WhatsApp Image 2017-08-08 at 18.13.02

Caiado defende voto de censura de Senado Federal a Maduro

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), manifestou em plenário, nesta terça-feira (08/08), apoio ao requerimento que pede um voto de censura ao ditador venezuelano Nicolas Maduro pela violenta repressão que impõe no país.

Citando relatório na ONU que responsabiliza o Governo Maduro por 76 mortes em protestos e mais de 5 mil presos políticos, Caiado também criticou a postura do Partido dos Trabalhadores que mantém uma posição de apoio ao tirano.

“O PT pode defender aqui o amigo ditador Maduro, mas não tem o direito de impedir o voto de censura. É o mínimo que este Senado tem que fazer. Nós, brasileiros, que destituímos um governo que tinha mesmo caminho da Venezuela, vamos nos manifestar, sim, contra esse tirano”, afirmou.

O senador também lembrou que fez parte da comitiva que visitou o país em 2015, quando foi cercado e impedido de transitar em Caracas por coletivos bolivarianos.

“Já havíamos diagnosticado essa situação quando esta Casa criou uma comissão para poder visitar e ver as condições de Leopoldo Lopez e outros presos políticos. Fomos sitiados, praticamente sequestrados. Já havia ali este cenário de total desrespeito à cláusula democrática que é imposta a todos os membros do Mercosul e nada era feito”, criticou.

O requerimento será votado nesta quarta-feira (09/08).

uti

Democratas repudia prisão de López e quer que Dilma convoque OEA

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), criticou a perseguição política na Venezuela que levou o oposicionista Leopoldo López a uma condenação de quase 14 anos de prisão, além da punição a mais três estudantes que participaram de protestos contra o governo.

Em conversa com o presidente do legenda, José Agripino (RN), ficou acordado que o partido vai ingressar com uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) no Supremo Tribunal Federal (STF) para determinar que a presidente Dilma convoque em caráter de urgência o Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) para discutir o caso.

“A presidente Dilma Rousseff e o governo brasileiro se calam mostrando total conivência e aval à prisão política de Leopoldo López. É uma ação violenta aos direitos humanos e torna a presidente da República parceira do ditador Maduro. Enquanto isso, a União Européia dá uma declaração contundente cobrando que a Venezuela reveja essas penas. Já ficou provado que os diplomatas e auditores independentes foram impedidos de acompanhar a fase final do julgamento”, lembrou.

O Democratas quer que nações vizinhas e os organismos internacionais cobrem o cumprimento da cláusula democrática assinada no Protocolo de Ushuaia entre membros do Mercosul. “Vamos trabalhar para excluir a ditadura venezuelana do bloco”, anunciou.

Provocação
Ronaldo Caiado acredita que a sentença proferida às vésperas de eleições legislativas no país é uma ação do ditador Nicolas Maduro para incitar o clima de instabilidade que justificaria um cancelamento do processo eleitoral.

“O fato do governo Maduro determinar ao judiciário a imputação de uma pena de quase 14 anos tem um único objetivo: criar uma clima de revolta da oposição e com isso tentar impedir as eleições do dia 6 de dezembro. Maduro sabe que será derrotado e por isso tenta criar situações de conflito, como vem fazendo com a Colômbia. É tudo jogo de cena para legitimar o seu golpe”, acusou Caiado.