9f8a3ba0-a553-4542-93ee-634fe82c34f6

Aprovado relatório de Caiado que obriga preso a arcar com custos na cadeia

A Comissão de Constituição e Justiça aprovou por 16 votos a 5 o projeto relatado pelo senador Ronaldo Caiado (Democratas-GO) que determina o ressarcimento pelo preso das despesas com sua manutenção do sistema carcerário. O PLS 580/2015, de autoria o senador Waldemir Moka (PMDB-MS), define que o presidiário deve arcar com seus gastos financeiramente, quando tiver condições econômicas, ou por meio de trabalho. O texto foi aprovado hoje (6/6) em caráter terminativo e segue para apreciação na Câmara dos Deputados.

“Esse projeto do senador Moka, que impõe regras para que as pessoas sejam responsáveis por pagar, por quitar ou financeiramente ou com trabalho o que onera o Estado, é extremamente oportuno. Vimos ontem o que é uma vergonha nacional que é esse Atlas da Violência. Temos um índice de homicídios no Brasil que é 30 vezes maior que o da Europa. E o cidadão diz: ´mas eu pago a mesma carga tributária do Europeu! Eu pago mais de 32% do PIB em imposto e não tenho nada, muito menos segurança pública´. É preciso dar uma resposta mais firme, legislarmos com mais contundência e fazer com que essas pessoas que estão presas tenham uma atividade, que elas tenham que trabalhar. O estado não pode punir a educação, aluno, o professor em detrimento de não termos orçamento para atendê-lo enquanto bilhões são gastos para sustentar os presidiários”, disse o líder do Democratas no Senado.

“Cada preso hoje gasta, em média, R$ 2.440 por mês, valor acima de muitos salários de professores e também de outros profissionais de muitas áreas no país. É importante deixar claro que a partir de agora essa matéria foi para Câmara dos Deputados, aguardamos a aprovação apenas na Câmara dos Deputados para torná-la lei”, acrescenta o parlamentar.

Caiado explicou ainda que o projeto não impede que a vítima de violência ou sua família acesse o poder Judiciário para requerer indenização do criminoso, conforme já estabelece a Lei de Execuções Penais (Lei nº 7.210/1984). “Esse projeto não compromete o direito da vítima ou sua família de recorrer o poder Judiciário para ter ressalvadas suas credenciais como vítima e indenizada diante das penalidades sofridas”, esclareceu.

Entenda melhor
O PLS 580/2015 estabelece que o preso deve indenizar o Estado por suas despesas geradas enquanto estiver no sistema carcerário por meio de trabalho ou financeiramente quando houver condições econômicas do apenado. O democrata lembrou que para realizar o cálculo da despesa a ser ressarcida, o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) editou a Resolução 6/2012, que traz uma série de parâmetros que permitirão definir esse montante.

O senador Caiado acatou ainda duas emendas da senadora Simone Tebet (PMDB –MS) que determina que nas situações em que o preso não pagar suas despesas com o Estado seu débito será convertido em dívida ativa da Fazenda Pública. A outra emenda define que se o preso concluir sua pena e ainda houver dívida pendente, seus débitos com o Estado serão remidos.

Atlas da Violência
O Altas da Violência divulgado ontem (5/6) mostrou que durante o governo de Marconi Perillo, a taxa de homicídios em Goiás cresceu quase 175%. A variação se refere aos índices de assassinatos ocorridos no estado desde que Perillo assumiu o governo em 1999 até 2016, último ano em que houve a medição do estudo divulgado anualmente pelo IPEA em conjunto com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A taxa de saiu de 16,5 homicídios para cada 100 mil habitantes, em 1999, para 45,3 homicídios para cada 100 mil habitantes, em 2016. O dado mais recente foi divulgado nessa terça-feira (5/6) e revelou que o estado figura entre os oito mais violentos do país. Se for considerado o período de 2006 a 2016 o índice apurado cresceu 72,2% em Goiás.

O índice no estado é bem superior à média nacional que já é a maior da história. Enquanto em Goiás o índice apurado em 2016 chegou a 45,3 homicídios para cada 100 mil habitantes, no país a média é de 30,3 para cada 100 mil habitantes. A taxa é ainda mais alta na faixa etária de 15 a 29 anos de idade: 96,4 a cada 100 mil habitantes, também bastante superior à média nacional entre os jovens que é de 65,5 homicídios a cada 100 mil habitantes.

Acesse a íntegra do relatório 

0ea1d08c-5b60-4ff7-91d6-a6abdc476f98

Ao homenagear o bispo Manoel Ferreira, Caiado fala da importância da Assembleia de Deus para conscientização política da população

O senador Ronaldo Caiado (Democratas-GO) fez questão de homenagear hoje (30/5) o bispo Manoel Ferreira, presidente da Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil Ministério Madureira, que completa hoje 86 anos de idade. Ao participar da comemoração do aniversário do bispo, em Brasília, Caiado destacou a importância da igreja na conscientização política da população para reescrever a história do país nesse momento de grave crise. O parlamentar, que é pré-candidato ao governo de Goiás, esteve na celebração ao lado do seu suplente, Luiz Carlos do Carmo e do bispo Oídes José do Carmo, além de vários pastores e obreiros da Assembleia de Deus Ministério Madureira.

“Uma referência especial a aquele que hoje completa mais um ano de idade diante de um trabalho não só construído no país, mas reconhecido internacionalmente que é o nosso bispo primaz Manoel Ferreira. Quero dizer nessa hora o quanto o trabalho feito pela Assembleia de Deus brasileira tem refletido nos próximos anos deste país. Nós vivemos uma pulverização de partidos, mas nós temos uma hegemonia muito grande no sentido de poder organizar a sociedade neste momento para enfrentar um debate político preservando a democracia. Fazer com que ela possa sobreviver, não deixarmos chegar a uma ruptura institucional no país e, para isso, a Assembleia de Deus Madureira tem tido um trabalho extremamente importante conscientizando a todos. Levando a necessidade de conversar política nesta hora em cada estado deste país fazendo com que haja uma representatividade capaz de nas eleições de 2018 podermos escrever um novo momento na história no país”, disse Caiado.

O senador ainda alertou para a necessidade de os gestores que assumirem funções daqui para frente promoverem cortes na máquina estatal sob pena de um levante da população ainda maior que o realizado pelos caminhoneiros.

“É um momento conturbado, todos nós sabemos, não adianta tentar cobrir o sol com a peneira. Nós estamos vendo uma reação da sociedade brasileira que não admite mais o tamanho do estado, que o custo hoje dos poderes instalados venha inviabilizar 100% a sua vida no dia a dia. Ou agora nós vamos saber modelar os gastos do estado brasileiro e vamos poder retribuir ao cidadão qualidade de trabalho, de educação, de saúde, de segurança pública ou se não a sociedade vai se rebelar contra todas as instituições constituídas”, advertiu.

Caiado24.5

Ronaldo Caiado colhe assinaturas para o seu projeto que reduz o preço do gás de cozinha

Ronaldo Caiado colhe assinaturas para o seu projeto que reduz o preço do gás de cozinha

Texto estipula alíquota máxima de 12% do ICMS para o produto beneficiando principalmente as famílias mais carentes sem condições de arcar com o custo do botijão após escalada de preços

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), começou a colher as 41 assinaturas para apresentar projeto de resolução que estabelece alíquota máxima de 12% de ICMS para o gás de cozinha. O projeto vai frear a escalada de preços do botijão ocorrida principalmente a partir de 2017 e permitir que as distribuidores pratiquem um preço mais baixo, já que os estados adotam alíquotas que variam de 17% a 25%. O senador já assinou um outro projeto de autoria dos Senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Romero Jucá (PMDB-RR) que estabelece um teto de 18% do ICMS nos combustíveis.

Conforme o senador, a medida vai beneficiar especialmente a população mais carente que se viu sem condições de arcar com os preços médios do botijão de gás de cozinha que saltaram de R$ 57,19, em abril de 2017, para R$ 67 em abril de 2018. Caiado reforça que essa alta de preços excluiu 1,2 milhão de famílias do consumo de gás de cozinha ano passado, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua) do IBGE.

“A alta no preço do gás de cozinha em 2017 fez com que 1,2 milhão de domicílios passassem a usar lenha e carvão na preparação dos alimentos, de acordo com dados da PNAD Contínua, divulgada em abril deste ano pelo IBGE. Em 2017, 12,3 milhões de lares procuraram alternativas ao gás. No ano anterior, 2016, esse número foi de 11,1 milhões de residências. Este dado reflete que 17,6% dos 69,8 milhões de domicílios brasileiros não têm acesso ao gás. São dados concretos que mostram como uma política de preços teve impacto direto e imediato sobre as famílias mais pobres”, atestou Caiado.

O parlamentar explicou ainda que resolveu apresentar o projeto já que as ações adotadas pela Petrobras após apurar de 84% no produtor de gás de cozinha não foram suficientes para barrar a subida nos preços. O preço final cobrado do consumidor ainda aumentou 19,6% na média nacional. Até a redução de 5% anunciada pela Petrobras nas refinarias este ano não chegou ao consumidor final.

“O gás de cozinha é item essencial para as famílias brasileiras. Não é possível manter essa política de preços cruel que exclui e leva milhões de brasileiros a uma condição precária”, afirma o senador que lembra que a fixaria de alíquota do ICMS é prerrogativa do Senado, por isso, o projeto não precisa tramitar na Câmara dos Deputados.

“Estamos convictos de que a fixação de uma alíquota máxima de 12% para o GLP vai proporcionar uma redução no valor de venda nas distribuidoras em praticamente todo o país, bem como servirá de estímulo à União, Petrobrás e distribuidoras para que cada qual, dentro da sua envergadura institucional, adote as medidas cabíveis para derrubar o valor de venda do bem até que se restabeleça o acesso do gás às famílias brasileiras que, nos últimos anos, assistiram o produto ficar fora do alcance do seu poder aquisitivo”, acrescentou Caiado na justificativa do projeto.

Saiba Mais

O projeto de resolução fixa alíquota máxima de 12% para o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), nas operações com Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). O projeto deve ter o apoiamento de 41 senadores para que seja apresentado e possa tramitar nas comissões e plenário. Como é prerrogativa do Senado estipular valores para o ICMS, o texto tramitará apenas nessa Casa, sem ser necessário apreciação pela Câmara dos Deputados.

64b15e60-c4e2-4853-afa9-046f20556db4

Incluir novos municípios na RIDE significa dar uma garantia mínima de cidadania a população local, diz Caiado

Senado aprovou projeto relatado por Caiado que inclui municípios na região do Entorno permitindo repasses de recursos federais

O plenário do Senado aprovou hoje (22/5) por 64 votos a 1 o projeto de lei complementar (PLC 102/2015) relatado pelo senador Ronaldo Caiado (Democratas-GO) que inclui municípios da região do Entorno do Distrito Federal. Na visão do líder do Democratas no Senado, a medida significa garantir um mínimo de cidadania aos moradores das cidades em questão que agora poderá receber recursos federais via convênios para áreas como saúde, educação, infraestrutura e transporte. O texto acrescenta 10 municípios de Goiás e dois de Minas Gerais à RIDE (Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno) e como já foi também aprovado pela Câmara dos Deputados segue para sanção presidencial.

“Esses municípios todos que estão sendo incluídos sofrem por essa concorrência que existe dentro da qualidade de vida do Distrito Federal. A proposta tem um objetivo que é diminuir as desigualdades regionais. Não é concentrar sobre Brasília e empobrecer essa outra região. É você poder fazer convênios na área de saúde, na área de educação, de segurança pública, na área social, enfim todas essas ações que possam pelo menos amanhã garantir um mínimo de cidadania a essas pessoas como também a parte do transporte que está insuportável”, argumentou Caiado lembrando que a RIDE a RIDE é prevista na Constituição Federal para que a União possa realizar os convênios mencionados e reduzir as desigualdades regionais.

O parlamentar relatou os graves problemas na área da saúde e transporte, por exemplo, que passam essas cidades sem acesso a investimentos. “A RIDE existe para criar uma interface, principalmente na situação da saúde, educação, transporte e segurança pública. Conhecemos a importância sócioeconômica do Distrito Federal, mas tem sido criada uma região desprovida de atendimento à saúde principalmente porque não tem como essa população ter acesso a uma regionalização da saúde pelo número de pessoas que ocupam a região do Entorno. Essa região já tem o segundo colégio eleitoral do estado de Goiás que tem 800 mil eleitores a que se sentem desassistidos. A situação se torna mais delicada quando imaginamos hoje o que é o transporte para vir a Brasília. Um cidadão em Luziânia gasta três horas de ônibus para ir a Brasília e mais três horas para voltar. São milhares de pessoas, de apenas alguma cidade chega a um milhão de pessoas que se deslocam para Brasília no seu dia a dia. É algo grave e que se deteriora a cada dia”, alerta.

O senador destacou que o projeto é necessário já que o governo do estado de Goiás se mostrou sem condições orçamentárias de dar suporte a essas cidades que têm carência em todas as áreas. ”O estado de Goiás não assumiu essa condição e não teve condição orçamentária de assumir e essa migração existiu porque todas as pessoas que visam amanhã uma melhor perspectiva ou pelo menos uma oportunidade de emprego, o caminho dele é convergir para Brasília. Mas, convergir para Brasília e ter depois que morar no Entorno em condições subumanas como estão morando hoje com as cidades comandadas pelo narcotráfico pela criminalidade, sem acesso a saúde e educação é algo que não tem sentido. Nós tínhamos que ter a sensibilidade de estender a essas e regiões ações administrativas que a União está autorizada a fazer”, acrescentou.

O senador Wilder Morais (Democratas-GO), que também apoiou a aprovação do projeto, reforçou a importância do projeto para as novas cidades da RIDE. “Os municípios do Entorno passam por uma situação muito difícil. São as cidades do “Nem” não são nem do Distrito Federal e nem de Goiás. São 10 cidades de Goiás com 200 mil pessoas que podem ser beneficiadas. Brasília foi criada para integrar o Brasil, mas com o crescimento do Entorno aconteceu o contrário. A gente clama por esse projeto para viabilizar recursos para segurança, saúde, educação”, defendeu Wilder ao encaminhar seu voto favorável pelo projeto.

Saiba mais
O PLC 102/2015 acresce a RIDE os municípios goianos de Alto Paraíso, Alvorada do Norte, Barro Alto, Cavalcante, Flores de Goiás, Goianésia, Niquelândia, São João d’Aliança, Simolândia e Vila Propício e os mineiros de Arinos e Cabeceira Grande. Outras 22 cidades já fazem parte da região do Entorno do DF, criada pela Lei Complementar 94/98.

375c5c86-9524-4d4c-bffc-ebd0705d2fec

Caiado recebe homenagem “personalidade do ano” da Associação Goiana de Nelore

O senador Ronaldo Caiado (Democratas-GO) recebeu na noite dessa segunda-feira (21/5) o prêmio personalidade do ano, concedido pela Associação Goiana de Nelore (AGN). Ao receber a homenagem do presidente da entidade, Eurico Velasco, o líder do Democratas no Senado lembrou da superação de várias dificuldades para que o setor se tornasse o motor da economia e como a classe permanece unida para enfrentar novos desafios em nome do Brasil que trabalha e produz. Caiado fez questão de agradecer o apoio recebido em sua eleição para o Senado Federal e conta com o suporte do setor para promover as mudanças que Goiás e o Brasil precisam.

”Eurico é um amigo pessoal, pessoa que eu tenho uma admiração enorme pela sua trajetória não só do direito, mas como produtor rural. Quero dizer a todos que a luta a cada dia continua mais forte. O setor rural com todas as predominâncias na economia brasileira, mas é lógico que a área econômica toda hora tenta enfiar a mão no bolso do setor, cada hora nos penalizando mais, mas, no entanto, nós temos aqui aquilo que é muito nosso estilo que é de mostrar que nós vamos vencer. Isso sempre foi uma característica muito forte nossa de transmitir esperança, de transmitir confiança. Com todos os problemas, nós já superamos muito”, disse Caiado ao lembrar a participação do setor junto com a classe política no processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, na renegociação de dívidas rurais, na garantia do direito de propriedade e na formação de uma frente parlamentar em defesa do agronegócio.

“Neste momento como senador da República, graças aqui ao apoio que tive independente da tendência política-partidária, quero dizer que tenho um orgulho enorme de poder representá-los naquela Casa. Neste momento, também todos vocês sabem coloco meu nome como pré-candidato ao governo do estado de Goiás para avaliação de todos vocês. Esse é um processo que estará aí e nos próximos quatro meses nós estaremos decidindo o futuro de Goiás, o futuro do Brasil o que nós desejamos para que a gente possa superar os desafios que temos pela frente. E, no meu momento agora, é dizer muito obrigado e se Deus quiser vamos marchar juntos com orgulho de representar Goiás, o produtor rural no Congresso Nacional” concluiu.

CaiadoWilderemilitares

“É compromisso nosso equiparar salários e acabar com discriminação de classes na PM e Bombeiros”, diz Caiado

O senador Ronaldo Caiado (Democratas) afirmou nesta sexta-feira (4/5) que é necessária e urgente a equiparação salarial na polícia militar de Goiás. O parlamentar firmou compromisso, como pré-candidato ao governo, de reajustar a remuneração de R$ 1,5 mil recebida por policiais de terceira classe, categoria criada pelo atual governo do estado. Acompanhado do também senador democrata Wilder Morais, pré-candidato ao Senado, Caiado esteve na sede da União dos Militares do Estado de Goiás, quando conversou com seu presidente, Cabo Sena, sobre a demanda de policiais e bombeiros militares. Na opinião de Caiado, essa terceira classe não deve existir: “Não vamos admitir essa divisão que só diminui a moral da tropa e não valoriza o trabalho de policiais e bombeiros”, destacou.

“Conversamos a respeito das demandas dos bombeiros e policiais militares. O senador Caiado dá a palavra que vai fazer a força de segurança pública do nosso estado e isso inclui o filho mais velho que é a polícia militar, o bombeiro que vai ter um tratamento diferenciado. É a polícia que traz a paz, a segurança da população”, disse o Cabo Sena, lembrando que esses policiais de 3ª classe são os que têm o menor salário do país.

Caiado enfatizou a dedicação da polícia de Goiás e se comprometeu a investir na segurança pública e na valorização da corporação. “Todos sabem a dedicação, o empenho que tem a Polícia Militar do nosso estado de Goiás. Eu tenho orgulho enorme de representá-los no Senado Federal. Quero deixar claro aos diretores da Unimil, a todos os cabos e soldados, que se nós chegarmos ao governo do estado, não terá policial de terceira categoria no nosso governo. Nós não vamos sucatear a segurança pública do nosso estado. Pelo contrário, a segurança pública será elemento primordial para que Goiás resgate credibilidade, investimento, oportunidade de gerar emprego e um combate eficiente a criminalidade que cresce cada dia mais. Somos pessoas de palavra dada e não vamos criar situações para deteriorar a autoestima, a dignidade daqueles que são responsáveis pela segurança pública do nosso estado. Eles terão nosso reconhecimento e serão remunerados sem fazer divisão de categorias. Será o fim dessa divisão de 3ª classe criada pelo governo atual”, pontuou Ronaldo Caiado.

Já o senador Wilder Morais, que revelou que já quis ser policial militar, manifestou o orgulho da população em relação a PM e disse que vai intensificar sua atuação no Senado em prol da segurança pública. “Nós temos muito orgulho da nossa Polícia Militar do Estado de Goiás. Fui relator na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do projeto que dá um norte para que se possa fazer segurança pública nos estados do nosso País. Cada estado tem uma particularidade, e é assim aqui no Centro-Oeste. Se Deus e o povo goiano me permitir retornar ao Senado vamos fazer uma política de segurança pública dando autonomia aos estados para que defendam e façam seu planejamento de segurança pública. Pode ter certeza que eu continuarei a ser parceiro da PM para que a gente possa cada vez mais levar segurança ao nosso povo goiano”, afirmou Wilder.

CaiadoeWilder

Lideranças de 19 cidades declaram apoio a Ronaldo Caiado

Conduzidos pelo deputado estadual José Nelto (Podemos), lideranças de 19 municípios do Norte, Nordeste, Vale do São Patrício e Mato Grosso goiano declararam apoio nesta quinta-feira (03/05) à pré-candidatura do senador Ronaldo Caiado (Democratas) ao governo, bem como à reeleição de Wilder Morais (Democratas) ao Senado. Entre ex-prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, as lideranças enfatizaram que Ronaldo Caiado é o nome da mudança em Goiás. Do MDB, 15 municípios foram representados.

Para José Nelto, estes encontros marcaram um momento importante da pré-candidatura de Ronaldo Caiado. “Estão aqui cidades importantes de Goiás em apoio a Ronaldo Caiado. A dissidência do MDB em todo o Estado já decidiu que apoia a candidatura dele porque é a verdadeira oposição ao projeto fracassado de Marconi Perillo”, assegurou.

Ex-prefeito pelo MDB de São Domingos, Gervásio Gonçalves da Silva foi enfático ao dizer que a insatisfação com os rumos do partido motivou o desejo de caminhar ao lado de Ronaldo Caiado. “Nós emedebistas temos a tradição histórica de rivalidade contra o PSDB em Goiás. Somos adversários. O que MDB precisa fazer é unir as oposições”, defendeu.

Gervásio Gonçalves da Silva também afirmou que vai trabalhar para que o partido como um todo abrace a pré-candidatura de Ronaldo Caiado. “Vou pregar que toda a base do MDB no Estado, todos os diretórios municipais, exijam do diretório estadual a coligação com Ronaldo Caiado. Ele é um homem honrado, que não está envolvido em Lava Jato e tem estatura para governar Goiás”, afirmou.

Há 15 anos filiado ao MDB e no sexto mandato como vereador, o presidente da Câmara de Campos Belos, Juranda, também defendeu o nome de Ronaldo Caiado como o mais preparado para a disputa. “Toda a vida a gente ficou na garupa, nunca fomos governo. Os membros do MDB estão aqui comigo para abraçar a candidatura de Ronaldo Caiado. Goiás precisa mudar. E é por isso que queremos Ronaldo Caiado. Tenho a honra de ser goiano e saber que tem um homem respeitado no Senado nos representando”, explicou.

O mesmo defende o MDB de Ipiranga. O ex-prefeito Enilton José de Souza afirma que espera ver Goiás mudar. “Estamos aqui porque é o que a maioria dos goianos quer. MDB não quer mais sofrer, quer a vitória. Minha única filiação até hoje foi no MDB. Infelizmente não estou satisfeito com essa situação que o partido vive hoje”, disse, lembrando que a maioria dos vereadores é do MDB e que vai trabalhar fortemente o nome de Ronaldo Caiado para o governo.

O vereador Uelliton José Machado, do MDB de Itapaci, contou que seu grupo político optou por seguir José Nelto após a dissidência. “Tenho três eleições dentro do partido, faço parte do diretório, mas com essa decisão do José Nelto nós vamos acompanha-lo. Acredito que hoje Ronaldo Caiado é a mudança. Ele é o homem sério que Goiás precisa realmente para tirar da mão desse grupo político que já manda a muitos anos em Goiás e tem esquecido a nossa região”, contou.

Também de Itapaci, o ex-presidente do MDB Luiz Maria da Silva concordou. “A política a gente não manda na gente. Política a gente tem de ter um patrão, e o nosso é o José Nelto. Ele nos apresentou Ronaldo Caiado, que é homem que tem palavra e projeto”, confirmou.

CaiadoCocalzinho

“É preciso dar fim a era de perseguições a quem não reza a cartilha do governo”, diz Caiado em Cocalzinho de Goiás

A atenção dos senadores Ronaldo Caiado e Wilder Morais, ambos do Democratas, com Cocalzinho de Goiás foi ressaltada neste sábado (28/04) em discursos do prefeito Alair Ribeiro (PR); do vice Alair Rabelo (PSD); vereadores e lideranças da região que os receberam na Câmara Municipal para um encontro. Todos relataram o descaso do atual governo com o município e a esperança de que um novo gestor possa atender as demandas dos municípios sem se ater a questões partidárias.

Ronaldo Caiado, que destinou R$ 400 mil em emendas parlamentares para a infraestrutura da cidade, falou que tem buscado construir um projeto de futuro para Goiás ao lado de pessoas com espírito público e comprometidas com a população.

“Este foi o sentimento que o senador Wilder Morais e eu tivemos aqui hoje. São pessoas que querem qualidade de vida para os moradores e lutam por isso. O Brasil mudou mais infelizmente muitos políticos, que se acham donos do Estado, não perceberam. Todos nos relataram as dificuldades que o município enfrenta e, mesmo assim, as autoridades sequer são recebidas pelo governo. Essa política de beneficiar só quem se alinha ao governo é que o goiano não suporta mais. É preciso dar fim a era de perseguições a quem não reza a cartilha do governo”, disse Ronaldo Caiado.

O foco de uma administração, nas palavras dele, deve ser o cuidado com os moradores. Ronaldo Caiado mencionou em especial a atenção à infância e juventude, que terá atenção especial em um plano de governo.

“O Goiás que lutamos para ter não é o de uma escola estadual inacabada, como Cocalzinho tem. Queremos dar condições para que crianças, tenham condições de educação e atendimento nutricional e psicológico. É uma parceria que gostaríamos de ter com as prefeituras para que as crianças, em sua fase mais importante, possam se desenvolver”, contou.

Wilder Morais, que também destinou mais de R$ 200 mil para Cocalzinho de Goiás, falou sobre a necessidade de atender e conhecer de perto as necessidades da população, como tem feito ao viajar por todo o Estado ao lado de Ronaldo Caiado.

“Tenho certeza de que, se Ronaldo Caiado for vitorioso nestas eleições, ele irá governar para todos. Será uma gestão verdadeiramente voltada para o povo. É essa a mudança que os goianos esperam assistir”, afirmou Wilder Morais.

O prefeito Alair Ribeiro reconheceu o trabalho de ambos a favor do município e contou que, por parte do governo, o descaso é grande. Por isso ele tem repetido que Goiás precisa sair da zona de conforto e colocar um fim a este ciclo de 20 anos de um mesmo grupo no poder.

“Muitas vezes nós prefeitos sofremos retaliações por divergimos do atual governo. Mas o que precisamos é que o governo seja para todos e que os municípios sejam olhados em suas particularidades”, defendeu o prefeito.

Alair Ribeiro detalhou várias dificuldades que o município enfrenta pelo descaso do governo. Na semana passada, o distrito de Girassol passou seis dias sem água e o prefeito agora pretende requerer na Justiça a municipalização do recurso.

“Peço a vocês uma atenção especial também com a educação. Temos hoje 500 alunos do Ensino Médio estudando em quadra coberta porque as obras do Colégio Padrão Século 21 nunca acabaram. Já são quatro anos de espera”, relatou.

Por conta de situações como essa que o vereador, Sirley Oliveira, se desligou do grupo da base do governo e têm defendido a pré-candidatura de Ronaldo Caiado. “Goiás precisa alavancar em todas as áreas e quem vai conseguir fazer isso é Ronaldo Caiado”, finalizou.

foto

Caiado cobra votação de projeto que amplia região do Entorno de Brasília 

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), cobrou a inclusão na pauta do plenário o PLC 102/2015 que amplia a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE). O projeto de lei complementar acrescenta 10 novos municípios de Goiás e dois de Minas Gerais à RIDE, o que garantirá acesso a recursos federais e prioridade em convênios nas áreas de infraestrutura, transporte, educação, saúde e cultura. O senador lembrou que já existe acordo desde o final do passado para votação da matéria que já foi aprovada na Câmara dos Deputados.

“Venho a tribuna cobrar a inclusão na pauta de um projeto que fizemos acordo no final do ano passado, o PLC 102/2015 que contempla a ampliação da RIDE. Essa matéria está sendo procrastinada no decorrer desse tempo. O que se propõe é exatamente trazer um desenvolvimento integrado. O estado de Goiás sofre sobremaneira e a região do Entorno é altamente penalizada porque o fluxo todo de milhares e milhares de pessoas que hoje ocupam essa região do Entorno de Brasília ficam desassistidas pela capital federal, que tem a fundo perdido mais de R$ 12 bilhões por ano para tratar da saúde, da educação e da segurança pública. E, no entanto, tudo isso é negado ao cidadão que mora em Goiás, mas que presta serviço em Brasília. É fundamental que tenhamos uma preferência na votação desse projeto”, argumentou o senador. 

O PLC 102/2015 acresce a RIDE os municípios goianos de Alto Paraíso, Alvorada do Norte, Barro Alto, Cavalcante, Flores de Goiás, Goianésia, Niquelândia, São João d’Aliança, Simolândia e Vila Propício e os mineiros de Arinos e Cabeceira Grande. Outras 22 cidades já fazem parte da região do Entorno do DF, criada pela Lei Complementar 94/98.

O projeto já foi aprovado pela Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo e aguarda apreciação  em plenário. Se aprovado, segue para sanção presidencial.  

 

3d281025-e560-46b4-a3a4-ecc549c77ae5

Caiado presta homenagem ao ex-deputado Luís Eduardo Magalhães

 O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado, homenageou o ex-deputado Luís Eduardo Magalhães, em sessão solene na Câmara dos Deputados, em memória pelos 20 anos de sua morte. Caiado, emocionado, lembrou a atuação política marcante de Luís Eduardo, a exemplo da Constituição de 1988. O senador fez questão de destacar a importância do trabalho do ex-deputado para garantir o direito de propriedade na Carta Magna. Caiado ainda falou de sua amizade, do reconhecimento até dos adversários políticos, da capacidade de interação e respeito ao contraditório de Luís Eduardo. O ex-deputado baiano morreu dia 21 de abril de 1998, aos 43 anos de idade.

“É uma emoção muito forte hoje. Até porque as ligações com Luís Eduardo vêm de longa data. As referências que tenho de Luís Eduardo são não só da coragem, não só da palavra dada, mas da capacidade de Luís Eduardo de antever o que poderia acontecer com este País. Luís Eduardo foi um dos homens mais brilhantes na Constituinte,  momento quando nós decidimos o rumo que o país iria tomar. Aquela época a tendência era 100% estatizante, era o governo se ocupar de tudo, era o governo decidir tudo. Era Luís Eduardo a grande trincheira, parlamentar competente, com argumentos, com debate, com conteúdo. A Luís Eduardo Magalhães nós reverenciamos a sua luta por termos garantido na Constituição o direito de propriedade”, disse.

“É a pessoa que transmite a firmeza, mas também a capacidade de interagir, a capacidade de absorver  o contraditório. Este foi o homem que passou a assumir o comando da Câmara dos Deputados. A voz de Luís Eduardo era uma liderança respeitada no cenário nacional. Àquela época, eu me lembro bem junto, com Marco Maciel e ACM nós éramos presidencialistas; Luís Eduardo já era parlamentarista. Veja bem capacidade que ele teve de antever os desastres que vieram acontecer na política nacional. Nós temos não só admiração, mas temos uma referência de um homem que fez escola e deixou discípulos. Tenho orgulho de ter convivido com Luís Eduardo”, completou.

“Não só a Bahia, mas o Brasil  hoje quer dizer aos familiares de Luís Eduardo Magalhães: os nossos sentimentos. Os nossos pesares e saiba, Michele (viúva de Luís), que o estado de Goiás traz um abraço sincero, um carinho especial.  Porque em Goiás, vocês sabem, vocês são muito bem recebidos e têm o carinho de toda nossa gente, não só pela região fronteiriça, mas pela amizade que se construiu no decorrer desses anos”, concluiu.

1 2 3 27