WhatsApp Image 2017-04-05 at 16.32.14

Caiado acusa PT pelo fim do CsF e defende destinar recursos para merenda escolar

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado defendeu a realocação de recursos do Ciência Sem Fronteiras para custear a merenda escolar de 39 milhões de alunos.

Em discurso na tribuna do Senado, nesta quarta-feira (05/04), o senador elogiou o ministro Mendonça Filho, acusou o PT pelo fim do programa e apresentou números que demonstram o fracasso da política educacional dos governos Lula e Dilma.

“O PT quer, de maneira oportunista, colocar o fracasso do Ciência Sem Fronteiras no colo do novo governo quando foram eles que fracassaram. Os dados são estarrecedores: o governo gastava R$ 3,25 bilhões por ano para que 35 mil bolsistas fizessem um ano de sua graduação no exterior. Estamos realocando esse montante para atender a merenda escolar de 39 milhões de alunos no país”, comparou.

Caiado também reforçou a falta de retorno prático do investimento e o fraquíssimo monitoramento sobre o desempenho dos bolsistas fora do país. O senador lembrou que até mesmo o ex-ministro da Educação de Dilma Rousseff, Renato Janine, saiu em defesa do fim do programa.

“Tudo isso ficou evidente na fala do ex-ministro Janine: ‘Não havia dinheiro para continuar, era preciso suspender o programa. Um dos problemas foi o fato de não haver monitoramento concreto dos alunos. Muitos ficaram soltos demais, turismo sem fronteira. Se é verdade que o MEC cortou para colocar na merenda escolar, está correto’. Ora, quem está dizendo isso não é o Democratas. É o próprio ex-ministro de Dilma!”, ressaltou Caiado.

Caiado parabenizou o trabalho desempenhado pelo ministro Mendonça Filho, seguido de apartes também elogiosos de Cristovam Buarque (PPS-DF) e Magno Malta (PR-ES). “O ministro Mendonça Filho irritou enormemente o PT por conseguir fazer a reforma do ensino médio em seis meses, algo que não conseguiram em 13 anos”, provocou.

Números
Ao citar os erros do PT na educação pública, Caiado trouxe dados que atestam o baixo desenvolvimento do ensino brasileiro na última década. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica [IDEB] está estagnado desde 2011 e 1,7 milhão de jovens nem estudam, nem trabalham.

“É bom reforçar que o PT também foi capaz de deixar o governo com estudantes tendo desempenho em português e matemática menor do que em 1997. Que 13 anos de PT nos deixou com 70% dos estudantes abaixo do nível de matemática, 51% abaixo no nível de leitura e 56% em ciências de acordo com o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes”, concluiu.