado afirmou que o presidente Michel Temer nunca conseguiu ter uma base de apoio popular e que seu governo era sustentado pelos partidos políticos que agora começar a inviabilizar a continuidade de seu governo.

“Sabemos que Michel Temer nunca teve popularidade, nem muito menos uma militância política de apoio. Sua construção e sua base de sustentação eram os partidos. Diante desses fatos, qual é o partido que vai dar sustentação a esse governo? O julgamento político já foi feito. Não há mais condições de governabilidade e o Brasil não merece insistir nisso”, concluiu.

Ronaldo Caiado 25-04 CRÉDITO Sidney Lins Jr[2]

Caiado recebe de movimentos civis a Medalha Patriótica

O senador Ronaldo Caiado (Democratas-GO) recebeu, nesta terça-feira (25/04), a Medalha Patriótica, uma condecoração criada por movimentos populares para personalidades que se destacaram na defesa do país.

O evento contou com a participação de vários grupos da sociedade civil organizada que destacaram o papel atuante do senador nas manifestações de rua e na Comissão do Impeachment da presidente Dilma Rousseff.

“É com muita honra que recebo esta honraria. Ressaltei a importância desses grupos que representam a sociedade no combate à corrupção. Essa medalha é para ser dividida com todos que de alguma forma se mobilizam em favor do nosso país.

Ao final, o senador ainda pediu para que os grupos continuassem mobilizados em favor da Lava Jato, das reformas estruturais, das eleições de 2018 e, em especial, contra o projeto de abuso de autoridade a ser votado nesta quarta (25/04).

WhatsApp Image 2017-04-25 at 11.55.18 (1)

Caiado defende ensino presencial de enfermagem

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), se colocou contra a ideia de cursos de graduação à distância (EAD) para formação de enfermeiros.

Em sessão na Comissão de Educação do Senado, nesta terça-feira (25/04), foi aprovada uma audiência pública com o objetivo de debater o tema. O senador estendeu sua posição para outros cursos da área de saúde que necessitam de uma formação qualificada e presencial.

“Me coloco 100% contrário à criação de curso à distância para graduações na área da saúde. Estamos tratando de uma área extremamente especializada. Daqui a pouco vamos estar criando uma geração de profissionais na área da saúde que vai ter o primeiro contato com o paciente após a formação. Não podemos deixar a qualidade de nossos profissionais cair ainda mais” argumentou.

Caiado trouxe exemplos da área da medicina onde profissionais não gabaritados estão realizando procedimentos que deveriam ser exclusivos para especialistas. Em especial, ele citou a área da dermatologia.

“Tive a oportunidade de receber colegas da demartologia que trouxeram aqui denúncias do mau uso de medicamentos na área por não-profissionais. São latrogenias praticadas por pessoas que não têm qualificação para a manipulação de medicamentos sem saber a abrangência do que sendo tratado. É comum uma pessoa ter uma mancha no rosto e, se não for a um especialista, não vai sabe se é um melanoma ou apenas uma hiperpigmentação”, comparou.

A audiência vai acontecer no colegiado no mês de maio e deve contar com a participação de representantes do Ministério da Educação e profissionais da área.

1 2 3 10