WhatsApp Image 2018-04-12 at 15.01.28

Governo de Goiás abandonou saúde do estado causando fila de 55 mil pessoas para realização de cirurgias eletivas, diz Caiado

Senador comentou pesquisa que apontou: 53,1% dos goianos colocam a saúde como principal problema a ser atacado pelo estado
Ronaldo Caiado propõe hospitais de campanha para sanar déficit de cirurgias eletivas e auditorias nas OS´s para garantir aplicação correta do dinheiro público
O senador Ronaldo Caiado (Democratas) disse nesta quinta-feira (12/4) que o governo Marconi Perillo abandonou a saúde do estado causando uma fila de 55 mil pessoas para realização de cirurgias eletivas. Para o líder do partido no Senado, o ex-governador vendeu a ilusão ao goiano de que iria melhorar a infraestrutura de hospitais do estado, mas deixou Goiás entre os piores do país no atendimento à saúde. Caiado comentou a pesquisa Serpes/O Popular que apontou que 53,1% dos goianos colocam a saúde como principal problema a ser atacado pelo estado. Conforme o parlamentar, o colapso do setor ocorreu pelo descaso do governo que destinou muita verba para propaganda de hospitais que nunca saíram do papel ou que estão sem condições de atendimento.
Ele lembrou o recente levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM), que coloca o estado como o terceiro com maior déficit de cirurgias eletivas no Brasil – 55.195, pessoas que aguardam para serem operadas de catarata, varizes ou vesícula. Médico e profundo estudioso da área, Caiado propõe o levantamento emergencial de hospitais de campanha para zerar esse déficit e um entendimento com a rede privada que atende o SUS para complementar a assistência e garantir maior qualidade e eficiência no atendimento da população.
“Vejam vocês a radiografia da saúde no nosso estado de Goiás. O Conselho Federal de Medicina em seu último levantamento mostra que o estado de Goiás tem uma fila de 55 mil goianos esperando cirurgias eletivas. Esse quadro é caótico. Nós estamos entre os três piores estados no que diz respeito à atendimento na área da saúde. Esse colapso se deu exatamente porque o governo nunca se ocupou nesses últimos 20 anos do setor. Não é ficar apenas ficar dizendo que vai construir hospitais, é para colocá-los para funcionar. Existe sempre àquela ilusão de uma parede que é levantada, um hospital que é prometido, mas a parede em si não opera paciente, não atende às pessoas”, atestou Caiado.
”O que nós queremos, mais do que nunca, diante desse desafio, é, se pudermos chegar amanhã ao governo do estado, implantar, em caso emergencial, hospitais de campanha, hospitais pré-moldados para que rapidamente possamos atender milhares e milhares de goianos que estão ansiosos e desesperados para serem atendidos”, acrescentou.
Organizações Sociais 
 
O senador também defende uma auditoria nas organizações sociais que administram unidades de saúde do estado, já que existem uma série de denúncias de desvio de recursos para caixa dois de campanha eleitoral e enriquecimento ilícito.
“Não podemos admitir mais a situação das OSs (Organizações Sociais) sem que seja feita uma auditoria profunda para que a gente possa ter a certeza que o dinheiro está sendo usado corretamente para atender os goianos e não para promover o enriquecimento ilícito de tantas pessoas. O que nós precisamos é de fazer com o que o cidadão goiano tenha condições de ter assistência médica.  Além do mais, quero dizer que tenho a coragem de enfrentar esse debate e promover um grande entendimento com a rede privada que atende pelo SUS e ter um complemento para desafogar essa fila que tanto tem judiado e matado nosso povo nesses últimos 20 anos”, afirmou.
Captura de Tela 2012-12-04 às 18.11.48

Caiado reforça independência

Em busca de se fortalecer para 2014, o Democratas goiano começa a se movimentar para consolidar um nome com condições de concorrer ao governo do Estado. O deputado federal Ronaldo Caiado (DEM), presidente regional da legenda e principal articulador da tentativa de voo solo, aproveitou encontro de lideranças políticas do partido ontem, em Goiânia, para reforçar o discurso de independência e se colocou à disposição para concorrer ao cargo. Durante o evento, do qual participaram prefeitos e vereadores eleitos, além de deputados e do senador Wilder Morais, Caiado afirmou que a intenção é antecipar as articulações para evitar que fique tudo para a última hora e propôs uma agenda positiva para o DEM até 2014.

“A posição do partido é criar outra visão de governabilidade, gestão e transparência, não necessariamente ser oposição a A ou B. A população já conhece PMDB, PT e PSDB. E vamos mostrar que nos governos onde o DEM está à frente já fizemos a diferença”, disse o deputado em entrevista à rádio CBN Goiânia. Caiado, no entanto, enfrenta resistência do grupo que mantém o partido na base aliada do governador Marconi Perillo (PSDB), encabeçado pelo vice-governador José Eliton.

Para justificar seu entusiasmo com a construção de uma via alternativa para 2014, tendo o DEM como protagonista, Caiado citou em discurso o resultado das eleições municipais deste ano. De 15 prefeitos eleitos em 2008, o DEM passou para 17 em 2012, além de contar a partir do próximo ano com 140 vereadores. No entanto, a sigla sofreu golpes recentes, como a perda da prefeitura de Rio Verde, cujo prefeito reeleito, Juraci Machado, trocou o DEM pelo PSD.

Sobre as prováveis alianças, o deputado disse que tem conversado muito com Vanderlan Cardoso (sem partido), com quem se aliou em Goiânia em torno do nome de Simeyzon Silveira (PSC) para a Prefeitura da capital. Segundo ele, a tendência é manter essa alternativa política e caminharem juntos pelos próximos dois anos, mas nada está definido.

DIFICULDADES INTERNAS

A posição do vice-governador José Eliton e de outras lideranças que seguem os comandos do governo estadual podem dividir o partido a ponto de não emplacar a candidatura própria em 2014. Enquanto a ala comandada por Caiado quer marchar rumo à oposição a Marconi, Eliton trabalha para assegurar a permanência do DEM na base. Ele não participou do encontro ontem, pois está em viagem oficial para Austrália e Nova Zelândia

Para resolver este e outros possíveis impasses, Caiado defende a democracia. O que for decidido nas convenções vai ser acatado, afirmou. “Muitas vezes podemos não concordar, mas temos de aceitar. Em 2010 eu não concordei, mas me curvei à decisão do partido”. Ao falar à CBN Goiânia, Caiado criticou a gestão de Marconi, frisando que, embora seu partido seja da base, ele não participa da gestão. Segundo o deputado, o governo foi altamente comprometido com os escândalos que enfrentou e deixa a desejar.

Caiado não quis adiantar se tem maioria no DEM, mas lembrou durante a reunião com partidários que a sigla sempre preconizou a disputa das eleições majoritárias. “Em relação ao processo de 2014, é lógico que você tem que construir e pavimentar um caminho para que isso seja possível. Vamos ouvir outras lideranças para buscar um nome daquele que atenda o sentimento da população”, disse ele, sobre sua possível candidatura ao governo.

Pesa também contra o DEM para disputar o Executivo estadual a recente perda de um de seus expoentes, o ex-senador Demóstenes Torres, acusado de usar o mandato para favorecer o empresário Carlinhos Cachoeira. Contudo, Caiado tenta reverter o desgaste do episódio exaltando a postura da sigla. “Todos os outros partidos protegeram e envolveram aqueles que estavam sendo denunciados, menos o DEM ”, disse o deputado em referência à expulsão de Demóstenes.

APARECEU

Pela primeira vez depois que assumiu o cargo no Senado, Wilder Morais, que ocupa a vaga de Demóstenes desde julho, participou de um evento político-partidário em Goiás. Ele evitou comentar as movimentações internas no partido e afirmou que tem trabalhado em defesa dos prefeitos goianos. “O DEM está firme e forte e já planejando a eleição de 2014. Vejo o partido muito animado e preparado para ter candidato.”

FONTE: OPOPULAR

Cada um no seu quadrado, diz Caiado sobre 1º escalão

Carlos Eduardo Reche

Presidente do DEM estadual, o deputado federal Ronaldo Caiado afirma que não fará nenhum tipo de gestão para que seu partido garanta espaços no primeiro escalão do terceiro governo de Marconi Perillo (PSDB). O deputado diz que aguardará eventual convite do governador eleito para discutir a questão. “O partido não vai se pronunciar a respeito, vamos aguardar. Essa é uma prerrogativa do governador, é uma decisão dele, não tem como o partido insinuar o que quer que seja. Cada um no seu quadrado”, diz Caiado. “Quem tem de mexer a primeira pedra do tabuleiro nesse sentido não somos nós, é o governador”, afirma. Perguntado se o fato de o vice-governador, José Eliton, ser do DEM não dá ao partido maior liberdade para discutir espaços, Caiado disse: “Isso depende do estilo e da visão do governador. Tem vices que não decidem nada. Tem vices que governam em conjunto”, afirmou, dizendo que Eliton – que ele chama de “Eltinho” – “merece o espaço que conquistou” porque é “preparado, elegante, bem formado, e ético”.

Sem fusão

Ronaldo Caiado afirma que será defensor intransigente da não-fusão entre DEM e PSDB. “Ela quebra a regra da fidelidade e a oposição pode ficar ainda menor”, diz.

Fonte: Coluna Giro

“É fofoca”, afirma Caiado sobre vice para Joel

Durante solenidade de posse de Ney Teles de Paula no cargo de presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás, o presidente regional do DEM e deputado federal Ronaldo Caiado defendeu mais uma vez a decisão sobre o processo eleitoral em convenção e criticou o comportamento de partidos cujas convenções, disse ele, servem apenas para homologar “tendências”.

“Com o Democratas vai ser diferente, não vai ser aquela convenção com paz de cemitério, vai ser algo onde tendências vão para a tribuna defender aliança com A ou com B”, destacou o presidente do DEM.

O democrata criticou ainda especulações de que o ex-secretário de Ciência e Tecnologia Joel Santana (DEM) tenha sido confirmado como vice na chapa do pré-candidato Marconi Perillo (PSDB). “Não podemos ficar aqui comentando fofocas, temos de comentar fatos”, ironizou Caiado.

O senador Demóstenes Torres (DEM) reafirmou que a decisão de seu partido será tomada somente no dia 30 de junho – data divulgada até agora para a convenção do Democratas. Por duas vezes, Demóstenes alertou os jornalistas de que o DEM levará em conta aliança não só com Marconi e com o pré-candidato Vanderlan Cardoso (PR), mas também com o pré-candidato Iris Rezende (PMDB).

Núbia Lôbo

FONTE: Jornal O Popular